Carta Aberta ao Presidente Lula, por José Sergio Gabrielli de Azevedo

Carta Aberta ao Presidente Lula

por José Sergio Gabrielli de Azevedo

São Paulo, 29 de outubro de 2018

Escrevo cedo na manhã do dia após as eleições. Bolsonaro ganhou e seu primeiro discurso, retomando uma velha retórica da Guerra Fria promete o combate ao socialismo e comunismo como princípios fundantes de seu ideário. Cito, literalmente:

o Brasil não poderia continuar flertando “com o socialismo, o comunismo, o populismo e o extremismo da esquerda”.

Com a Constituição na mão, Bolsonaro promete cumpri-la. Como lembrou o presidente do STF, ministro Toffoli, ela diz no seu terceiro artigo e eu cito literalmente:

 Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

 I – construir uma sociedade livre, justa e solidária;

II – garantir o desenvolvimento nacional;

  III – erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;

 IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. 

São dois discursos em um. Qual prevalecerá será resultado da resistência democrática. Da força dos que se opuseram ao discurso da raiva e do ódio.

Não pode predominar o preconceito, a apologia da desigualdade, o desrespeito as diferenças, a falta de liberdade, a perseguição aos divergentes. Não pode. Foi isto que motivou os milhões de brasileiros que, apesar de perderem as eleições, votaram em Haddad e Manuela.

Comparando-se os votos do primeiro e segundo turno, Haddad/Manuela tiveram 15,7 milhões de votos a mais do que no primeiro turno, enquanto Bolsonaro cresceu apenas 8,5 milhões entre os dois turnos. Os democratas, que se opuseram aos riscos da democracia, mais do que em dobro votaram em Haddad. Mesmo entre os que votaram em Bolsonaro, muitos acreditam que ele não cumprirá a primeira parte do seu discurso e seguirá os limites impostos pela Constituição.

A resistência democrática será a principal batalha a ser travada. Haddad desempenhará um dos principais papeis neste movimento. Com milhões de votos, ele consolidará uma liderança de tipo novo, articulando sua expressão individual com a força do sujeito coletivo que é o partido.

Não teremos tempo para curar as feridas. Mesmo feridos, a luta continua. Lideranças no Senado emergirão e Jaques Wagner surge como um grande quadro. Bem relacionado com os governadores do Nordeste, com expressão nacional e recém-chegado ao Senado com ampla vitória na Bahia, ele será um líder nacional importante.

O povo nordestino, sob a liderança de seus governadores, foi um gigante. Os estados do Nordeste, bastiões da democracia, honrando sua história de lutas, foram resistentes e deram uma grande vitória a Haddad/Manuela. Agora sofrerão assédios, pressões, perseguições. Mas como já disse um escritor, o nordestino é antes de tudo um forte.

Ciro Gomes, o neutro, perdeu substância política, mas continuará como um importante personagem da política brasileira e deverá compor a frente democrática e a resistência contra Bolsonaro.

Os movimentos sociais serão um dos focos do ataque do Governo e, portanto, passarão a adotar uma tática defensiva, de sobrevivência. Terão um papel importante na organização da sociedade e na construção de novas alternativas de pressão política. Pautas defensivas e novas formas de luta, como a intensa utilização das redes sociais para mobilização e formação, deverão se tornar mais presentes. Viva o MST, a CMP, o MTST e todos os movimentos populares.

A questão da soberania nacional, com a luta contra a entrega de nossas riquezas a interesses internacionais e a preservação dos direitos sociais já conquistados, bem como das políticas públicas que reduzem a desigualdade serão importantes palcos de batalhas. Um livro numa mão e carteira de trabalho na outra deverão ser buscas incessantes da luta de resistência.

O PT resulta nesta quadra como o maior instrumento de luta do povo brasileiro. Maior bancada de deputados federais, com ampla votação nos estados do Nordeste, forte presença em outros estados, ganhou o apoio de segmentos anti-petistas, que se revoltaram contra o risco à democracia. No entanto, estes segmentos continuam com críticas ao partido. Saber combinar a aceitação destas críticas, correções de rumo e incorporação de novas posições, será um exercício difícil de habilidade política de quem tem o papel de liderança na luta de resistência. A resistência solitária não é a melhor resistência. A resistência coletiva é mais poderosa.

A presidente Gleisi, que sai da eleição como a grande liderança partidária, terá uma tarefa imensa de manter coesionado o PT, garantir ampla articulação com os outros partidos, atrair os personagens da luta de resistência democrática e circular pelo pais, organizando a sociedade na luta pela redução das desigualdades e contra a opressão e diminuição de direitos.

O PC do B, parceiro aliado com a apresentação desta nova liderança que é Manuela DÁvila, foi chave na tentativa de coligação das forças progressistas e continuará desempenhando papel importante na manutenção da unidade. Importantes parcelas do PSB e do PDT e o PROS também estiveram presentes nesta disputa eleitoral tomando lado a favor da democracia e das mudanças.

Um dos maiores desafios para o PT é manter este apoio. Ser mais propositivo em questões concretas e adotar um processo de organização e convencimento amplo de suas posições será um caminho importante nesta reconquista de liderança. Não há como pensar numa política hegemônica neste momento. É preciso consolidar a ação conjunta com o PSOL, cujo posicionamento político foi irretocável, com firme compromisso com as lutas populares e com a defesa da democracia. Viva Guilherme Boulos e o PSOL.

Presidente Lula, a luta por sua libertação desta condenação injusta volta a ser um importante foco da disputa. Eles vão querer ataca-lo ainda mais. Nossa insurgência contra as arbitrariedades e pela defesa de seus direitos não pode deixar de estar sob atenção permanente.

A campanha foi um bom combate. Contra adversários poderosos, isolados politicamente, conquistamos mais de 47 milhões de votos, ampliando nossos apoios, no segundo turno, com a sociedade, ainda que muitos personagens do centro politico tenham vacilado. No entanto, não faltaram artistas, intelectuais, juristas, dirigentes de vários segmentos da sociedade, lideres das mais diversas religiões que perceberam os riscos que a democracia vivia e se manifestaram a nosso favor. Estas energias democráticas não podem agora ser dispersadas.

Presidente Lula, sei que está acompanhando de perto tudo que está acontecendo aqui fora. Um abraço solidário

José Sergio Gabrielli de Azevedo

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

25 comentários

  1. PT nunca erra

    GABRIELI: você não aprendeu nada com essa derrota. Reconhece que o PT esteve isolado politicamente. Errado – o PT isolou-se politicamente por causa da arrogância de Lula e dos dirigentes do PT. Boicotou a Frente Democrática proposta, colocando os interesses do PT acima dos interesses nacionais.

    E lá vem você falando novamente nesta maldita hegemonia: “Não há como pensar numa política hegemônica neste momento.”  NESTE MOMENTO, não… mas no momento seguinte…

    Vocês dirigentes do PT são incapazes de reconhecer quando erram. Com uma estratégia política mesquinha e errada vocês colaboraram para que um fascista assuma o poder legitimado pelo voto. Isso foi anunciado e sempre negado por vocês.

    Você quer uma sugestão de onde esconder a maldita hegemonia do PT ?

     

  2. Pior é lutar contra um

    Pior é lutar contra um inimigo encapuzado, que não consegue mostrar a cara, a voz, as marcas da facada, nada. Tudo foi se configurando com apenas um candidato autêntico a discursar, a pedir de joelhos uma sabatina, já que debates não poderiam existir, sobretudo depois daquele ato de Marina frente ao homem, em cadeia nacional, que o fez mais enrolado que nunca por nada ter a replicar.

    Uma eleição atípica sob todos os aspectos, com fraudes que vinham desde a eleição última de Dilma, quando Aécio, Gereissate, Carlos Sampaio e tantos outrso tucanos decidiram melar as eleições, sob um argumento tão fajuto que o próprio Aécio revelou depois por que teria agido assim, de forma tão canalha. 

    Coxinhas decepsionados depois das revelações verdadeiras de um mentiroso que quase sentou na cadeira de Presidente para manter suas trapaças de ladrão do poder, esses coxinhas não cabiam em si de há muito, por isso vinham em pleno silência, envergonhados ao ponto de desprezarem os patos, as bandeiras e até as camisas da CBF. Bolsonaro chega e coxinhas vão à catarse. Diriam eles que chegara o momento de lavrem a alma, pouco imporando pra mais nada, desde que o anti-petismo permanecesse firme e mais forte. 

    As palavras de Toffoli após seu voto soaram como nada, se precisávamos ouvi-la tantas vezes, em tantos tristes episódios sucessivos de discursos homofóbiso e racistas, ou até mesmo de morte a facadas – 12 – de um cidadão idoso, referência baiana como mestre de capoeira. Silêncio sepulcral era o que víamos como natural entre esses ministros.

    De repente, um Menino grande disse que bastava um soldado e um cabo para fecharem STF, e que ninguém iria se importar com os destinos de Gilmar Mendes, exemplo dos demais. BASTA UM SOLDADO E UM CABO. 

    O meningo grande recebeu uma reprimenda do papai, e tudo terminou como nas histórias da carochinha. 

    Mas, parece, não sei bem, que quando o negócio pegou feio nas costas de Rosinha Weber, num instante houve até cessão plenária para se determinar o que fazer com o outro que mandou ver contra a honra da mulher. Foi como dizer: já que esses ministros são mesmo uns bostas, a gente começa agora a dizer o que eles são. Depois, eles próprios, ministros, cheios de palavreados, dizem que o Brasil permanece com suas instituições funcinando em pleno vapor. 

    O problema começa e termina na seletividade. Quem for PT que fique ali, quem não for PT, aqui do meu ladinho. É essa a política brasileira, formada contra o PT de cabo a arabo, independente de quem seja o odiento.

    Finalmente, temos os falsos profetas dominando a política, e falsos cristão a determinarem os destinos do Brasil.

    Minha esperança é que nunca vi militar que se prese abandonar seus princípios primeiros: amor à Pátria; ordem, e progresso. Não se pode amar a pátria sem amar seus irmãos, nem achar que pôr ordem é dbaixo do tacão, tão pouco que progresso significa vender nossas riquezas. 

    Lula tem fórmula pra tudo. Infelizmente está numa solitária. Mas não perderá as esperanças de ver seu processo sendo devidamente julgado pelo Supremo. 

    • Como assim, Maria Rodrigues?
       

      “Minha esperança é que nunca vi militar que se prese abandonar seus princípios primeiros: amor à Pátria; ordem, e progresso. Não se pode amar a pátria sem amar seus irmãos, nem achar que pôr ordem é dbaixo do tacão, tão pouco que progresso significa vender nossas riquezas.”

      O candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) vem apresentando boa evolução clínica e aproveitou para atualizar suas redes sociais neste domingo. Primeiro, informou que assumiu “compromisso de reduzir número de ministérios, extinguir e privatizar grande parte das estatais que hoje existem.” Depois, direto do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde está internado, posou para uma foto com seu conselheiro econômico Paulo Guedes.

      “Jair Bolsonaro recebe visita de Paulo Guedes! Sempre juntos na busca da Ordem e Progresso!”, escreveu o candidato. A visita de Guedes ocorreu dias depois de vir a público a controversa proposta do economista, tido como provável ministro da Fazenda de um eventual governo Bolsonaro, de recriar a extinta Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

      https://veja.abril.com.br/politica/com-paulo-guedes-bolsonaro-promete-privatizacoes-e-reducao-de-ministerios/

  3. este artigo

    Concorco com a critica da leitore: li este artigo somente para ver se haveria uma mea culpa; mas nao ha, pelo contrario. Acho que os radicais do PT nao conseguem enxergar o tamanho do odio que a maior parte do eleitorado nutre pelo partido (talvez doa demais). Leio muito este blog mas, devo dizer, eh um blog enviesado. Enquanto alguns dos melhores blogs de esquerda foram capazes de ver o enorme erro que Lula cometeu nesta eleicao – o de nao ter apoiado um candidato de outro partido de esquerda – este blog nao diz nada do assunto. A continuar nesta cegueira continuarao cometendo os mesmos erro que contribuiram para esta situacao nefasta. 

  4. gab

    Te para, Gabrielli; não viaja!!!

    Bastaria o Ciro de até agora, mas o anúncio  de que jamais apoiará o PT fecha tudo que é porta.

    Aquele EGO só encontra similar em moro que no entanto se rende  ao powerpoint do dallagnol.

  5. Ciro Gomes vai tentar ocupar

    Ciro Gomes vai tentar ocupar o vácuo deixado na centro direita, assim como vai tentar se projetar poltiamente com o discurso antipetista. Nessas eleições seu cálculo político concluiu que deveria ocupar o espaço deixado pela ausência do Lula, não deu certo. Nas próximas eleições ele buscará outra estratégia que é atacar o governo Bolsonaro e a esquerda para reagrupar o centro político.

  6. CIRO NUNCA MAIS

    Não vamos aceitar (militância de esquerda petista) que o PT acene ao Pilatos Ciro Gomes e seus DNA´s. Se o PT levar essa humilhaçao à cabo, entenderemos como uma afirmação do partido em abandonar à Militância e por conseqüencia, a militância abandonará o PT. CIRO GOMES NUNCA MAIS. É a marina de calças.

  7. Aos parceiros: 
    Bom dia,

    Aos parceiros: 

    Bom dia, companheiros! Foi bom lutar ao lado de vocês pela eleição do Fernando Haddad, o FH que presta. Muitos, como Ciro e Zé Dirceu, se perderam no caminho. Mas, ao contrário de lamentar os que fraquejaram, vamos celebrar a coragem dos novos companheiros Manuela e Boulos! E vamos em frente, porque a luta só termina para os fracos! 

    • Esse senhor jogou no lixo a
      Esse senhor jogou no lixo a própria biografia, que já não era grande coisa, vamos ser sinceros…

      Voltará a ser o personagem insignificante e histriônico, papel que a mídia lhe impôs e que tentou reverter correndo pra esquerda….

      Nunca terá grande relevância no cenário político, nem será o Sassá mutema redentor, figura que só existe na sua cabeça, a partir de ontem será lembrado pelo papel triste e patético que desempenhou nessa eleição….a culpa por seu raquitismo de votos é dele, de mais ninguém…….virou uma matrona, o fhc II……outro que merece o que há de vir…..

  8. Pra machucar meu coração

    “Vaidade, vaidade. Tudo é vaidade. E o vento passa.” 

    Ontem meu coração se encheu de tristeza ao pensar no que vai acontecer com Lula nos proximos meses. Sera mais uma vez condenado por Sergio Moro e provavelmente vão tentar transferi-lo para um sistema prisional… 

    A derrota de Haddad é a grande derrota de Lula, sabemos todos. Mas como Lula é uma pessoa inteligente, perspicaz e sabedor que a roda da Foturna não para, ele tera força para continuar a luta por sua liberdade e lucidez para pensar no futuro do PT. 

  9. Carta pro “gabi”

    seu Cara de pau !!!

    O PRESIDENTE LULA já deu ao BRASIL MUITO MAIS do que mereciamos  ..ele não precisa ser lembrado ou cobrado por cartinhas

    HOJE, por questão de justiça, não podemos pedir nada a ele, NADA, apenas oferecermos sim, solidariedade incondicional e irrestrita

    Precisamos nos unir pela sua soltura ..revoltarmos e conscientizarmos a SOCIEDADE do seu sofrimento, aos 74 e proximo do fim do 2o tempo ..movimentarmos as forças democráticas INTERNACIONAIS pela urgencia, contra estes fascinoras, togados e fardados, que o mantem em carcere incomunicável

    Francamente GABRIELE  ..cobre de todos, escreva a todos, mas pra LULA, dedique-se, como POUCOS, a mitigar seu sofrimento, tirando-lhe a preocupação que ele carrega nos ombros pelo nosso INGRATO povo

    OBRIGADO LUIZ INACIO, de você não peço nada, a não ser que me desculpe por não possuir a força necessária pra libertá-lo desta masmorra de Curitiba

  10. Tá Liberado?

    Como é pessoal, estão liberadas, finalmente, as críticas? Ou agora teremos que ficar calados, em prol da resistência? E daquí a dois anos, calados pelas eleições, e aí pela resistência novamente, eleições mais uma vez, …, até o fim dos tempos?

  11. Ultrajante ministros do STF
    Ultrajante ministros do STF citarem nesse momento a constituição, depois de a pisarem e a cuspirem …….merecem o que há de vir…

    O povo brasileiro, boa parte dele, não ouviu ou não quis ouvir os avisos, está na hora desse mesmo povo, ou amadurecer como nação, ou se submeter a escravidão voluntária, deixar de se tutelado.. . merece o que há de vir….

    A mídia…..essa podre e carcomida mídia…. quadrilheira, sanguinária, hipócrita, é pai do Mefistófeles….. merece o que há de vir…..

    Hoje, estou triste, enlutado, por um país que tem a própria liberdade, que não luta por seu destino, que se acredita menor, um país assim…… merece o que há de vir… ..

  12. Me dói a alma imaginar o

    Me dói a alma imaginar o ex-Presidente Lula preso e esse cara na cadeira da presidência. Não duvido que possa morrer na cadeia.

    Pelo que fez pelo povo mais simples desse país, deveria estar em casa, curtindo os netos e desfrutando da aposentadoria e do prestígio que conseguiu amealhar durante a carreira política.

    Mas não, ele está preso e Bolsonaro eleito por muitos que melhoraram de vida durante o governo dele. É muita ingratidão o tratamento que ele recebeu de boa parte do povo. Não tenho dúvidas nenhuma de que ele deveria ter partido para o exílio e comandar de lá a oposição. Não deveria nunca se deixar prender pelo fascismo. Infelizmente ele receberá outras condenções e ainda servirá como um troféu para esses canalhas. Dia mais triste para aqueles brasileiros que prezam a democracia.  

     

  13. Aguerridos

    Nassif,

    Embora insuficiente, a campanha do Haddad o fez maior realmente. Bolso partiu de 49.276.990 e chegou a 57.797.847, com crescimento de 17,3%. O Haddad partiu de 31.342.005 e chegou com 47.040.906, com crescimento, observe, de 50,1%.

    Para se comentar, e muito…

  14. Falou o ex-presidente da

    Falou o ex-presidente da Petrobrás que, por 7 anos e no auge da corrupção na referida empresa, “não viu nada”.

    Em relação ao comentário “São dois discursos em um”: A referência que a esquerda tem de comunismo é Cuba. Cuba não construi uma sociedade livre, justa e solidária; Cubanos não conseguem nem votar, não tem liberdades políticas nem de expressão. Também não conseguiu desenvolver o país nem reduzir a pobreza, e também foi um regime que perseguiu negros e homossexuais. Enfim, não existe relação nenhuma de comunismo com os objetivos fundamentais descritos no artigo terceiro da Constituição. Pelo contrário, são os países capitalistas que conseguiram se desenvolver e atingir tais objetivos.

     

    Em relção ao PcDoB, está muito próximo de sofrer os efeitos da cláusula de barreira e deixar de existir enquanto partido.

     

    Acho que seria muito benéfico ao PT largar esse pensamento comunista / marxista, deixar de idolatrar o Fidel Castro e o Che Guevera. A sociedade brasileira não quer isso. Isso não agrega nada ao PT. Foquem no trabalhismo e esqueçam Cuba, Venezuela e afins. Vai ser bom para o Brasil e para o PT.

  15. Linda carta. Ajuda a

    Linda carta. Ajuda a encorajar nesse momento taoo desanimador. Sigamos e resistamos. Todos juntos por um Brasil mais justo pra todos!

  16. Por um projeto de esquerda para o país

    A carta é mais uma demonstração da ilusão de quem no mínimo foi conivente com um esquema que o PT deveria ter implodido, como partido pretensamente transformador, e não o fez. Respeito todas as oipiniões contrárias, mas a eleição já passou, a catástrofe está confirmada, e é hora de reorganizar a esquerda, a partir de um projeto para o país. Neste comentário, cabe uma ressalva.

    A organização, infelizmente subordinada a Lula (não por sua prisão, mas pelos limites do Lulismo…..aliás, o juiz Moro está prestes a se desmoralizar definitivamente, aceitando ser ministro da justiça do presidente defensor da ditadura e da tortura, e que terá seu mandato ameaçado pelas fake news via caixa 2, espera-se……), possui muitas responsabilidades, mas NÃO a da vitória de Bolsonaro. A alta burguesia e as camadas médias minimamente esclarecidas tinham à disposição: 1) Álvaro Dias, um político demagogo e falastrão, mas ao menos um governador que terminou o mandato bem avaliado no Paraná; 2) Geraldo Alckmin, de quem pode-se ter total discordância quanto às propostas, mas que se trata de um quadro político de inegável experiência administrativa, o qual comandou o mais desenvolvido estado da federação por quatro mandatos; 3) Henrique Meirelles, de quem igualmente se pode divergir por completo, mas cuja trajetória o credencia como tecnocrata competente, capaz de servir a diferentes administrações e 4) João Amoedo, empresário “de fora do sistema”, cuja legenda não pegou dinheiro do fundo público para as siglas, mostrou capacidade de vitória em Minas Gerais etc. Logo, a concentração de votos no ex-capitão se deve essencialmente ao atraso e ao reacionarismo de uma parcela numerosa das elites. E sempre cabe lembrar o princípio daquele pensador alemão, que “saiu de moda”, mas ainda tem muito a dizer ao nosso tempo: As ideias dominantes são as das classes dominantes.

    Entretanto, a disputa eleitoral ratificou que o Partido dos Trabalhadores dispõe de 30% do eleitorado, mas se tornou odiado por metade dele, aproximadamente. No sul e no sudeste, a única liderança altamente expressiva eleita, para o parlamento, foi Paulo Paim, pelo meu Rio Grande. E olhem que na cidade dele, Canoas, da região metropolitana de Porto Alegre, Bolsonaro venceu nos dois turnos. Sim, há uma parte de motivos que tem a ver com o que escrevi acima e a mídia conservadora, mas convenhamos que muitas das causas estão relacionadas à cúpula petista e ao modo como seus protagonistas, não engolfados pelas investigações da corrupção (presente de maneira igual ou pior nos concorrentes, vocês são inteligentes e sabem que não estou secundarizando isso), negaram ou justificaram os procedimentos inconfessáveis. Então, a esquerda, nós do campo progressista, nos defrontamos, sim, com um senhor problema.

    Se preparar a resistência aos retrocessos que começaram a ser anunciados constitui uma necessidade, também é imperioso que – sem pretensões de hegemonismos – alguém tome a iniciativa de construir uma frente democrática e popular que apresente um projeto avançado para o Brasil. Os eixos já apareceram na pauta, em 2018: combate aos patamares (ainda) elevadíssimos dos juros da dívida pública, reforma tributária que estabeleça um sistema de impostos efetivamente progressivo; recuperação da indústria nacional, revolução educacional que valorize os professores da rede pública de ensino etc. Há organizações e movimentos sociais com total capacidade de elaboração e luta. Até 2022, um trabalho planejado, coordenado e bem executado, pode reestabelecer o vínculo com as massas pobres e miseráveis, bem como atrair segmentos da classe média para um conjunto de propostas que supere o lulismo e credencie outra vez a esquerda – não necessariamente como ela se apresenta neste momento histórico – para comandar a União.

     

     

     

     

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome