O Lampião do Bolsonaro, por Sergio Saraiva

Um país ciclotímico e seus coronéis e capitães.

O Lampião do Bolsonaro, por Sergio Saraiva

Ele tinha a patente de capitão, mas era o líder de um grupo de criminosos com estrutura paramilitar. Cometia crimes, assassinatos e extorsões. E, paradoxalmente, se apresentava e também era tido como protetor da comunidade pobre em que vivia.

Era temido e respeitado. Interferia na política local. Oferecia seus “préstimos” a políticos e poderosos e era homenageado por eles.

Caiu em desgraça, quando suas ações passaram a ser conhecidas em nível nacional e causaram escandalização da opinião pública. Os jornais cobraram providências das autoridades e ele passou a ser perseguido. Tornara-se incômodo e inconveniente aos que o protegiam.

Acabou foragido e escondeu-se em uma propriedade rural no interior do Nordeste. Mas provavelmente foi traído pelo mesmo proprietário das terras que o abrigara. Acabou morto, fuzilado pela polícia.

Sua morte foi noticiada em manchetes por jornais do país inteiro.

Morto, agora, suas relações com seus protetores, políticos e autoridades a quem serviu, foram enterradas com ele. Passou a ser tratado como um bandido comum pela imprensa oficial e, ao mesmo tempo, a integrar o imaginário popular.

Você pode até achar que eu estou falando de Adriano Nóbrega – o miliciano da família Bolsonaro, mas estou recordando a saga de Lampião.

PS: Oficina de Concertos Gerais e Poesia – de portas abertas em um lugar sempre em frente e à esquerda.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  A elite que lava as mãos e o vírus do individualismo, por Ana Laura Prates