Salvem o Brasil, por Assis Ribeiro

As teorias liberais se mostraram ineficazes para serem aplicadas em situações de crises, de resolver dificuldades econômicas e fazer desenvolvimento.

Salvem o Brasil

por Assis Ribeiro

O Brasil acorda para o grande erro que o país cometeu por interromper o projeto PAC. São ações do chamado desenvolvimentismo; é quando o ESTADO ASSUME E BANCA PROJETOS de obras de infraestrutura para alavancar o DESENVOLVIMENTO de um país.

O Brasil, sempre a reboque dos países desenvolvidos, só agora resolve reconhecer o acerto do PAC e volta a praticar a política desenvolvimentista do governo Lula; é o retorno da participação ativa do Estado nos projetos de país, ao contrário do pensamento do neoliberalismo.

O Brasil, é preciso pontuar, nunca deixou de necessitar destas medidas pelos fatos de termos uma maioria da população em grave situação de pobreza, uma estrutura desorganizada de país e um desequilíbrio abissal tanto social quanto regional.

Nas reflexões necessárias neste período devemos lembrar que o projeto desenvolvimentista de João Goulart foi impedido pela classe média brasileira que foi a rua para derrubar o seu governo; que a possibilidade da segunda candidatura à presidência de Juscelino Kubitschek foi bloqueada pela sua cassação pelos militares; o Congresso Nacional caçou Dilma para implantar as medidas neoliberais do plano “Ponte para o Futuro” de Temer. O mais desenvolvimentista dos nossos ex-presidentes foi Getúlio Vargas e conhecemos a perseguição que ele sofreu até o seu suicídio.

A história deste país nos conta, também, que os governos militares que mais tiveram sucessos foram aqueles de aplicaram as teorias desenvolvimentistas. Para se ter uma ideia, em 1966 o governo criou a SUDAM e injetou muito dinheiro para levar o desenvolvimento à região da Amazônia, assim como restruturaram a SUDENE para alavancar a economia do nordeste. Os governos militares investiram em grandes obras de infraestrutura.

Todos os países desenvolvidos usaram a política do desenvolvimentismo para criar uma grande classe média, a única receita conhecida para se tornar um país forte – formar uma nação – e garantir o nascimento de grandes empresas nacionais.

A história existe para nos informar. Este momento crítico demonstra que o pensamento pró “mercado” é tão extremista ao ponto de ter tornado as sua ideia como a única possível para elevar o crescimento da economia aos países.

A teorias liberais se mostraram ineficazes para serem aplicadas em situações de crises, de resolver dificuldades econômicas e fazer desenvolvimento.

As receitas que os países ricos estão tomando para recuperar suas economias na pós pandemia do coronavirus vão no sentido oposto ao neoliberalismo. Fica demonstrada a farsa da ladainha que defendia o Estado Mínimo. Agora nas dificuldades – o que os países em desenvolvimento e os pobres sempre tiveram – praticam a “mão pesada” para interferir de forma direta em toda a vida econômica dos seus países. Está sendo o Estado Forte o modelo capaz fazer sair de suas crises, o que abre a história para nos lembrarmos que foram as medidas econômicas do desenvolvimentismo, implantado pela não do Estado, que alavancaram o crescimento dos países em seus momentos de “economia” travada.

Lamentavelmente o mercado, com o uso da mídia e das teorias da “escola de Chicago”, criou uma ideia hegemônica de uma receita igual para todos não levando em conta as peculiaridades que tanto diferenciam países ricos e pobres ou em desenvolvimento. Os já desenvolvidos têm suas empresas já fortes e musculosas o que garante evidentes vantagens para vencer concorrências, engolir empresas menores e entrar com facilidade em “Estados Fracos”.

Aí está a receita – que era tida como comunista aqui no Brasil. Paradoxalmente a mesma receita utilizada pelos governos militares de maior sucesso econômico – e que agora o general Braga Neto amordaçando as ideias neoliberais do ministro Paulo Guedes para implantar, como o mundo está praticando, as receitas DESENVOLVIMENTISTAS de ESTADO FORTE.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome