Zona Azul: como fazer uma licitação de cartas marcadas, por Luis Nassif

Fica evidente que todo o projeto foi preparado pelo BTG.  Com três meses de gestão, seria impossível Dória montar um projeto detalhado, cujos pontos básicos foram mantidos até o fim.

No dia 6 passado, publiquei o Xadrez da grande jogada do BTG com a Zona Azul, denunciando uma licitação com cartas marcadas. Lá, mostrava cinco condições definidas pela licitação especialmente para direcionar a licitação para a empresa Estapar, do grupo BTG. E manifestava a estranheza do Tribunal de Contas do Município ter convalidado a licitação, mesmo tendo identificado vícios do primeiro edital, que não foram sanados pelo segundo.

Confira, agora, esta matéria do G1, de 20 de março de 2018, com menos de três meses de governo João Dória Jr à frente da Prefeitura: Concessão da Zona Azul à iniciativa privada por até 30 anos deve render mais de R$ 1 bilhão.

Fica evidente que todo o projeto foi preparado pelo BTG.  Com três meses de gestão, seria impossível Dória montar um projeto detalhado, cujos pontos básicos foram mantidos até o fim.

Diz a reportagem:

  • Atualmente, o sistema de Zona Azul tem 40.682 vagas de estacionamento rotativo espalhados pelas cinco regiões da cidade. Com a concessão, o número será ampliado para 50 mil.
  • Segundo o secretário municipal de Desestatização, Wilson Poit, a empresa Estapar, que pertence ao Banco BTG, manifestou interesse em administrar a Zona Sul.
  • A Prefeitura também pretende otimizar o processo de fiscalização com o fornecimento de tecnologia pela empresa vencedora para permitir a utilização de veículos com câmeras. Isso possibilitará que um agente da CET não precise fazer a fiscalização in loco, por exemplo. Obs: retirado do edital para reduzir a necessidade de investimentos pela concessionária.
Leia também:  Coronavírus: São Paulo pede mais de R$ 500 milhões ao Banco Mundial

Repito o que já escrevi: o TCM deve uma resposta para sua atitude de voltar atrás e permitir uma licitação direcionada. E o silêncio da mídia é a prova eloquente da enorme influência de grupos financeiros sobre operações suspeitas das políticas públicas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. A mídia e muitos “jornalisteiros”, como nunca antes, gozando do povo com o dinheiro dos bancos, que com seus indecentes juros e taxas cobrados no Brasil, ROUBAM o povo de um modo absurdo e descarado.
    Agora só piorou e vai por ai, quando a mídia decadente vende seus antigos produtos e marcas para os improdutivos e especuladores. Quem ganha dinheiro com especulação, vai usar de fake news e de proteção de suas falcatruas, com politiqueiros e judiciário na mão, o Brasil vai seguir inclinado e ladeira abaixo.
    Muitos falam que o povo não vai para as ruas, mas o grave será que quando chegar este momento, a coisa vai ser muito feia.

  2. Ora, ora……me diga um membro da midia porcorativa que não tenha interesses ou é dominado por abutres rentistas?
    A midia perdeu todo o cacife para ser porta voz dos interesses da sociedade como um todo……são apenas titeres, testas de ferro do capital carniceiro e genocida……

  3. Não entendo a estranheza… não é exatamente isso o que os capitalistas – ainda mais depois de perderem todo resquício de algum cuidado, pudor, respeito e decoro com o que é público – fazem sempre? Não foi exatamente para isso que o pessoal do dólar deu o golpe que tirou a Dilma, prendeu o Lula e elegeu o Bolsonaro? O pessoal elege, por exemplo, um dória pensando o que? Que privatista cuidando dos cofres públicos vai deixar de entregá-los a seus pares, ao “clube”? A barbárie corre solta, a turma do dólar está voraz, do “guarda da esquina” aos presidentes dos executivos, federal, estadual e municipal. E protegida pelas armas. Já reparou que até orientador do metrô de São Paulo agora usa as cores da PM e mais: usa colete à prova de balas. Não usa arma mas usa colete de kevlar. Quem vende colete – entre milhares de outras desnecessidades – tá faturando…

    Tá fogo… mas é assim que está. Capitalismo é isso aí. “Aquilo deu nisso”.

  4. Nassif, eu só vi você denunciar essa patranha do engomadinho Doriana. E não é que o MP suspendeu a “licitação”??
    Parabéns, meu caro!! Isso é que é jornalista!
    Foi buscar os podres lá debaixo do tapete!

  5. Tá bom, a Zona Azul a gente cerca. Mas e as outras coisas todas que afetam inclusive e muito mais quem nem tem automóvel? E a perda da cidadania e da rede de proteção social, para redução dos danos do capitalismo sobre o que é público e democrático, sobre o cidadão comum, como é que fica? E o transporte, a saúde, a educação, a moradia, a previdência… será que vamos ter que esperar até que aconteça conosco o que temos visto acontecer com o povo do Chile, da Grécia, da França, dos EUA, da Itália e tantos, tantos outros que atrelam suas moedas ao dólar?

    Tempos bárbaros, esses…

  6. Na época, o único grupo que se opôs e exigiu mais informações foram os ciclistas. Primeiramente,por estarem preocupados com a retirada das ciclofaixas existentes e a impossibilidade de serem feitas novas ciclofaixas em ruas de interesse da empresa vencedora da Zona Azul. O ciclistas quase conseguiram barrar, mas foram voto vencido dias depois. Tudo isso ocorreu nas reuniões da Câmara Temática da Bicicleta – CTB, em uma de suas reuniões mensais com a Companhia de Engenharia de Tráfego – CET e Prefeitura.

  7. Por muito menos que essa tentativa criminosa “de se dar bem”, entre governo, tribunais e iniciativa privada, Dilma foi vítima de um golpe e Lula tem sido perseguido, torturado, imolado, constrangido, sequestrado e vítima constante do abuso das autoridades e do abuso inconcebível de poder, que já ultrapassou todos os limites da ilegalidade, da indignidade, da imoralidade, da indecência e da estúpida e gritante tortura que continua sendo vitima. Tudo isto, graças aos olhos e a uma complacente e criminosa colaboração da Justiça brasileira.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome