Políticos e oposição reagem a vídeo ministerial de Bolsonaro. Confira

"Repertório inacreditável de crimes, quebras de decoro e infrações", disse Flávio Dino. "Pobre dos cidadãos brasileiros. Escolha foi da maioria. Se repetirá? Duvido", disse FHC.

Jornal GGN – O vídeo da reunião ministerial de Jair Bolsonaro gerou reações em todo o mundo político nas redes sociais. “Revela um repertório inacreditável de crimes, quebras de decoro e infrações administrativas”, disse o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). “Não há dúvida. PF não faz segurança de amigo. Nem vou falar do nível do governo. Sem condições!”, manifestou Fernando Haddad. Acompanhe algumas dessas manifestações:

 


Leia mais sobre o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril:

Moro x Bolsonaro: Leia a transcrição do vídeo da reunião ministerial divulgada pelo STF

Bolsonaro disse que se não puder trocar chefe de Segurança do Rio, demitiria ministro

Bolsonaro quer “todo mundo armado” para reagir a quem pensa diferente dele

Confira trecho em que Weintraub defende prisão do STF, ataca China e minorias no Brasil

Bolsonaro: “Se essa cambada chegasse no poder em 64, a gente tava fodido”

Salles pede votação de legislação em meio à pandemia

Bolsonaro mostra que usará Forças Armadas contra STF ou Congresso, para não ser afastado por “filigranas”

Guedes e Novaes defendem privatização do Banco do Brasil

Em vídeo, presidente da Caixa chama Witzel de ladrão e diz que Band pede dinheiro

Bolsonaro evidencia intenção em militarizar Ministério da Saúde

 

1 comentário

  1. Sabem o que é o pior dessas manifestações de repúdio por parte dos políticos, ministros do STF, e alguns “membros da sociedade” ? É que tudo não passa de uma retórica política e de uma retórica “ética” moralista. Sinceramente, qual é a realidade do assombro que um político, um juiz do STF, ou um “membro sensato da sociedade” apresentam diante da divulgação do vídeo da reunião ministerial? Todos os políticos do país sabem muito bem o jogo político que jogam diariamente (tanto os políticos de direita quanto os de esquerda, se é que os últimos ainda existem no país, vide a apatia absoluta para a criação de uma oposição concreta e ativa ao governo atual, oposição que não se resuma à notas de repúdio e à confrontos ou lutas pela troféu da retórica da moralidade, como vemos exemplificado no artigo, mas que fosse ou seja uma ação política concreta contra as reformas trabalhista, previdenciária, contra as ações do governo sobre as empresas estatais e públicas, contra a destruição do estado de direito e a constituição nacional, e que contasse ao menos com uma frente ampla dos partidos de “esquerda” em uma ação de retorno às bases populares, às massas sub-proletariadas, para além dos mesquinhos interesses eleitorais dos mesmos partidos. Mas eu sei, isso é pedir demais nesse país, onde o razoável é utopia) ; Sobre qualquer assombro do STF, será que é preciso lembrar que eles também foram fomentadores do golpe político contra a presidenta Dilma Rousseff, lançando o país no caos em que se encontra hoje? Para hoje quererem ser os guardiões da ética nacional, meu Deus!! ; Agora, sobre os “sensatos membros da sociedade”, dar ouvidos à qualquer palavra de FHC é algo politicamente razoável? E quanto aos outros que fazem parte desse grupo (como os influenciadores digitais, Youtubers, “artistas”), a que nível político e cultural risível esse país chegou para ter que dar ouvidos à pessoas sem qualquer compromisso real com o destino da população pobre e miserável desta terra, porque do que precisamos politicamente da parte da sociedade não é de indivíduos em busca de celebridade e celebração em torno de seu nome, mas sim de anônimos dispostos ao trabalho de conscientização integral de quantos possam, dispostos ao trabalho diário e insistente de uma luta pela pão do dia seguinte. Tirar um dia da semana para aparecer em um veículo midiático qualquer como paladino da sensatez e depois recolher os louros de uma propaganda bem feita é muito fácil, mas abandonar nome e posição para lutar e resistir verdadeiramente, seja como artista, político, servidor público, proletariado, ou pegando em armas, isso é valoroso.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome