Minas se dissolve no azedume das almas, por Romério Rômulo

Quantos deuses de Minas se sacrificaram ao corpo capital da morte?

Alberto Guignard

Minas se dissolve no azedume das almas

por Romério Rômulo

Minas se dissolve
no ouro, no ferro
no azedume das almas
no pecado que vive em toda
procissão.

Quantos deuses de Minas
se sacrificaram ao corpo capital
da morte?
Precisamos de quantos séculos
dezoito, de quantos açoites precisamos
até arrematar nossos pecados?

São Drummond, Santo Affonso Ávila
santos poetas, São Pedro e São Paulo
quantas Minas de poesia vão engolir
nossa montanha raquítica?

Quando gado e aço acabam no meu corpo?
Quanta terra ainda tenho que cobrir nos endereços
que me dão?

Minas são muitas e pálidas como as mãos
de toda gente.

Romério Rômulo

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador