Poema da inesquecível mulher, por Romério Rômulo

Sou trava de uma casa redigida no vão da tua mão subtraída

Pablo Picasso

Poema da inesquecível mulher

por Romério Rômulo

Eu, vero, me bati na tua porta:
mal caibo em mim, sem ti
no que importa

Sou trava de uma casa redigida
no vão da tua mão subtraída

A sede que me seca e que me late
é o cão da tua mão que me abate

Tivesse o sumo, a boca, o teu retrato
teria o que não sou, quadro abstrato

Pela manhã mais brusca e ressurgida
vou me contar e te entregar a vida.

Romério Rômulo

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador