Google, Meta, Spotify e Brasil Paralelo devem prestar depoimentos à Polícia Federal, decide Moraes

Ana Gabriela Sales
Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.
[email protected]

Moraes quer esclarecer a motivação do uso de mecanismo para propagar possível desinformação contra o PL das Fakes News

O ministro Alexandre de Moraes
Foto: Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou na tarde desta terça-feira (2) que a Polícia Federal (PF) colha o depoimento dos presidentes das empresas Google, Meta, Spotify e Brasil Paralelo, por supostas práticas abusivas em ofensiva contra o Projeto de Lei nº 2630/2020, o PL das Fake News.

A ação ocorre após a repercussão sobre o relatório “A guerra das plataformas contra o PL 2630“, produzido pelo NetLab, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A partir de uma série de evidencias, o estudo mostrou como Google privilegiou conteúdos contra o PL 2630 em sua plataforma de buscas.

Com a determinação, Moraes pretende esclarecer a motivação do uso de mecanismo para propagar possível desinformação contra o PL das Fakes News.

Mais cedo, o Governo federal impôs medida cautelar imediata ao Google. Além disso, o Ministério Público Federal também acionou a empresa e a Meta para prestar esclarecimentos sobre o caso em até 10 dias.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn”      

Leia também:

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador