Coronavírus: Hospitalizações disparam nos EUA

O instituto de saúde da Universidade de Washington previu no mês passado que o número de mortos do COVID-19 nos Estados Unidos pode ser superior a 400.000 até o final deste ano.

Foto iG
Jornal GGN – Os Estados Unidos registraram mais de 500 mil novos casos de Covid-19 na semana passada, e os pacientes estão sobrecarregando os hospitais em todo o país. As hospitalizações estão aumentando enquanto uma terceira onda da pandemia atinge o país mais afetado do mundo.

Quase 79.000 novas infecções foram relatadas na quinta-feira, de acordo com dados coletados pela Universidade Johns Hopkins, elevando o total nacional para mais de 8,86 milhões de casos.

Mais de 500.000 novos casos COVID-19 foram registrados na semana passada, com 26 estados relatando números quase recordes.

Tom Barrett, o prefeito de Milwaukee, a maior cidade do estado americano de Wisconsin, disse à CNN na quinta-feira que a situação lá era “a pior que já existiu”.

No início desta semana, o governador de Wisconsin, Tony Evers, também pediu aos residentes que fiquem em casa e sigam as diretrizes de saúde pública para evitar que o vírus se espalhe ainda mais.

“Ouvimos história após história de pessoas que gostariam de ter levado isso a sério e tomado precauções mais cedo – elas não pensaram que isso iria acontecer com elas, e então aconteceu. Então, por favor, não arrisque”, Evers tuitou na terça-feira.

O coronavírus já matou pelo menos 227.000 pessoas nos EUA até agora e deixou milhões de pessoas  desempregadas.

Enquanto isso, as internações – uma métrica não afetada pelo número de exames realizados – estão disparando, chegando a 45.045 na quarta-feira, o maior desde 14 de agosto, informou o Projeto de Rastreamento COVID.

O número de pessoas hospitalizadas aumentou pelo menos 30% no mês passado.

Treze estados, principalmente nos estados do oeste e centro-oeste dos EUA, relataram um número recorde de hospitalizações por COVID-19 na quarta-feira, de acordo com uma análise da agência de notícias Reuters.

Com cinco dias para as eleições presidenciais dos EUA, a pandemia – e o tratamento do vírus pelo governo Trump – dominou a campanha.

O presidente Donald Trump repetidamente rejeitou a ameaça da pandemia e minimizou o vírus, alegando que o país está “dando a volta por cima”, apesar de um aumento constante nos casos.

Esta semana, Trump disse que seus oponentes e meios de comunicação parariam de prestar atenção ao vírus após a votação de 3 de novembro, mesmo com os maiores especialistas em saúde pública do país prevendo um inverno rigoroso nos EUA.

O candidato democrata Joe Biden tem como objetivo a forma como Trump está lidando com a pandemia, dizendo em seu último debate que “qualquer um que seja responsável por tantas mortes não deve permanecer” presidente.

Ainda assim, Trump defendeu sua decisão de reabrir a economia dos EUA, às vezes contra o conselho de seus próprios especialistas em saúde do governo, enquanto muitos de seus apoiadores em Michigan e em outros lugares protestaram contra os esforços de bloqueio e mitigação.

O instituto de saúde da Universidade de Washington previu no mês passado que o número de mortos do COVID-19 nos Estados Unidos pode ser superior a 400.000 até o final deste ano.

A força-tarefa do coronavírus da Casa Branca alertou esta semana sobre uma disseminação persistente e ampla do COVID-19 na metade oeste dos EUA, pedindo medidas de mitigação agressivas para conter infecções.

“Estamos em uma trajetória muito difícil. Estamos indo na direção errada ”, disse o Dr. Anthony Fauci, membro da força-tarefa e diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas.

Fauci observou na quarta-feira que os casos de COVID-19 estão aumentando em 47 estados e os pacientes estão sobrecarregando os hospitais em todo o país.

“Se as coisas não mudarem, se continuarem no curso em que estamos, haverá muita dor neste país em relação a casos adicionais, hospitalizações e mortes”, disse Fauci em entrevista à CNBC na noite de quarta-feira .

FONTE : AL JAZEERA E AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Trump: contagem regressiva para o golpe, prisão ou fuga do país?, por Ruben Rosenthal

1 comentário

  1. Coincide com o Donald Trump adoecer e não tomar a hidroxicloroquina preferindo tratamentos exclusivos caríssimos e que não estão acessíveis à população.

    Itajaí conseguiu vencer a Covid com tratamento precoce. Saiu de 2 mortes por dia em julho para 13 óbitos em setembro e apenas 8 nesse mes até agora.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome