EUA: Indicadores mostram que o mercado de trabalho afundou e uma possível recessão está a caminho, por Marcus Atalla

Como escreve o economista do BofA, Stephene Juneau, a queda nas vagas de emprego é um sinal de que a demanda por mão de obra está começando a esfriar

EUA: Indicadores mostram que o mercado de trabalho afundou e uma possível recessão está a caminho

por Marcus Atalla

O jornalista Tyler Durden publicou no Zero Hedge alguns índices econômicos que levam a crer que os EUA estão próximos a uma recessão.

Por quanto tempo mais o Federal Reserve – Fed. – continuará com a venda rápida e concentrada de ações e empurrando o mercado – e a economia dos EUA – para baixo?

Essa é a pergunta que todo trader está fazendo agora que o S&P esbarrou em um mercado de baixa três vezes na semana passada e ameaça cair, especialmente porque agora parece que o Fed desistiu de uma soft landing(*), e está disposto a jogar tudo para conter a inflação, mesmo que isso signifique um hard-landing(*), o que, segundo um estrategista do SocGen, só pode acontecer se as taxas subirem para 4,5% ou mais.

(*) Soft landing é uma desaceleração cíclica no crescimento econômico para evitar a recessão. Nos Estados Unidos, hard landing e soft landing seguem os ciclos de aumento de taxas de juros do Federal Reserve, nos quais a taxa de fundos federais é aumentada ao longo de vários movimentos consecutivos.

A resposta é simples: agora que Wall Street está convencida de que a inflação atingiu o pico, tanto no lado das vendas – como mostra este gráfico do Goldman Sachs.

e o lado das compras, com a última pesquisa com gerentes de fundos mostrando um recorde de 68% dos entrevistados esperando que a inflação caia nos próximos trimestres…

… com o PIB à beira de uma recessão técnica (apenas mais um trimestre negativo para isso ocorrer), e com o mercado imobiliário prestes a desmoronar, só restando a alta taxa de empregos.

Em outras palavras, aqueles que querem saber quando o Fed irá capitular em sua normalização do balanço patrimonial e estão focados exclusivamente em inflexões negativas no mercado de trabalho, porque como até os economistas do Bank of America escreveram na semana passada, o Fed será pressionado a reduzir a inflação para sua meta de 2% sem aumentar significativamente a taxa de desemprego, o que, por sua vez, exigirá uma redução significativa na demanda por mão de obra. Em outras palavras, o Fed quer uma recessão branda (mas certamente não uma depressão) que irá prejudicar a demanda por mão de obra e causar um curto-circuito na espiral salário-preço.

Então, quais dados os traders devem analisar? Bem, os anúncios de emprego são talvez o melhor indicador de demanda de mão de obra não preenchida. A fonte oficial do governo é o Job Openings and Labor Turnover Survey (JOLTS) do BLS, que perfilamos todos os meses. Em março, os últimos dados disponíveis , havia um total recorde de 11,5 milhões de postos de trabalho, quase o dobro do número de desempregados.

Uma desvantagem do JOLTS é que os dados são bastante defasados (ele tem um mês de atraso nos dados da folha de pagamento) e, no ambiente atual, as tendências podem mudar rapidamente. Para obter uma resposta mais precisa, o Bank of America usou dados do Revelio Labs sobre anúncios de emprego para ter uma noção melhor da demanda pela mão de obra em tempo real. Ao contrário do JOLTS, o Revelio mede novas vagas de emprego, em vez do total de vagas, e acompanha o total das vagas de emprego de perto com uma correlação de 93%.

Então aqui está a grande notícia: em abril, as novas vagas de emprego caíram de 2,0 milhões para 6,6 milhões de acordo com os dados da Revelio. Isto representa a maior queda mensal no histórico disponível desde maio de 2019.

Além disso, o declínio foi amplo, nos 146 dos 147 setores – praticamente todos – relatados pela Revelio registrando um declínio sequencial em novos postos de trabalho. Além disso, a participação dos setores com queda ao ano em novos postos subiu para 22,5%, o maior desde fevereiro passado.

Em suma, como escreve o economista do BofA, Stephene Juneau, a queda nas vagas de emprego é um sinal de que a demanda por mão de obra está começando a esfriar, embora haja um atraso distinto entre o crack visto por coletores de dados de terceiros como Revelio e o Departamento de Trabalho (assim como há um ano, alertamos que a inflação imobiliária estava prestes a disparar, analisando não os dados de habitação do governo atrasados, mas as métricas em tempo real da Apartment List e Zillow, veja nosso artigo de junho de 2021 ” E agora os preços estão realmente subindo: aluguel de junho Salto é o maior já registrado ” ).

Além disso, a diferença entre novos postos e as separações voluntárias provavelmente diminuirá quando obtivermos os dados de abril do JOLTS, mas é improvável que feche completamente. O resultado é que provavelmente veremos novos anúncios de emprego cair muito mais para esfriar o mercado de trabalho e, posteriormente, as pressões salariais e de preços.

Tudo bem, os céticos responderão: “este é apenas um indicador. E quanto as outras leituras em tempo real do mercado de trabalho?”

Bem, além dos dados do Revelio, há muitos outros sinais de moderação da demanda por mão de obra. Considere o seguinte:

  • 1) A parcela de empresas que planejam aumentar o emprego na pesquisa do NFIB, para pequenas empresas, caiu 8% desde dezembro de 2021 para 20% em abril.
  • 2) Os cortes de empregos aumentaram 6% ao ano em abril, o primeiro aumento anual em quinze meses.

  • 3) Em um retorno ameaçador à “normatividade” que definiu a estagnada presidência de Obama, o número de trabalhadores com múltiplos empregos continua aumentando. Este é o indicador mais claro até agora de que as tendências pós-covid da “Grande Demissão” estão agora ativamente na aposentadoria.

  • 4) Uma prova ainda mais clara de que os “desaposentados” continuam a aumentar, são os dados mais recentes do Indeed, os quais mostram 3,3% dos trabalhadores que se “aposentaram” há um ano, estão novamente trabalhando.

  • 5) Não é apenas a Revelio que está vendo uma queda na oferta de vagas. Os próprios analistas do Bank of America (neste caso, em uma nota de Sara Senatore) mostram que o crescimento da oferta de empregos nas categorias de restaurantes desacelerou acentuadamente em uma base sequencial. O crescimento das vagas de emprego desacelerou mais em Bebidas, +23% ao ano de +268% em março. Para as categorias restantes, o crescimento ao ano nos postos de trabalho desacelerou mais ainda em Fast Food (-16% ao ano vs +126% em março), seguido por Full Service (-67% ao ano vs +13% em mar) e Rápido Casual (-66% ao ano vs +7% em março). Em abril, o crescimento ao ano nos postos de trabalho para engenheiros aumentarar, enquanto as categorias de serviços e o crescimento de postos em Fast Food diminuíram.

Por último, mas não menos importante, há cada vez mais evidências anedóticas de que o mercado de trabalho acabou de atingir uma parede de tijolos, com empresas como Amazon, Facebook, Walmart, Target e Netflix dando orientações negativas sobre o emprego. De fato, na semana passada, a mesa de operações do Bank of America chamou de “o fim da escassez de mão de obra”.

“O pessoal da empresa fez pedidos duplos? WMT e AMZN são os 2 maiores empregadores privados e ambos fizeram comentários sobre estarem “com excesso de pessoal”.

A conclusão da mesa: “a narrativa da ‘falta de mão de obra’ morreu oficialmente na semana passada.” E daí para um pico na taxa de desemprego e um colapso nos salários são no máximo alguns meses. O que confirma o que nós (e Michael Hartnett, do Morgan Stanley e do BofA) dissemos anteriormente: a recessão começará no segundo semestre de 2022, com o Fed encerrando seu ciclo de aumento de taxas bem antes do previsto e procedendo a cortes de taxas e lançamento de seu último QE (reversão da flexibilização quantitativa) em algum momento do início de 2023.

Os indicadores econômicos, liderados pelas taxas de hipoteca, estão piscando em vermelho

Os sinais de que a economia dos EUA está começando a desmoronar estão surgindo, indicando ainda que uma recessão provavelmente está a caminho. Além da Target e do Walmart terem mergulhado na semana passada em relatórios de lucros que não atenderam às expectativas de Wall Street, outros indicadores de que o país está caminhando para a recessão também estão começando a surgir.

As famílias americanas estão assumindo “quantidades recordes de dívida”, de acordo com o BNN Bloomberg , já que os preços altos tornam mais difícil para o consumidor pagar por produtos básicos como gasolina e alimentos. As taxas de hipoteca em alta também estão apertando os orçamentos dos consumidores, enquanto grandes e pequenas empresas lutam com o aumento dos custos das matérias-primas.

Muitos economistas acreditam que há impulso e demanda suficientes na economia até o final deste ano sem que ela perca força. Porém, as perspectivas não são tão animadoras para o ano que vem. O economista-chefe do JPMorgan Chase & Co., Michael Feroli, disse na semana passada, que vê o crescimento cair para 2,4% no segundo semestre deste ano, antes de passar para 1% no segundo semestre de 2023. Economistas do Goldman Sachs também rebaixaram suas notas na semana passada para o ano de 2023.

O economista-chefe da Moody’s Analytics, Mark Zandi, acha que as coisas podem acabar sendo muito piores: “Há chances de que a economia desacelere a partir dos próximos 12 meses e há chances desconfortáveis de recessão nos próximos 24 meses.” “Você ainda pode ter um mercado de trabalho bastante forte se o desemprego subir alguns níveis”, disse Jerome Powell na semana passada, ao falar sobre a economia.

Uma chave importante para ajudar a determinar o futuro, será se o Fed mantém ou não o curso das taxas de juros. A desaceleração da economia também está sendo ajudada pelo mercado imobiliário. As taxas de hipoteca subiram num ritmo mais rápido das últimas quatro décadas, observa o relatório.

O presidente da Associação Nacional de Construtores de Casas, Jerry Konter, disse: “A habitação lidera o ciclo de negócios e a habitação está desacelerando”. Doug Duncan, economista-chefe da Fannie Mae, disse que espera uma “recessão modesta” e vê o desemprego subindo para 4,4% em 2023.  Jan Hatzius, do Goldman Sachs, concluiu: “Os empréstimos ao consumidor apoiam os gastos no curto prazo, mas, em última análise, não serão uma fonte sustentável de grandes aumentos nos gastos.

Marcus Atalla – Graduação em Imagem e Som – UFSCAR, graduação em Direito – USF. Especialização em Jornalismo – FDA, especialização em Jornalismo Investigativo – FMU

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

Leia também:

Então, que se faça o jogo eleitoral, por Marcus Atalla

O embate é entre o Norte e o Sul Global, por Marcus Atalla

As manipulações automáticas e imperceptíveis da ciência de dados, por Marcus Atalla

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Willian Camargo Pederiva

- 2022-05-24 11:15:56

Podiam dizer que o jornalista usa pseudônimo

Antonio Uchoa Neto

- 2022-05-24 11:07:35

O jornalista TYLER DURDEN???? Quer dizer que além de fabricar sabonetes, ser garçom e projecionista de filmes (ainda existe isso?), turista de sessões de toda sorte de desgraçados anônimos e conspirador, o TYLER DURDEN agora é jornalista??? Esse filme (Fight Club) acho que não tem nem vinte anos, e ninguém mais lembra??? KKKKK! O Marcos Atalla, pelo menos, não deve lembrar. Acho que é um jornalista que usa o nome (e uma foto do Brad Pitt no perfil) nesse tal Zero hedge. De qualquer forma, o artigo é "tudo a ver" com o filme. Mas eu li o artigo esperando a piada e ela não veio. KKKK, de qualquer forma.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador