‘O horror! O Horror!’, Revisitado na Palestina, por Pepe Escobar

Para a sensibilidade europeia, o mundo subequatorial, na verdade todo o Sul Global, era onde o Homem Branco se dirigia para o triunfo pessoal

no Observatório de Geopolítica

do Strategic Culture Foundation

‘O horror! O Horror!’, Revisitado na Palestina

por Pepe Escobar

“Senhor Kurtz – ele está morto.”
Joseph Conrad, Coração das Trevas

Joseph Conrad disse uma vez que antes de ir ao Congo ele era um simples animal. Foi numa dessas terras parcialmente mapeadas pela crueldade e hipocrisia do ethos imperial que Conrad descobriu o colonialismo europeu na sua mais pura e terrível encarnação, devidamente retratada em Heart of Darkness – um dos grandes épicos de sensibilização da história . da literatura.

Foi no Congo que Conrad, um polaco étnico nascido no que ainda hoje é conhecido como “Ucrânia”, então controlado pela Polônia, e que só começou a escrever em inglês aos 23 anos, perdeu para sempre qualquer ilusão sobre a missão civilizadora da sua raça.

Outros europeus eminentes do seu tempo experimentaram perfeitamente o mesmo horror – participando no Conquest Atrocity Spectaculars; ajudar a Metrópole a hackear e saquear África; usar o continente como pano de fundo para as suas – assassinas – aventuras juvenis e ritos de passagem; ou apenas testando sua coragem enquanto “salvam” as almas dos nativos.

Eles atravessaram o coração selvagem do mundo e fizeram fortuna, reputação ou penitência apenas para voltar ao doce conforto da inconsciência – quando não foram enviados de volta em um caixão, é claro.

Para dominar diversos povos “primitivos”, a Grã Bretanha substituiu o ferro e a espada pelo comércio. Como qualquer fé monoteísta, eles acreditavam que só havia uma maneira de existir; uma maneira de beber seu chá; uma maneira de jogar – qualquer jogo. Todo o resto era não civilizado, selvagem, bruto e, na melhor das hipóteses, fornecia matérias-primas e dores de cabeça agudas.

A selva por dentro

Para a sensibilidade europeia, o mundo subequatorial, na verdade todo o Sul Global, era onde o Homem Branco se dirigia para o triunfo pessoal ou para a dissolução, tornando-se de certa forma “igual” aos nativos. A literatura, a partir da era vitoriana, está repleta de heróis viajando para latitudes “exóticas” onde as paixões – como as frutas tropicais – são maiores que na Europa, e formas pervertidas de autoconhecimento podem ser vivenciadas até o esquecimento.

O próprio Conrad colocou os seus heróis torturados nos lugares “obscuros” da Terra para expiar as suas sombras ao lado das sombras do mundo, longe da “civilização” e dos seus castigos convencionais.

E isso leva a Kurtz em Heart of Darkness: ele está numa classe à parte porque chega a um extremo de autoconhecimento praticamente inédito na literatura europeia, enfrentando a plena revelação da malignidade da sua missão e da sua espécie.

No Congo, Conrad perdeu a inocência. E seu personagem principal perdeu a razão.

Quando Kurtz migrou para o cinema em Apocalypse Now , de Coppola , e o Camboja substituiu o Congo como o Coração das Trevas, ele estava denegrindo a imagem do Império. Então o Pentágono enviou um intelectual guerreiro para matá-lo, o Capitão Willard. Coppola retratou o espectador passivo Willard como ainda mais insano que Kurtz: e foi assim que ele realizou o desmascaramento psicodélico de toda a farsa do colonialismo civilizatório.

Hoje, não precisamos zarpar ou embarcar em caravana em busca da nascente dos rios enevoados para viver a aventura neo-imperial.

Basta ligar o smartphone para acompanhar um genocídio, ao vivo, 24 horas por dia, 7 dias por semana, mesmo em HD. Nosso encontro com o horror… o horror – imortalizado nas palavras de Kurtz em Heart of Darkness – pode ser vivenciado enquanto nos barbeamos pela manhã, fazendo Pilates ou jantando com amigos.

E tal como Coppola em Apocalypse Now , somos livres de expressar um estupor moral humanista quando enfrentamos uma “guerra”, na verdade um massacre, que já está perdida – impossível de ser sustentada eticamente.

Hoje somos todos personagens conradianos, apenas vislumbrando fragmentos, sombras, misturados com o estupor de viver numa época terrivelmente memorável. Não há possibilidade de apreender a totalidade dos fatos – especialmente quando os “fatos” são fabricados e reproduzidos ou reforçados artificialmente.

Somos como fantasmas, desta vez não enfrentando a grandeza da natureza, nem atravessando a selva densa e irreversível; mas conectados a uma urbanidade devastada como num videogame, coautores do sofrimento incessante. O Coração das Trevas está a ser construído pela “única democracia” na Ásia Ocidental em nome dos “nossos valores”.

Há tantos horrores invisíveis representados por trás da neblina, no coração de uma selva agora reproduzida como uma jaula urbana. Observando impotentes o assassinato desenfreado de mulheres e crianças, os bombardeios em massa de hospitais, escolas e mesquitas, é como se fôssemos todos passageiros de um navio bêbado mergulhando em um redemoinho, admirando a poderosa majestade de todo o cenário.

E já estamos morrendo antes mesmo de vislumbrarmos a morte.

Somos os epígonos de Hollow Men de TS Eliot . Os gritos assustadores da selva não vêm mais de um hemisfério “exótico”. A selva está aqui – rastejando dentro de todos nós.

Pepe Escobar – Analista geopolítico independente, escritor e jornalista

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para dicasdepautaggn@gmail.com. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

Observatorio de Geopolitica

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. A imprensa livre de isenção, lamenta que os bravos nazisionistas sejam obrigados por dever de ofício, a reduzir a pó as moradias e vidas de um povo milenar por insitirem a sobriviverem sabe-se lá como! No entanto, para esses pseudo humanistas, mais importante que a vida de milhões de islamitas palestinos e até de colaboradores assistenciais internacionais que teimam em ajudar. Para eles o bjetivo de eliminar o inominável terrorismo dos que ousam lutar pelas terras que são suas há milênios e que foram roubadas para se erigir o moderno estado de Israel, contando pra tal com a conivência até mesmo da ONU, cuja missão deveria ser de promover a paz, observando o direito natural dos povos originários, ao invés de premiar os invasores sionistas europeus no ano de 1947. Se os paises que controlavam a ONU no ano de 1947, se sentiram autorizados a perpetrar esta aberração, Só restou aos palestinos islamitas, o direito de se rebelar contra tal injustiça e sew dispor a lutar por todos os meios ao seu alcançe. Goste ou não os defensores do sionismo. OS PALESTINOS CONTINURÃO SUA LUTA CONTRA A USURPAÇÃO.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador