Dia da Liberdade: Portugal celebra os 45 anos da Revolução dos Cravos

Levante que levou à queda da ditadura de Salazar começou após canção de José Afonso tocar no rádio

Portugueses começaram a dar cravos aos soldados, que os colocavam na ponta dos seus fuzis -- o que dá nome à revolução / Foto: Wikicommons

do Brasil de Fato

Dia da Liberdade: Portugal celebra os 45 anos da Revolução dos Cravos

por Tiago Angelo

Grândola, Vila Morena
Terra da Fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade

Na madrugada de 25 de abril de 1974, à 0h25, a Rádio Renascença, emissora católica portuguesa, transmitiu a canção Grândola, Vila Morena, do compositor José Afonso. A música era o sinal esperado para que jovens militares do Movimento das Forças Armadas (MFA) dessem início à Revolução dos Cravos, levante que derrubou uma das mais longas ditaduras do século XX.

Orquestrada por cerca de 200 capitães e majores, o levante, que completa 45 anos nesta quinta-feira (25), pretendia restabelecer a democracia em Portugal, paralisada desde 1933 pelo Estado Novo de António de Oliveira Salazar, que governou o país até 1968, ano em que passou o poder ao seu herdeiro político, Marcello Caetano.

Antes da revolução, partidos e movimentos políticos eram proibidos, e diversos líderes oposicionistas estavam presos ou exilados. Além disso, a imagem das forças de segurança do país já se encontrava bastante desgastada pela duração do regime salazarista e principalmente pela “guerra no ultramar”, que reprimia os movimentos de libertação das colônias que Portugal ainda mantinha na África.

A ideia de organizar o levante partiu dos oficiais Otelo Saraiva de Carvalho e Vasco Lourenço, quando o MFA ainda era um movimento recém criado. A história foi relatada por Lourenço em uma entrevista concedida à Agência Efe.

“Quando retornávamos de uma de nossas primeiras reuniões, tivemos um pneu furado e o trocamos. Eram duas da madrugada, mais ou menos, quando disse a Otelo que não íamos solucionar nada com requerimentos e papéis, que devíamos dar um golpe de Estado e convocar eleições. Ele me olhou e disse: ‘Mas você também pensa assim? Esse é meu sonho!’”, contou.

A criação do grupo, curiosamente, foi autorizada oficialmente pelo Estado português. O pretexto para a fundação: “recuperar o prestígio” do Exército. Segundo Lourenço: “Não dissemos abertamente que íamos conspirar contra o governo e dar um golpe de Estado, embora no fundo o propósito era derrubar o fascismo e a ditadura”. Além de Lourenço e Otelo, outro militar que teve grande papel na organização da Revolução dos Cravos foi o tenente-coronel Vítor Alves.

Leia também:  O fracasso colossal da extrema-direita portuguesa que apoiou Bolsonaro

O levante ocorreu de modo relâmpago. Após a canção de José Afonso entoar no rádio, o MFA ocupou locais estratégicos em todo o país em poucas horas. Ao nascer do dia, uma multidão de aproximadamente 1 milhão de pessoas já cercava emissoras de rádio à espera de notícias. A operação pegou Marcello Caetano totalmente de surpresa. Acuado, ele renunciou ao cargo por telefone e se exilou no Rio de Janeiro, onde viveu até sua morte, em outubro de 1980.

Ao saber que os militares pretendiam restabelecer a democracia e pôr fim à guerra colonial, os portugueses começaram a dar cravos aos soldados, que os colocavam na ponta dos seus fuzis – o que dá nome à revolução. Por ter acontecido sem derramamento de sangue, o levante teve grande adesão popular.

O processo passou, no entanto, por momentos de tensão a partir de maio de 1975, no período conhecido como Verão Quente. A efervescência política, protagonizada em grande parte pelos setores de esquerda, levou a direita e a Igreja Católica a temer uma radicalização do processo político iniciado após a revolução.

Para impedir o fortalecimento das alas mais radicais de esquerda, as facções conservadora organizaram uma série de ataques contra sedes de partidos políticos. Esses setores de direita também se opunham às expropriações e ocupações de terras promovidas no sul do país e se preocupavam em especial com o ponto 6 do programa adotado pelo MFA durante o período de transição. A cláusula apontava para uma reorganização econômica e social de tipo socialista.

Leia também:  Em Portugal, Partido Socialista vence eleições, mas extremista da direita estreia no Parlamento

Novos tempos em Portugal

A promessa de democracia foi cumprida: em 25 de abril de 1975, aniversário de um ano da revolução, ocorreram as primeiras eleições diretas em 41 anos. Os socialistas venceram. Um ano depois, também no dia 25, entrou em vigor a nova Constituição do país.

A abertura democrática possibilitada pela Revolução dos Cravos foi significativa para a garantia de direitos civis e políticos. Mas não apenas isso: a Constituição do país assegurou direito à habitação, à previdência social, à saúde, à cultura, à educação, entre outros. Foi também o início de um largo processo de nacionalizações e do fim da guerra colonial.

Na sequência da revolução, foi instituído em Portugal um feriado nacional no dia 25 de abril, denominado “Dia da Liberdade”. Nessa quarta-feira (24), a Assembleia da República realizou uma sessão solene e abriu as portas ao público, marcando o início das comemorações do aniversário da reabertura democrática portuguesa.

Levante que levou à queda do Estado Novo de Oliveira Salazar começou após canção de José Afonso tocar no rádio

Independência das colônias

A partir da década de 1960, diversos movimentos por independência começaram a surgir nas colônias de Portugal na África. As organizações passaram a ser duramente reprimidas pelas Forças Armadas portuguesas, sobretudo em Angola, Guiné-Bissau e Moçambique.

Durante o período, quase metade do orçamento de Portugal passou a ser destinado ao setor militar e eram raras as famílias que não possuíam parentes enviados às guerras coloniais.

Segundo dados da Agência Lusa, as Forças Armadas contabilizavam 243.795 soldados em 1974. Cerca de 117 mil foram combatentes nos conflitos. O saldo final foi de 8.831 mortos e cerca de 100 mil portugueses feridos.

Leia também:  Portugueses querem remunicipalizar abastecimento de água

A duração da guerra ultramar, o número de feridos e o despendimento de gastos necessários foram fundamentais para gerar insatisfação nas camadas populares e nos setores das Forças Armadas que se opunham às ações militares.

Imediatamente após a Revolução dos Cravos, as nações que ainda eram colônias portuguesas passaram a conquistar sua independência: a de Guiné-Bissau foi reconhecida por Portugal poucos meses depois do levante, em setembro de 1974; a de Moçambique, em junho de 1975; Angola conquistou independência em novembro de 1975.

Após os 40 primeiros anos de democracia, o número de militares em Portugal diminuiu 85%. Hoje eles são 35 mil.

Entrada na UE e início da dívida pública

A Revolução dos Cravos também possibilitou, anos mais tarde, o ingresso de Portugal na União Europeia (UE) – já que, durante a ditadura salazarista, o país ficou bastante isolado. A entrada no bloco ajudaria a modernizar o país por meio de uma transferência no valor de 80 bilhões de euros entre 1986 – ano que passou a integrar a UE – e 2011. A quantia é o equivalente a 9 milhões de euros por dia.

Mas, se a entrada na UE ajudou Portugal em certo momento, foi também uma grande dor de cabeça. O país passou por uma grave crise econômica a partir de 2009, acentuada com a adoção de medidas de austeridade em 2011.

De 2018 para cá, Portugal passou a dar os primeiros sinais de recuperação, apresentando crescimento no PIB e diminuição nas taxas de desemprego.

Edição: Aline Carrijo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Até os portugeuses tiveram sua “revolução”, cá tudo veio por concessões, nada por conquista. Eis a razão por sermos como somos!

  2. Lembranças:
    Idos de 1974. Minha memória é fiel? Não sei, realmente; tanto tempo…
    O que recordo:
    O noticiário matinal da rádio terminara. Eu me preparava para ir ao banco no qual trabalhava. Ao fechar a porta, eis que volta a música do noticiário da Eldorado, anunciando novas extraordinárias: revolta em Portugal!
    Retardo o quanto posso a minha saída, mas as notícias são ainda pouco claras, e tenho de ir para o trabalho, pois preciso “bater o ponto” no banco.
    Filho de exilado português, falecido nos sessenta, a luta contra o salazarismo e o colonialismo foi determinante na minha vida e constituinte do modo como vejo o mundo.
    No ônibus, estou absolutamente eufórico. Chego no banco e ligo de imediato para a minha mãe viúva, que trabalhava em outro banco. Acabou! É o fim da ditadura!
    Os dois grandes momentos políticos que vivi: o fim do “estado novo” em Portugal e o da ditadura militar no Brasil. Meus dois países.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome