Ao menos 19 palestinos morreram em ataque de Israel contra escola que funciona como abrigo

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) informou que mais de 5.300 crianças palestinas morreram em 48 dias de bombardeios de Israel

Palestinos saem de abrigos ou regressam ao que restou de suas casas na Faixa de Gaza. Na imagem, a cidade de Beit Lahia, em Gaza. Foto: Reprodução/Vídeo Sepa Más

Pelo menos 19 palestinos foram mortos na tarde desta segunda-feira (4), horário local, em um ataque aéreo israelense contra uma escola no leste de Gaza, na Faixa de Gaza, Palestina. A informação partiu de autoridades palestinas e confirmada por agências de notícias locais

Segundo uma destas agências, a escola abrigava famílias deslocadas de suas casas ou de outras regiões destruídas pelos bombardeios e ataques das Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês).

O número de mortos nos ataques israelenses na Faixa de Gaza ultrapassa 15 mil vítimas, de acordo com autoridades palestinas da Faixa de Gaza, ligadas ao Hamas, mas cujos informes vêm sendo confirmados pelas Nações Unidas e seus diversos organismos que atuam na região.  

Na sexta-feira (1), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) informou que mais de 5.300 crianças palestinas morreram em 48 dias de “bombardeios incessantes” de Israel sobre a Faixa de Gaza.

Em comunicado, o Unicef destacou que o número “assustador” foi registado antes da trégua entre o governo israelense e o Hamas e sublinhou que “não inclui muitas crianças que ainda estão desaparecidas e que se presume terem sido enterradas sob os escombros”.

LEIA MAIS:

Renato Santana

Renato Santana é jornalista e escreve para o Jornal GGN desde maio de 2023. Tem passagem pelos portais Infoamazônia, Observatório da Mineração, Le Monde Diplomatique, Brasil de Fato, A Tribuna, além do jornal Porantim, sobre a questão indígena, entre outros. Em 2010, ganhou prêmio Vladimir Herzog por série de reportagens que investigou a atuação de grupos de extermínio em 2006, após ataques do PCC a postos policiais em São Paulo.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador