João de Deus não vai responder por maioria dos crimes denunciados, diz delegada

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O médium João de Deus não vai responder pela maioria dos crimes sexuais denunciados por mulheres nas últimas semanas. A delegada Karla Fernandes, que cuida de 15 casos em Goiás, disse que os relatos são tipificáveis como “violação sexual mediante fraude” (quando a fé da mulher é usada para cometer atos libidinosos com ela) e a lei prevê que situações do gênero precisam ser denunciadas aé seis meses após a data da ocorrência. No caso de João de Deus, a maioria dos supostos crimes foram comunicados vários anos após o ocorrido.


Segundo a delegada, em setembro passado houve uma mudança na lei e o chamado “prazo decadencial” foi excluído, mas só é válido para situações que tenham ocorrido a partir daquele mês. Situações do passado não são alcançáveis pela mudança.

Ainda segundo Karla, os relatos sob sua investigação não se enquadram como estupro porque não houve “conjunção carnal” ou mediante “violência ou grave ameaça”.

Há somente um caso que teria ocorrido depois de setembro de 2018, que envolve uma mulher de 43 anos que foi buscar ajuda de João de Deus. Ele quis fazer o atendimento num sala com as luzes apagadas. Fez uma massagem sob a “região do ventre da mulher”, mas ela notou que ele havia colocado o pênis para fora e reagiu. Ele interrompeu a sessão e pediu que ela não contasse nada a ninguém.

Apesar da notícia, a delegada pede que as vítimas continuam denunciando o médium para somar força no “conjunto probatório”.

Leia também:  Barroso e Fux entram na lista de servidores do Rio que não entregaram declaração anual de bens e valores

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome