Carta a Caravaggio, 4. Por Romério Rômulo

sobra ser um amante calejado de amores e estradas carcomidas

Caravaggio

Carta a Caravaggio, 4

por Romério Rômulo

quando a morte arranca veemente
pelo pulso das feras mais mundanas
quando os gados te comem aos pedaços
e te mostram o caminho sem final

sobra ser um amante calejado
de amores e estradas carcomidas
a perder o olhar nos corpos turvos
das mulheres vestidas sobre lodo

uma fera me diz do teu outono
dos teus caldos e guizos imorais
das serpentes atadas numas luzes
dos teus ritos montados sobre farsas

estes mundos são todos uns punhais
de romper e lavar toda essa carne
surgida do pincel na tela impura
sobre as veias das putas aparentes

onde densa e cruel poesia sobra
numa dura e cruel poesia escassa
de cuidados com o tempo permanente.

a indigência da vida é o novelo.

romério rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome