eu só entrego a margem do meu rosto, por romério rômulo

eu só entrego a margem do meu rosto

por romério rômulo

 

quem se rendeu à sólida manhã?

 

perdeu-se  pela carne e pelo rito

todo que viu a luz ser habitante

da sua pele escassa e já dormida.

 

perdeu-se pelo olho, pelo trato

perdeu-se pela mão e pelo fôlego

quem só ardeu no escuro da cidade.

 

quantos vilões me habitam se sou podre

e a equação que faço é desalento?

 

romério rômulo

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora