Enquanto o mundo queima, por Richard Haass

Com os líderes nacionais e a diplomacia internacional se mostrando ineficazes, há alguma esperança de nos salvar?

Getty Images

do Project Syndicate

Enquanto o mundo queima

por Richard Haass

Mesmo antes de o presidente russo, Vladimir Putin, lançar sua guerra contra a Ucrânia e desencadear uma corrida global por combustíveis fósseis, a batalha contra as mudanças climáticas estava sendo perdida. Com os líderes nacionais e a diplomacia internacional se mostrando ineficazes, há alguma esperança de nos salvar?

NOVA YORK – Costuma-se dizer que ninguém ganha uma guerra, apenas que uns perdem menos que outros. A guerra da Rússia contra a Ucrânia promete não ser exceção. Um claro perdedor já é evidente: o planeta.

A guerra tornou-se a prioridade internacional para os formuladores de políticas e o público. E com razão: a agressão do presidente russo Vladimir Putin contra a Ucrânia ameaça um pilar da ordem internacional, ou seja, a proibição de mudar as fronteiras pela força. Mas a guerra também desencadeou uma disputa global por suprimentos suficientes de energia em resposta às sanções contra as exportações russas de energia e à possibilidade de que a Rússia corte o fornecimento. Muitos países descobriram que o caminho mais fácil e rápido é garantir combustíveis fósseis que emitem gases de efeito estufa.

Mas mesmo antes de Putin lançar sua guerra, a batalha contra a mudança climática estava sendo perdida. Tem sido difícil gerar qualquer senso de urgência sobre um problema amplamente visto como real (a negação da ciência climática está desaparecendo), mas visto principalmente como algo que pode ser tratado no futuro. Temperaturas recordes na Europa e em outros lugares, secas, incêndios florestais, tempestades mais severas e aumento da migração podem mudar essa percepção, mas até agora não mudaram.

Além disso, qualquer governo agindo sozinho não resolverá o problema. Há, portanto, uma sensação em muitos países de que fazer a coisa certa não importa, porque outros continuarão a fazer a coisa errada, e todos sofrerão.

Jornal GGN produzirá documentário sobre esquemas da ultradireita mundial e ameaça eleitoral. Saiba aqui como apoiar

Depois, há a pergunta relacionada, mais ouvida no mundo em desenvolvimento: “Por que devemos fazer a coisa certa quando não causamos o problema?” Os países pobres rejeitam como padrão duplo o pedido dos países ricos – que se industrializaram em uma época em que as considerações climáticas não contavam muito e são responsáveis ​​por emissões históricas de carbono muito mais altas – para se desenvolver de uma maneira que lhes negue o acesso à forma mais barata de energia. Somando-se ao problema é que vários países (Brasil em particular) não estão fazendo o que podem para evitar a destruição das florestas tropicais, a esponja de carbono natural da Terra.

Falando em padrões duplos, os esforços internacionais para desacelerar as mudanças climáticas são prejudicados pela oposição a uma maior dependência da energia nuclear, mesmo que ela não libere dióxido de carbono na atmosfera. Desde o desastre de Fukushima em 2011 no Japão, operar reatores nucleares existentes ou construir novas usinas mais seguras se tornou uma batalha política difícil.

Os esforços para desacelerar as mudanças climáticas ainda sofrem com a percepção de que devem vir à custa do emprego e do crescimento econômico. Isso é cada vez mais falso: a mudança climática está provando ser cara, enquanto a introdução de alternativas aos combustíveis fósseis pode criar empregos e reduzir os custos de energia ao longo do tempo. Mas a resistência em seguir esse caminho é intensa, especialmente em áreas que há muito dependem da produção de combustíveis fósseis.

Por todas essas razões, os esforços internacionais para diminuir o ritmo do aquecimento global conseguiram pouco. Os líderes mundiais se reunirão novamente em novembro (no Egito) para a próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP27), mas não há razão para ser otimista de que esta reunião realizará muito mais do que as 26 que a precederam.

Os Estados Unidos, tradicionalmente um líder dos esforços internacionais para conter as mudanças climáticas, estão cada vez mais marginalizados. Seu presidente anterior, Donald Trump, retirou os EUA do acordo climático de Paris de 2015, enquanto seu sucessor, Joe Biden, está cada vez mais limitado no que pode fazer porque o Congresso (acima de tudo, seus membros republicanos) não subsidiará o desenvolvimento de fontes alternativas de energia, e a Suprema Corte reduziu drasticamente a autoridade do governo federal para regular as emissões de CO2. Também há pouco ou nenhum apoio político para taxar emissões ou entrar em acordos comerciais que desencorajem o consumo de carvão ou petróleo ao impor tarifas sobre produtos que os utilizam intensivamente.

O resultado é que a temperatura da superfície da Terra está estimada em 1,1º Celsius acima dos níveis pré-industriais e aumentará mais devido à atividade anterior, mesmo que o mundo deixe de emitir gases de efeito estufa hoje – o que obviamente não acontecerá. Pelo contrário, nossa trajetória atual leva a um clima muito mais quente, afetando camadas de gelo, florestas tropicais e tundra. Em um ciclo virtuoso, bons desenvolvimentos levam a melhores desenvolvimentos; quando se trata de clima, o ciclo é vicioso: o mal leva ao pior.

Há algum motivo para esperança? Existe, mas na maior parte não dos esforços governamentais, seja sozinho ou em conjunto. É improvável que os líderes políticos ajam em uma escala compatível com o problema até que seja tarde demais.

Uma área de progresso potencial poderia vir de corporações, que têm incentivos financeiros para introduzir produtos mais eficientes em termos de combustível. Os governos nacionais e locais podem aumentar a participação das empresas em fazê-lo promulgando regulamentações que encorajem o investimento em inovação.

Uma segunda área para mudanças positivas é a adaptação. Os governos podem construir infraestrutura para ajudar a gerenciar os efeitos das mudanças climáticas, como enchentes, e as instituições financeiras podem usar apólices de empréstimos e seguros para desencorajar as pessoas a construir casas em áreas propensas a inundações ou incêndios.

A melhor esperança de se antecipar às mudanças climáticas pode vir da tecnologia, principalmente daquelas que nos permitem deter ou mesmo reverter as mudanças climáticas, seja removendo parte do carbono atmosférico ou colocando partículas refletivas na atmosfera para reduzir a quantidade de luz solar que atinge Terra. O desenvolvimento de tais tecnologias deve ser uma prioridade.

Há um precedente recente para tal esforço: COVID-19. Embora o número global de mortes esteja entre 15 e 18 milhões, o que nos salvou de uma catástrofe ainda maior foi o governo e as empresas se unindo para desenvolver uma nova geração de vacinas altamente eficazes em tempo recorde. Com a mudança climática, também, teremos que confiar mais na ciência física do que na ciência política para nos salvar de nós mesmos.

Richard Haass, presidente do Conselho de Relações Exteriores, atuou anteriormente como Diretor de Planejamento de Políticas do Departamento de Estado dos EUA (2001-2003), e foi enviado especial do presidente George W. Bush à Irlanda do Norte e Coordenador para o Futuro do Afeganistão. Ele é o autor, mais recentemente, de  The World: A Brief Introduction  (Penguin Press, 2020).

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

Leia também:

Mudança climática levará 132 milhões à miséria

Relatório mostra desmatamento florestal no Brasil afetando mudanças climáticas

Não basta prevenir a mudança climática, é preciso se adaptar, por David Ehl

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador