Manchas de óleo e negacionismo, por Gustavo Gollo

A antiguidade do surgimento da primeira mancha, há mais de 4 meses, garante não se tratar de um único vazamento

Manchas de óleo e negacionismo, por Gustavo Gollo

Demorou quase um mês para que a mancha bomba de petróleo detectada por satélite chegasse ao Rio de Janeiro, tendo deixado rastros pelo sul da Bahia e Espírito Santo, conforme previsões baseadas nos fluxos de correntes marinhas. A intensidade da bomba NAS PRAIAS do RJ foi bastante atenuada, em consequência da intemperização ocorrida sobre o óleo após o longo tempo decorrente desde a identificação da mancha pelo radar.

https://jornalggn.com.br/meio-ambiente/manchas-de-oleo-a-mancha-bomba/

Antes dessa, o satélite europeu já havia ajudado a mapear, ainda no oceano, a mancha causadora da segunda leva de óleo – a mais contundente –, que emporcalhou de maneira especialmente drástica as praias de Pernambuco, Sergipe e Bahia, causando nessas os piores estragos.

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/desastre-monstro-no-atlantico-sul/

Dentre todas as manchas reveladas através dos satélites europeus, a mais elucidativa para o caso, no entanto, é a maior delas, a mancha descomunal com mais de 5 mil quilômetros quadrados – extensão comparável à da ilha de Madagascar, na África –, detectada pelo satélite em finais de JULHO.

https://pt.scribd.com/document/433041600/Relatorio-da-empresa-HEX-entre-a-PF?fbclid=IwAR0Q1lbKW_6UXbo4EsJBa96rhunWRZM6LWrw_TO7vf8vqpgQoVAT4VYm0tY#from_embed

Foi o relatório acima, encomendado pela Polícia Federal, que sustentou a acusação ao navio grego que, contingentemente, passou pelas redondezas na ocasião.

A acusação era completamente descabida, dada a monstruosa extensão da mancha de óleo cujo volume descomunal não caberia em uma centena de navios tanques! A omissão de tal quantidade, no entanto, permitiu que a Grécia fosse acionada oficialmente para interpelar os donos da embarcação, demonstrando uma leviandade espantosa.

Como a cifra do volume de petróleo contido na mancha demonstra a impossibilidade de que tão gigantesca quantidade de óleo pudesse caber em um navio – cálculo de dificuldade compatível com questões do ENEM –, a Marinha, tratou de negar a fidedignidade das detecções realizadas através de satélites, tecnologia padrão para isso no mundo inteiro – embora tendo-a utilizado para acusar o navio grego. Note que o papel principal da Marinha, no caso, assim como o do IBAMA, tem sido o de impedir que se veja o óbvio, e encobrir um dos maiores crimes ambientais já ocorridos no planeta – provavelmente o maior vazamento de petróleo ocorrido em todo o mundo!

O tamanho da catástrofe garante que o vazamento, cujos cúmplices estão encravados nos mais altos escalões do governo brasileiro, ocorreu – ou talvez ainda esteja ocorrendo –, em plataforma de extração de petróleo nas costas brasileiras.

Leia também:  Onças com patas queimadas e animais carbonizados "são a imagem do Brasil sob Bolsonaro"

As 3 grandes manchas detectadas sugerem 3 vazamentos sucessivos.

A antiguidade do surgimento da primeira mancha, há mais de 4 meses, garante não se tratar de um único vazamento que, em tal caso, já teria tido o óleo marinho todo intemperizado e diluído nas águas.

Um resumo das conclusões decorrentes da admissão de tais manchas é o seguinte:

O óleo é brasileiro, não cabe em um navio, vem de plataforma de extração, tem cúmplices em todos os níveis governamentais e nos meios de comunicação, que também se recusam a revelar o óbvio.

Desmentidos do Pará, ES e outros

Duas notificações de óleo, no Pará, a primeira em 18 de outubro, em Abaetetuba, a outra em 3 de novembro, em Salinópolis, foram imediatamente descartadas pela marinha, do mesmo modo que as primeiras manchas aparecidas no sul da Bahia e norte do Espírito Santo. Todas essas atestavam a ampliação da extensão da catástrofe, minimizada especialmente pela negação das ocorrências no Pará, que, de resto, não foram alvo de inquérito para averiguação de suas origens.

https://www.oliberal.com/para/em-cerca-de-15-dias-ocorrem-dois-derramamentos-de-oleo-no-para-suspeitos-de-terem-relacoes-com-os-do-nordeste-do-brasil-1.209515

https://www.folhavitoria.com.br/geral/noticia/11/2019/oleo-encontrado-em-camburi-nao-e-o-mesmo-que-atingiu-praias-do-nordeste-diz-marinha

Leia também:

https://jornalggn.com.br/opiniao/manchas-de-petroleo-encobrindo-o-crime-ambiental/

https://jornalggn.com.br/meio-ambiente/manchas-de-oleo-a-mancha-bomba/

https://jornalggn.com.br/artigos/manchas-de-oleo-o-tamanho-do-monstro/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/avacalhando-o-pais-2/

https://jornalggn.com.br/opiniao/avacalhando-o-pais/

Manchas de óleo: por que estão ocultando o gigantesco crime ambiental?, por Gustavo Gollo

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/manchas-de-oleo-o-que-esta-sendo-ocultado/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/manchas-de-petroleo-mapeando-o-crime/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/mais-sobre-a-farsa-do-petroleo-venezuelano/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/o-elefante-escondido-embaixo-do-tapete/

https://jornalggn.com.br/artigos/a-catastrofe-oceanica-e-a-farsa-em-andamento/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/desastre-monstro-no-atlantico-sul/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/especulacao-sobre-a-catastrofe-que-assola-o-litoral-brasileiro/

Crime ambiental em andamento no Atlântico Sul, por Gustavo Gollo

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/catastrofe-ambiental-no-atlantico-sul/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/um-elefante-embaixo-do-tapete/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora