Feliz Dia dos Pais, Papai!

 

 

Por mais que a gente cresça, envelheça, essa imagem nunca nos abandonará. Nosso pai nos segurando pela mão e nos conduzindo em direção à vida.

Não escreverei mais nada pois essa imagem hoje encheu meu coração e alma de ternura e saudade boa de sentir.

Feliz Dia do Pais, Seu Murillo. Não tardará demasiadamente nosso reencontro. Que Deus te abençoe.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Don Diego: o mito próximo do ser humano, por Alfeu

19 comentários

    • Houve um tempo

      Houve um tempo em que uma imagem

      valia mais que mil palavras.

      Que tempo era esse?

       

      Troco imagens por palavras,

      que as imagino ricas

      fortes

      doces

      repletas de signos

      tempos e espaços.

       

      Quem fará a ponte?

      Quem levará a atravessar os rios

      as correntezas

      as cachoeiras

      as estradas?

       

      Um ouvido que nina as manhãs 

      com melodias do hoje

      do ontem

      do amanhã.

       

      Quem  amanhecerá

      entardecerá e

      anoitecerá

      nos caminhos 

      a recolher flores do campo

      versos espalhados pelas ruas

      melodias emoldurando paisagens?

       

      Ele fará a ponte.

      Ele será a ponte.

      Ele encontrará a ponte.

       

      [video:https://www.youtube.com/watch?v=EDLpX1Kn2f0%5D

  1.                    leveza

                       muito charme

                       uma peça bonita

                      

                       acresça um poema ao dia

                       no receituário

                       da Lenita

  2. T.S.ELIOT , DORA MAAR , PICASSO

    “Após Picasso somente Deus”

    “Quando amamos uma mulher, não começamos a medir os seus membros”

    Dora Maar, fotógrafa francesa, poetisa e pintora.

    Entre a idéia
    E a realidade
    Entre o movimento
    E a ação
    Tomba a Sombra
                            Porque Teu é o Reino

    Entre a concepção
    E a criação
    Entre a emoção
    E a reação
    Tomba a Sombra
                           A vida é muito longa

    Entre o desejo
    E o espasmo
    Entre a potência
    E a existência
    Entre a essência
    E a descendência
    Tomba a Sombra
                            Porque Teu é o Reino
    Porque Teu é
    A vida é
    Porque Teu é o

    Assim expira o mundo
    Assim expira o mundo
    Assim expira o mundo
    Não com uma explosão, mas com um suspiro.

    T.S.Eliot – poeta, crítico, ensaísta, dramaturgo – traduzido por Ivan Junqueira

    Dora Maar (1907 – 1997) foi uma fotógrafa francesa, poetisa e pintora.

    Maar é lembrada como modelo sensual e musa cujas características foram imortalizadas na série “Weeping Woman” de Picasso.

    Maar conheceu Picasso em janeiro, em Paris, quando ela tinha 29 anos e ele 54. Ela se tornou a inspiração de muitas pinturas de Picasso e ele apareceu em muitas das obras dela também.

    Em 1943 Maar sofreu depressão e um colapso nervoso, após o fim da dolorosa ruptura de um relacionamento de dez anos com Picasso. Ela se recuperou depois de receber tratamento psiquiátrico de seu amigo Jacques Lacan, antes de retornar à vida cultural de Paris como uma mulher orgulhosa e independente.

     

    Sua carreira como fotógrafa terminou abruptamente quando Picasso iluminou o seu talento, mas ela continuou a pintar, escrever poesia e, mais tarde, a retrabalhar com fotografias até os dois últimos anos de sua vida. Dora Maar, que se tornou católica devota e reclusa, morreu em 1997, aos 89 anos. Relata-se que ela teria dito antes de sua morte “Após Picasso somente Deus”.

    Falou e disse Picasso:

    – “Eu não procuro. Eu acho.”

    – “Tudo o que você pode imaginar é real.”

    – “A arte é a eliminação do desnecessário.”

    – “Maus artistas copiam. Bons artistas roubam.”

    – “Cada ato de criação é o primeiro ato de destruição.”

    – “A arte lava para longe da alma a poeira da vida quotidiana.”

    – “Todas as crianças são artistas. O problema é como permanecer artista uma vez que crescem.”

    – “Uma ideia é um ponto de partida e não mais. Assim que você elaborá-lo, torna-se transformado pelo pensamento.”

    – “A arte não é a aplicação de um cânone de beleza, mas o que o instinto e o cérebro podem conceber além de qualquer cânone. Quando amamos uma mulher, não começamos a medir os seus membros.”

    http://www.culturapara.art.br/opoema/tseliot/tseliot.htm

    https://salpic.wordpress.com/2013/04/09/10-bekende-quotes-van-pablo-picasso/

    http://beyondartandmind.tumblr.com/post/36359837279/french-surrealist-photographer-dora-maar-dora

    • Ah, Luciano, sem pai, pais e filhos, preparo uma carne

      pra saborear meio com vocês, meio comigo.

      E o piano, o sax me fazem dançar e rir ao mesmo tempo, que sozinha rio por aqui, e vocês me fazem companhia.

      Sá comé… que tem um pouquinho de amigos tem mais que milhares de seguidores. Nem pastor eu sou…! 

      Repetindo agora a execução.

      É o que mais tenho feito ultimamente enquanto escrevo, costuro, faço meu artesanato e leio. Repito as trilhas de vocês.

      As sonoras.

        • Luciano qualquer hora te mando um e-mail pra que saibas o quanto

          me divirto com esse seu peculiar jeito cearense de ser.

          Você me agrada não só com as melodias, mas com seu senso de humor.

          Sempre tive mais amigos meninos, talvez pela objetividade, pelo “piadismo” natural entre eles. Cansei de arranjar namoradas para os amigos, fazer as pontes, sacomé, se bem que antes ficavam enciumadas, só depois entendiam que éramos amigos e eu estava facilitando a vida para elas.

          Mas isso tudo passou.

          Lembrei porque gosto muito de seus comentários.

          E aquele “amor cachorro” de outro dia foi vencedor.

          Adorei.

          • Aos pais, que costumo chamar de “Pais eternos”, um recadinho do

            Drummond:

             

             

            Diante de uma criança

            Carlos Drummond de Andrade

             

            Como fazer feliz meu filho?
            Não há receitas para tal.
            Todo o saber, todo o meu brilho
            de vaidoso intelectual

            vacila ante a interrogação
            gravada em mim, impressa no ar.
            Bola, bombons, patinação
            talvez bastem para encantar?

            Imprevistas, fartas mesadas,
            louvores, prêmios, complacências,
            milhões de coisas desejadas,
            concedidas sem reticências?

            Liberdade alheia a limites,
            perdão de erros, sem julgamento,
            e dizer-lhe que estamos quites,
            conforme a lei do esquecimento?

            Submeter-se à sua vontade
            sem ponderar, sem discutir?
            Dar-lhe tudo aquilo que há
            de entontecer um grão-vizir?

            E se depois de tanto mimo
            que o atraia, ele se sente
            pobre, sem paz e sem arrimo,
            alma vazia, amargamente?

            Não é feliz. Mas que fazer
            para consolo desta criança?
            Como em seu íntimo acender
            uma fagulha de confiança?

            Eis que acode meu coração
            e oferece, como uma flor,
            a doçura desta lição:
            dar a meu filho meu amor.

            Pois o amor resgata a pobreza,
            vence o tédio, ilumina o dia
            e instaura em nossa natureza
            a imperecível alegria.

             

            (Em Farewell, Record, 1996)

             

             

             

            [video:https://www.youtube.com/watch?v=3Z1k_E0hAqg%5D

  3. Adivinhe Lulu

                        Que poetisa é essa
                        que sonoriza histórias
                        colore cenas
                        entorpece sentidos e
                        emoldura beirais?

                       

    É uma cousa singular esta vida. Sabes que às vezes eu quereria ser uma daquelas estrelas para ver de camarote essa Comédia que se chama o Universo? essa Comédia onde tudo o que há de mais estúpido é o homem que se crê um espertalhão? Vês aquele boi que rumina ali deitado sonolento na relva? Talvez seja um filósofo profundo que se ri de nós. A filosofia humana é uma vaidade. Eis aí, nós vivemos lado a lado, o homem dorme noite a noite com uma mulher; bebe, dorme, ama com ela, conhece todos os sinais de seu corpo, todos os contornos de suas formas, sabe todos os ais que ela murmura nas agonias do amor, todos os sonhos de pureza que ela sonha de noite, e todas as palavras obcenas que lhe escapam de dia… Pois bem – a esse homem que deitou-se mancebo com essa mulher ainda virgem, que a viu em todas as fases, em todos os seus crepúsculos, e acordou um dia com ela ambos velhos e impotentes, a esse homem, perguntai-lhe o que é essa mulher, e ele não saberá dizê-lo! Ter volvido e revolvido um livro a ponto de manchar-lhe e romper-lhe as folhas e não entendê-lo! Eis o que é a filosofia do homem! Há cinco mil anos que ele abisma em si, e pergunta-se quem é, donde veio, onde vai, e o que tem mais juízo é aquele que moribundo crê que ignora!.

                        MACÁRIO

                        Álvares de Azevedo

  4. Amigo Luciano!

    A paternidade – essa missão nem sempre consanguínea – é um presente! Um presente recebido e um presente concedido. Um amar distanciado, um amar de soslaio, um amar de grande, enorme peso no crescer das asas, no vôo seguro, na firmeza de caráter construída e temperada no exemplo.  Um aprender a amar.

    Exercer este sublime papel é uma missão doce mas espinhosa. Abraçada, torna os homens melhores e mais justos.

    Forjar a firmeza, a serenidade, a persistência é obra para quem exemplifica, para quem vivencia, para os bons.

    Te desejo um Dia dos Pais feliz e sereno.

    Abraço da Amiga Anna.

  5. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome