Flávio Henrique, compositor mineiro, morre vítima de febre amarela

 
Jornal GGN – Aos 49 anos o compositor Flávio Henrique morreu devido a complicações por febre amarela. Flávio era jornalista e atuava à frente da Empresa Mineira de Comunicação, além disso, era músico e produtor, sendo uma das pessoas mais respeitadas no universo da música de Minas Gerais.
 
A morte de Flávio Henrique se deu na manhã desta quinta-feira, 18 de janeiro, no Hospital Mater Dei, em BH.
 
Flávio esteve à frente da Rádio Incofidência, transformando esteticamente a emissora e tornando-a democrática a todos os estilos. No Carnaval de BH, Flávio destacou-se com a marchinha “A Coxinha da Madrasta”, de teor político que estourou na cidade e venceu o Concurso de Marchinhas Mestre Jonas.

 
Ele integrava o Quarteto Cobra Coral e tinha mais de 180 músicas gravadas. Foi parceiro de outros grandes da música brasileira, como Paulo César Pinheiro, Chico Amaral, Milton Nascimento e Toninho Horta. Lançou oito CDs autorais e um DVD.
 
https://www.youtube.com/watch?v=37K7vicNG7U&feature=youtu.be]
 
[video:https://www.youtube.com/watch?v=XJrIoRfavJ4&feature=youtu.be
 
Notas de falecimento
 
Governador Fernando Pimentel (PT), pelo Facebook
 
“Hoje é um dia muito triste para todos nós. Nós recebemos com imenso pesar a notícia do falecimento do nosso companheiro Flávio Henrique. Minas perdeu um grande artista e eu perdi um amigo querido e um companheiro de ideias e de sonhos.
 
Flávio vai fazer muita falta pra nós. Eu tenho certeza que, neste momento, ele está na companhia do Senhor, fazendo um som lá no céu.
 
Queria expressar minha solidariedade à família, minhas condolências a todos os amigos também. Nestes últimos dias de internação do Flavio nós fizemos uma corrente poderosa de oração, de energia positiva, mas Deus quis que ele subisse, e não que ficasse conosco.
 
Guimarães Rosa, que é um escritor mineiro que Flavio gostava muito, dizia que as pessoas não morrem, elas ficam encantadas. Flávio Henrique agora está encantado. Mas a sua música e a sua arte vão nos encantar por muitos anos ainda.”
 
Secretário de Estado de Cultura, Ângelo Oswaldo:
 
“A música, a cultura e a comunicação de Minas Gerais amanheceram de luto nesta quinta-feira (18). Flávio Henrique Alves, presidente da Empresa Mineira de Comunicação (EMC), faleceu nesta manhã em decorrência de complicações posteriores ao quadro de febre amarela. Além de músico talentoso e compositor reconhecido, Flávio atuou com destaque na Rádio Inconfidência, onde também ocupou a presidência. Sua dedicação foi fundamental durante a transferência da Rádio e da Rede Minas para as novas instalações das emissoras, bem como na implantação e integração da Empresa Mineira de Comunicação (EMC). Seu sorriso, seu jeito carinhoso, sua dignidade e sua música ficam marcadas em nossa memória e em nossos corações. O Governo de Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Cultura e todo o Sistema Estadual de Cultura lamentam essa imensa perda e enviam condolências a familiares e amigos. “Flávio Henrique foi, como gestor público, o que sempre foi como artista. Uma pessoa leal e digna que pôs o seu talento a serviço da cultura de Minas Gerais e do Brasil. Todos nós sentimos profundamente a sua partida”.
 
Secretário de Estado de Saúde, Sávio Souza Cruz
 
“Foi com muita tristeza que recebi a notícia do falecimento do Flávio Henrique Alves de Oliveira, presidente da Empresa Mineira de Comunicação. Flávio desempenhou sua função sempre de forma ética, íntegra e com muita dedicação e profissionalismo. Minha solidariedade aos amigos e familiares.”
 
Quarteto Cobra Coral
 
“A familia Cobra Coral está sem chão com a partida do nosso Flávio Henrique …Vai em paz irmão. Somos gratos por tantas historias, tanto amor, tanta música, viagens, gargalhadas, shows, bastidores, festas e cada momento que pudemos viver juntos. Agradecemos as manifestações de carinho”.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Benko, o João que dignificou Abadiânia (GO), por Marcelo Auler

3 comentários

  1. Flavio…..

    Não precisa correr vacinar não !!! Não tem epidemia não !!! só precisa vacinar uma meia dúzia de entorno de parque ou área isolada !!! o governo não esconde a verdade não, principalmente em ano de eleição !!! pindorama continua surreal !!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome