Ato em Frankfurt: da barbárie atual aos caminhos para 2023

O trabalho da resistência no exterior também requer que dialoguemos com os brasileiros que vão votar pela primeira vez e com os que ainda estão indecisos

Ato em Frankfurt: da barbárie atual aos caminhos para 2023

Do grupo: Desmascarando Bolsonaro Já!

Com o lema “Brasil: caminhos para 2023” fomos às ruas para expor aos cidadãos de Frankfurt e turistas a dura realidade que vive o nosso país.

A violência contra as minorias, o sucateamento do patrimônio nacional, a destruição da Amazônia, culminando com o assassinato de Dom Phillips e Bruno Pereira, foram temas trazidos pelos nossos ativistas.

O ato começou com um minuto de silêncio em nome de Dom Phillips e Bruno Pereira. Em seguida, a integrante do nosso grupo Ana Márcia leu a poesia, de sua autoria, intitulada “O irmão bolsonarista e eu ativista”. Eis aqui alguns trechos.

“Acorda meu irmão! O Brasil virou um buracão! Abra a mente e o coração que eu te ensino a lição na véspera da eleição.

Nos governos Lula e Dilma, nada era caro, o irmão tinha carro. Tinha também moto e caminhão e hoje não tem um tostão e na mesa falta o pão.

Tempo, tempo, tempo, eu não mais aguento. É um tormento o Bolsonaro no Parlamento.

Jornal GGN produzirá documentário sobre esquemas da ultradireita mundial e ameaça eleitoral. Saiba aqui como apoiar

Esse governo não é eficaz, o povão ficou pra trás, ele privatizou até a Eletrobrás.

Brasil, terra onde mais se mata mais ambientalistas, por Bruno Pereira e Dom Phillips queremos justiça.

A polícia faz da viatura uma câmera de gás e mata o negro que nunca teve paz.

Não vejo a hora de chegar uma nova aurora e Bolsonaro nunca mais na nossa história.”

Na sequência duas companheiras falaram sobre a luta das mulheres, a violência física e emocional que sofrem e de que forma as mulheres unidas dirão nas urnas: “ELE NÃO!” Uma militante fez um paralelo entre como vivíamos durante os governos comprometidos com um estado de bem estar social e como vivem os brasileiros hoje.

Informamos aos interessados no ato, que a fome, a miséria, a violência, a misoginia, a homofobia, o ataque às instituições, à democracia e ao estado de direito são a marca registrada do governo atual.

Ainda, um militante apresentou o trabalho da resistência brasileira na Alemanha e deu sugestões de como poderemos dar nosso apoio daqui e ajudar aqueles que no Brasil lutam pela democracia, pelo estado de direito e contra a barbárie.

Tendo em vista a proximidade das eleições, o trabalho da resistência no exterior também requer que dialoguemos com os brasileiros que vão votar pela primeira vez e com os que ainda estão indecisos sobre seu candidato.

O que esperamos para 2023? O que havíamos conquistado nos anos dos governos Lula e Dilma e que foi destruído paulatinamente desde meados de 2016, após o golpe que destituiu a Presidenta Dilma.

Encerramos o ato com uma foto e nosso grito de luta: ELE NÃO, ELE NUNCA MAIS.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

Leia também:

Crise no PDT não é apenas sobre eleições de 2022, mas também sobre futuro dos Ferreira Gomes

TSE errou ao envolver militares nas eleições 2022?

Ausência em debates ajudou Bolsonaro em 2018: o que esperar das eleições 2022?

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador