Paulinho da Viola: seu tempo é hoje, suas canções, para sempre, por Zê Carota

Paulinho da Viola: seu tempo é hoje, suas canções, para sempre

por Zê Carota

hoje Paulinho da Viola completa 76 anos, 53 destes dedicados, oficial e profissionalmente, ao samba, considerando-se sua primeira participação em um álbum, “Rosa de Ouro”, de 1965, que teve como estrelas Clementina de Jesus, Araci Cortes e o Conjunto Rosa de Ouro.

desde então, Paulinho dedica-se a apresentar ao público (composto pelas mais variadas gerações que mantém e renova) o frescor eterno do samba, seja com as suas composições ou regravando belezas esquecidas de grandes compositores, muitos dos quais trazidos à ribalta em seus shows para o merecido reconhecimento – não à toa, no ótimo documentário sobre Paulinho, “Meu tempo é hoje” (2003), num registro de sua ida ao famoso feijão de Tia Surica, esta faz questão de dizer que, embora afilhado de todos da Velha Guarda da Portela, é ele quem age como padrinho, fazendo de tudo para mantê-los dignamente na ativa.

no mesmo documentário, dentre as muitas e boas histórias reportadas ora por ele, em estúdios, salões de bilhar e na rotina de seu cotidiano (que inclui cafés da manhã com duração de até 4, 5 horas), ora por familiares e parceiros, merece destaque a história da composição da canção que o projetou nacionalmente – e, servindo como carro abre-alas de tantas outras, para a eternidade.

Paulinho conta que, para abastecer a despensa, compunha para os mais variados projetos, inclusive sambas-enredo para outras escolas, tais como a primeira que ocupou o seu muque do amor, a União de Jacarepaguá (a primeira agremiação a receber, ainda em seus primeiros reco-recos e tamborins, a visita de um chefe de Estado, o então presidente Juscelino Kubitschek), o que gerava muchochos de diretores, compositores e apaixonados da Portela, mas todos relevavam, pois não se discute os meios de se colocar o feijão no prato.

Leia também:  Domingueira GGN: Cláudio Jorge, vencedor do Grammy Latino

mas quando, em parceria com Hermínio Bello de Carvalho, Paulinho compôs “Sei Lá, Mangueira”, o caldo entornou, pois a rapaziada passou a cobrar-lhe quando, ora bolas, faria uma canção para a sua escola, ao que, muito tímido e sem graça, respondeu o que, a princípio, pareceu uma desculpa vã: “Pra Portela tem que ser especial. Uma hora, vem”.

em 1970, Paulinho lançou seu segundo álbum solo, cujo título era o nome da canção gravada na sexta e última faixa do Lado A, inspirada em sua primeira experiência com a Portela.

quando as escolas ainda desfilavam na Praça XI, Paulinho era menino, já apaixonado por samba, mas, pequenino, não conseguia assistir aos desfiles, com o que agachou-se e esgueirou-se entre quadris até encontrar um ponto que lhe desse boa visibilidade, e a primeira visão que teve foi a daquele azul cujo impacto, já homem feito e compositor, cunhou com a figura de linguagem eternizada no verso e título da canção: “Foi um Rio que Passou em Minha Vida”.

a canção não foi o samba-enredo da Portela naquele ano, mas foi ela que, na concentração e na dispersão do desfile, todos cantaram sem parar.

ele disse que tinha de ser especial, e foi mesmo.

o nome do documentário foi pinçado de uma frase que Paulinho diz em dado momento: “Meu tempo é hoje, eu não vivo no passado, o passado vive em mim”.

já as suas canções, estas são compostas para o sempre.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Feliz aniversário Paulinho
    Finalmente tive o prazer imenso de ver, pela primeira vez, a apresentação de Paulinho da Viola em S.P no mês agosto deste ano.Super show.

    Parabéns Paulinho.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome