A preocupação de Bolsonaro: se reeleger

Alta da inflação e consequente descontentamento da população leva equipe de assessoria a acender alerta no Palácio do Planalto

Jair Bolsonaro visita o Curso de Gestão Integrada em Inteligência 2020 Foto: Marcos Corrêa/PR (via fotospublicas.com)

Jornal GGN – O Brasil está em meio a uma segunda onda de covid-19, com hospitais lotados e sérios problemas econômicos, mas a principal preocupação da equipe do presidente Jair Bolsonaro está em garantir a popularidade para obter a reeleição nas eleições de 2022.

Como explica o jornal Correio Braziliense, a disparada dos índices de inflação acendeu o alerta dentro do Palácio do Planalto, tendo em vista o aumento de quase 16% em 12 meses no preço dos alimentos e o descontentamento da população com o aumento do custo de vida (mensurados via pesquisas internas pela equipe que assessora Bolsonaro).

Dentre as queixas ouvidas, está a retirada de itens essenciais das compras mensais – como a redução na compra de arroz, feijão, carnes e óleo de soja. Segundo um assessor presidencial, “as pessoas estão se sentindo desprotegidas, sobretudo, as mais pobres, que, agora, ficarão sem o auxílio emergencial, que acaba neste mês”, acrescenta. O recente reajuste das tarifas de energia elétrica é outro ponto de alerta.

A aposta de Bolsonaro para garantir sua reeleição depende das promessas feitas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, de que a disparada do índice de preços é temporária – o que, na visão de um integrante do Planalto, “está durando demais”.

 

Leia Também
A hora de dizer basta, por Dilma Rousseff
A destruição da política científico-tecnológica pelo governo Bolsonaro
Lira promete ao PT barrar lavajatismo e pauta de costumes de Bolsonaro
Governo zera imposto de importação de armas
A Transparência Internacional e o maná da anticorrupção

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. O problema é que a má índole, aliada a sua psicopatia o leva a subverter atos, manipular ou ocultar números e isto é comungado pelas centenas de assistentes que recebem para manipular, mentir e fakear. Estas coisas podem diminuir se ir cortando também as asas dos assemelhados bolsonaristas na vida externa e principalmente mexendo onde pesa nelas: dinheiro e fama. Se os toscos perderem a fama e voz, o bolsonarismo (de fato a estupidez) pode ao menos parar de recrudescer.

    Criciúma: MP pede R$ 200 mil a afiliada da Globo por piadas sobre assalto

    A dupla comparou a ação dos assaltantes do caso com a de outros que fazem roubos menores pelas ruas de cidades ao redor do país, apontando que eles foram mais “respeitosos” com seus reféns e apresentaram uma “lógica” para as suas ações…

    Os comentários fizeram seis marcas cancelar o patrocínio ao programa: Unicred, Biscoitos Zezé, Santa Clara, Salton, Sebrae-RS e Shopping Total. Além dessas, outras cinco empresas pararam de anunciar nos veículos do grupo RBS: Bazka Pizzaria, Clínica Alfamen, Hospital Ernesto Dornelles, Sinoscar e Uniritter..

    https://tvefamosos.uol.com.br/noticias/redacao/2020/12/09/criciuma-mp-pede-r-200-mil-a-afiliada-da-globo-por-piadas-sobre-assalto.htm

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome