A voz do Exército no Eblog, comentário de Roberto S.Paulo

Ressalta-se, ainda, a necessidade das nações buscarem soluções que aliem isolamento social com a não destruição da sua economia ou que evite falta de abastecimento para a sua população.

Por Roberto S.Paulo
comentário no post Xadrez do novo período, em que Bolsonaro não mais governa, por Luis Nassif

Nota-se que quase todos os países estão enfrentando a pandemia com a diminuição da circulação de pessoas nas ruas das cidades, já que a doença é altamente transmissível e invisível, permanecendo dias em uma pessoa assintomática, mas com capacidade de disseminação para outras ao seu redor.

Ressalta-se, ainda, a necessidade das nações buscarem soluções que aliem isolamento social com a não destruição da sua economia ou que evite falta de abastecimento para a sua população.

Todos os países que se encontram no enfrentamento do vírus estão empregando as suas Forças Armadas para ajudar na crise com vistas a realizar o controle da transmissão. No Brasil, essa assertiva não será diferente. As Forças Armadas, particularmente o Exército Brasileiro, não se furtarão, mais uma vez, em ajudar a nação neste momento de crise. A expertise em lidar com problemas inéditos e complexos demonstra a capacidade técnica-profissional da Instituição em participar do processo de combate ao vírus.—–
O Exército Brasileiro no combate à proliferação da COVID-19 (http://eblog.eb.mil.br/index.php/menu-easyblog/o-exercito-brasileiro-no-combate-a-proliferacao-da-covid-19.html)
Sociedade Ciência e Tecnologia Geral—TC Maurício José Lopes de Oliveira—-Quarta, 25 Março 2020

O coronavírus é uma família de vírus que causa infecções respiratórias. A doença, chamada de COVID-19, surgiu na China no final do ano passado e se alastrou por todo o mundo, provocando mortes e incertezas para os cientistas e profissionais de saúde de países mais desenvolvidos na área da Medicina como EUA, França, Israel, China e Alemanha.

Leia também:  "Matadora de Coronavírus": Como uma ministra indiana controlou a pandemia

A Organização Mundial da Saúde (OMS) caracterizou o evento como pandemia pelo fato da doença estar amplamente disseminada em todos os continentes atualmente. É uma doença sem precedentes para a qual o mundo enfrenta o desafio de encontrar um remédio ou uma vacina de forma a reduzir o isolamento social tão necessário para se evitar um grande número de pessoas doentes, o que causaria colapso do sistema de saúde de qualquer país.

Países como Itália, Espanha e França estão no ápice da crise epidemiológica e apresentam saturação em seus sistemas de saúde, já que a Europa é o centro da pandemia nos dias atuais. Já o Brasil vem aprendendo com as lições ocorridas nos primeiros países que sofreram com a doença como China, Coréia do Sul e a própria Itália.

Nota-se que quase todos os países estão enfrentando a pandemia com a diminuição da circulação de pessoas nas ruas das cidades, já que a doença é altamente transmissível e invisível, permanecendo dias em uma pessoa assintomática, mas com capacidade de disseminação para outras ao seu redor.

Ressalta-se, ainda, a necessidade das nações buscarem soluções que aliem isolamento social com a não destruição da sua economia ou que evite falta de abastecimento para a sua população.

Todos os países que se encontram no enfrentamento do vírus estão empregando as suas Forças Armadas para ajudar na crise com vistas a realizar o controle da transmissão. No Brasil, essa assertiva não será diferente. As Forças Armadas, particularmente o Exército Brasileiro, não se furtarão, mais uma vez, em ajudar a nação neste momento de crise. A expertise em lidar com problemas inéditos e complexos demonstra a capacidade técnica-profissional da Instituição em participar do processo de combate ao vírus.

Leia também:  MPF cobra acesso garantido do Piauí à tratamento com hidroxicloroquina

Algumas decisões no Ministério da Defesa e no Exército Brasileiro, como a emissão de Diretrizes iniciais para a prevenção à doença e normatização de protocolos de ações, já foram realizadas e estão em prática. Essas normas foram fundamentais para a proteção do militar e de seus familiares, sendo práticas em consonância com as orientações emanadas pelo Ministério da Saúde.

A Portaria n º 334, de 20 de Março de 2020, do Comandante do Exército, designou os Comandantes dos Comandos Conjuntos da Operação COVID-19, o que facilitará o comando e controle das missões específicas a serem realizadas nas áreas de atuação preestabelecidas. Uma série de missões poderá ser solicitada por órgãos do Poder Executivo, Legislativo ou Judiciário, por intermédio do Ministério da Defesa, como a ajuda aos órgãos de segurança públicas locais; a montagem e operação de hospitais de campanha, a descontaminação de locais e materiais, o controle da circulação de pessoas nas ruas; o apoio na área médica e científica; o estudo de pesquisa conjunta com outros órgãos e a fabricação de medicamentos para um tratamento eficaz; a Garantia da Lei e da Ordem em grandes centros urbanos; a ajuda em campanhas de doação de sangue; a possível distribuição de medicamentos ou ajuda em futuras campanhas de vacinação; a garantia no abastecimento de itens básicos para a população, dentre outras.

Percebe-se que o desafio será imenso, porém a tenacidade do Soldado de Caxias está pronta a manter a esperança da população brasileira e, com perseverança e responsabilidade, ajudará o Brasil a vencer o obstáculo que ora se apresenta. A presença de pessoal especializado e capacitado será fator de sucesso nas missões que se apresentarão. O Soldado Brasileiro será valente e incansável nesta empreitada, comunicando os valores e as tradições do nosso Exército.

Leia também:  Quarentena faz taxa de reprodução do coronavírus no Brasil cair de 3,5 para 1,4

Por fim, o sucesso do País no enfrentamento da doença passará pela participação efetiva das Forças Armadas e particularmente do Exército Brasileiro nas missões que se apresentarão.

Brasil Acima de Tudo!

http://eblog.eb.mil.br/index.php/menu-easyblog/o-exercito-brasileiro-no-combate-a-proliferacao-da-covid-19.html

1 Introdução

1.1 O EBlog, criado em 14 de agosto de 2013, é o blog oficial do Exército Brasileiro, gerenciado pela Agência Verde-Oliva, setor do Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx) que tem como missão divulgar temas de interesse da Força junto à Sociedade. Considerado importante canal de relacionamento com a sociedade, o EBlog integra a rede de mídias sociais da Força, buscando contribuir para o compartilhamento e o debate de ideias, informações e conhecimentos. Além disso, valoriza a interatividade e a atuação democrática, visando ao enriquecimento dos assuntos postados.

2 Linha Editorial

2.1 O EBlog, primeiro site do gênero, valoriza os assuntos de Defesa e Segurança e outros temas de interesse nacional. Os artigos devem ter até mil palavras, apresentar caráter reflexivo, persuasivo, atrativo e impessoal, bem como estimular a leitura e a participação dos internautas.
http://eblog.eb.mil.br/index.php/termos-de-uso.html

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Essa milicaiada que soube sentar fardada na plateia do STF para pressionar os ministros com decisões que impediram o presidente Lula,líder absoluto em todas as pesquisas,de participar do processo eleitoral de 2018,vem agora falar em ajuda.
    Que ajuda essa gente pode dar? Ainda encerram com o slogan de campanha do sujeito que está dizendo que tudo isso é uma gripezinha? É muita cara de pau.
    Provavelmente não terão competência ou coragem nem para recolher os corpos dos mortos.
    Só falam grosso com os fracos,oprimidos e desarmados.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome