Banco do Brasil mantém anúncios em site acusado de fake news

Recuo da instituição ocorreu após intervenção de Carlos Bolsonaro e do secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten

Jornal GGN – O Banco do Brasil anunciou que voltou atrás de decisão tomada na última quarta-feira, e voltou a anunciar em um site acusado de compartilhar notícias falsas.

O cancelamento havia sido feito após iniciativa do Sleeping Giants Brasil, perfil criado na última segunda-feira com o objetivo de impedir a monetização de sites apontados como “racistas ou de fake news”, com base em movimento semelhante que teve início nos Estados Unidos em 2016.

Na última terça-feira, a página cobrou a instituição financeira por anunciar no site “Jornal da Cidade Online”, que inclusive foi classificado pelo site “Aos Fatos” como “rede articulada de desinformação”. Após a publicação do Sleeping Giants, o jornal publicou texto se dizendo vítima de um ataque “obviamente orquestrado”, além de divulgar uma página chamada “Antiboicote”, que busca boicotar as empresas que deixarem de anunciar nas páginas criticadas pelo Sleeping Giants.

Depois de retirar os anúncios e declarar nas redes sociais que “repudiam qualquer disseminação de fake news”, o banco recuou após a intervenção de Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), vereador e filho do presidente Jair Bolsonaro.

O projeto Sleeping Giants também foi alvo de críticas do chefe da Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência, Fabio Wajngarten, afirmando que o perfil “precisa urgentemente deixar o viés ideológico de lado na hora de fazer suas supostas denúncias”.

(com informações do jornal O Globo)

Leia também:  Generais do governo são contra indicação de militar para Ministério da Saúde

 

Leia Também
Conservadores tentam contra-atacar projeto Sleeping Giants
Movimento que “quebrou” site de Steve Bannon chega ao Brasil, mirando a extrema-direita
Escândalo à vista: SECOM promete ajudar sites de fake news a superar queda em publicidade
A vida pregressa de Moro: GGN investiga a trajetória do ex-juiz com ajuda de leitores

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Com a CPI das fake news isto não ocorre no momento perfeito?
    Uma empresa com ações na bolsa não deve ter nenhum profissionalismo? Pode agir como aquelas micro empresas familiares?
    Os membros da CPI não podem provar descumprimento de regras, solicitar que o BB abra processo disciplinar e denunciar no MP? Uma empresa pública pode anunciar em empresa com inúmeras denúncias e 3 condenações por fakenews?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome