Brasil usa criptografia de empresa que foi controlada pela CIA

Por décadas, agentes americanos e alemães tinham acesso a informações estratégicas trocadas por autoridades em 120 países

Jornal GGN – Uma empresa suíça de criptografia forneceu a 120 países aparelhos de comunicação secreta durante décadas, mas nunca revelou sua ligação com a CIA – ou seja: enquanto chefes de estado e outras autoridades trocavam mensagens estratégicas em sigilo, na verdade eles eram espionados por agentes norte-americanos ou alemães.

Reportagem publicada no jornal O Globo a partir de documentos descobertos por pesquisadores mostram a Marinha, o Exército e o Itamaraty como clientes da empresa Crypto AG. Na década de 50 a dezembro de 2019 (um ano depois da Crypto AG mudar de proprietários), órgãos de Estado do Brasil pagaram por equipamentos e serviços de comunicação secreta de uma empresa que era, na realidade, controlada por serviços de inteligência dos Estados Unidos durante décadas.

A maioria das denúncias contra a Crypto AG foi publicada em fevereiro deste ano no jornal norte-americano Washington Post por Greg Miller, correspondente de segurança nacional do jornal, em parceria com a TV alemã ZDF.

Com base em um relatório da CIA, o jornalista mostra como estas agências, desde os anos 1950 (e com mais intensidade na década de 1970), em parceria como a Agência de Segurança Nacional (NSA), inseriram falhas ocultas nos códigos dos dispositivos para conseguirem ler mensagens criptografadas, ao mesmo tempo em que vendiam os aparelhos mundo afora.

Entre 2014 e 2019, o Brasil comprou produtos dessa empresa para equipar os submarinos do programa Prosub, apontado pela Marinha como “um dos maiores contratos internacionais já feitos pelo Brasil e o maior programa de capacitação industrial e tecnológica na história da indústria da defesa brasileira”, mas que pode estar vulnerável à interceptação dos Estados Unidos por conta da corrupção proposital dos dispositivos de comunicação.

Leia também:  GGN Brasil: em São Paulo dados são menos dramáticos do que pareciam

 

 

Leia Também
Xadrez dos arquivos da Lava Jato e a segunda morte do mito Moro
Em artigo, ombudsman da Folha destaca força do debate racial
Quintas-Feiras Brancas, por Fernando Nogueira da Costa
Silvio Almeida, o intelectual da era pós-Bolsonaro
Tiririca, palhaço e deputado, versus tiriricão (Cyperus haspans), erva daninha, por Sebastião Nunes

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Agora vai ficando mais claro porque, com tanto controle, espionagem e interferência nos demais países, ainda assim, a nação mais corrupta e corrompida do planeta, vai logrando a sua ruína a cada dia. O grave é que, com a arrogância que alimentou em sua elite, dificilmente vão assumir e aceitar sua derrocada na saúde, economia e questões sociais internas, sem querer também levar o mundo para a miséria.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome