Caminhoneiros confirmam greve por tempo indeterminado

Paralisação terá início nesta segunda (01/02); categoria alega que situação atual está pior que a vista em 2018, quando setor votou em peso em Bolsonaro

Foto: Reprodução

Jornal GGN – Os caminhoneiros pretendem fazer uma nova paralisação por tempo indeterminado a partir desta segunda-feira (01/02). Entre as pautas, estão melhores condições de trabalho, direito à aposentadoria especial e os protestos contra o aumento do preço do combustível e o marco regulatório do transporte marítimo (BR do Mar).

A decisão do segmento em cruzar os braços foi tomada em 15 de dezembro de 2019, durante assembleia do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC). Embora a entidade reúna 40 mil caminhoneiros em São Paulo e conte com afiliados em outros estados, ainda não se sabe ao certo o tamanho da mobilização.

Segundo o site Congresso em Foco, a categoria realizou paralisação semelhante durante dez dias em 2018, durante o governo de Michel Temer, o que chegou a comprometer o abastecimento do país. Nas eleições realizadas naquele ano, a categoria votou em peso no atual presidente, Jair Bolsonaro.

O presidente do CNTRC, Plínio Dias, diz que a situação atual é “pior” do que a que gerou a mobilização em 2018. “As nossas pautas, que a gente trabalhou em 2018, a gente ganhou e não levou. O que funciona é só o eixo erguido do pedágio, pra não pagar. Todas as reivindicações de 2018 não vingaram, só uma, que é a do eixo erguido”, explicou, estimando que até 80% dos caminhoneiros integrem à mobilização, cuja duração depende diretamente de um acordo com os políticos.

Porém, um novo ponto inflamou a categoria: em artigo publicado no portal UOL, o jornalista Chico Dias explica que circula pelos grupos de WhatsApp da categoria um áudio em que o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, diz que não vai atender a nenhum item da pauta dos motoristas que anunciaram greve para amanhã.

Em conversa com um representante da categoria, Freitas diz que é impossível não só atender as reivindicações atuais, como também fiscalizar o cumprimento dos benefícios conquistados pelos caminhoneiros na greve de 2018.

 

Leia Também
Temendo greve dos caminhoneiros, Bolsonaro sinaliza corte de PIS/Cofins do óleo diesel
Brasileiro comeu mais carne no governo Lula, enquanto consumo sob Bolsonaro voltou aos anos 1990
Xadrez da entrada do país na era da ebulição, por Luis Nassif

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Todo ferro e todo chifre é pouco para essas aberrações ignorantes s ridículas que votaram como bovinos no pior dos piores assassinos, político de carreira corrupto e vagabundo, sociopata genocida abjeto, iletrado, estúpido, maníaco e doente mental.
    A culpa eh de vocês, agora aguentem! Assumam a culpa! Sejam homens!
    Comam da lixeira, lutem pela xepa da feira, vocês merecem!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome