Coaf responde de maneira “evasiva” sobre investigação contra Greenwald, afirma Bergamo

Segundo Monica Bergamo, havia desconfiança, por parte do TCU, de que a devassa nas contas do jornalista do Intercept fosse um balão de ensaio. Agora, advogados estão preocupados

Jornal GGN – É destaque na coluna da jornalista Mônica Bergamo, na Folha desta quarta (10), a informação de que o Coaf respondeu de maneira “evasiva” sobre a existência (ou não) de um inquérito que investiga as contas de Glenn Greenwald.

O jornalista do Intercept Brasil teria entrado na mira do órgão de fiscalização a pedido da Polícia Federal, subordinada a Sergio Moro. O ministro da Justiça de Bolsonaro é um dos abalados pela divulgação, pelo Intercept, de mensagens de Telegram que expõem a parcialidade da Lava Jato. Glenn vê a suposta investigação como retaliação e grave ameaça à liberdade de imprensa.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Segundo Bergamo, havia a desconfiança, por parte de ministro do Tribunal de Contas da União, de que a devassa feita pelo Coaf era apenas um balão de ensaio. O Coaf foi notificado pelo TCU para prestar esclarecimentos. E, agora, os advogados que tiveram acesso à resposta estão preocupados.

“O órgão respondeu a questionamentos do TCU. Mas foi genérico e não negou procedimentos contra ele [Glenn Greenwald]”, anotou Bergamo.

“As perguntas foram objetivas e as respostas foram evasivas, o que pode ser um indício forte de que a investigação de fato esteja ocorrendo, fora das funções originais do Coaf”, disse o tributarista Marco Aurélio de Carvalho, do grupo de apoio a Greenwald.

Leia também:  Piñera credita crise no Chile ao ‘mal-estar do sucesso’ e à intervenção de ‘governos externos’

O El País afirmou que seguiu as recomendações de Moro – que não confirma ação contra Glenn Greenwald – e entrou em contato com Coaf, pelo Ministério da Economia, e a Polícia Federal. Nenhuma das duas instituições confirmou ou negou procedimento de investigação mirando o jornalista.

Moro e a Lava Jato insistem que as mensagens divulgadas pelo Intercept são produto de crime de hacking e insinuam que Glenn Greenwald teria relação com isso.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Nassif,
    Este SMoro é o fim da picada, sujeito que vale tanto quanto uma cédula de sete dólares.
    Só não consigo compreender um indivíduo tosco como ele ter conseguido iludir tanta gente boa ao mesmo tempo, parece que ficaram inteiramente anestesiados, muitos deles sequer admitindo discussão sobre o caráter e propósitos do camarada escalado para acabar com a corrupção neste país, o super-homem, o justiceiro etc… e tal.
    Até um mês atrás, nunca apareceram imagens do fulano com fisionomia carregada, era sempre aquele ar de alegria e satisfação pelo dever cumprido rsrs, e só agora está sendo possível ver o verdadeiro cidadão super-ministro, que não passa de um pilantra de quinta categoria.
    Com este modo de pensar que está sendo praticado pela maior parte da sociedade brasileira, por exemplo, como explicar tanta gente “pela metade”, cujos parentes abaixo dos 30 anos não terão direito a uma aposentadoria no final da vida, são capazes de defender esta triste reforma da Previdência ?
    Agora, resta acompanhar e torcer para que este STF, que consegue ainda não ver nada de mais no áudio, material do Intercept, etc…, os variados “departamentos” do Judiciário, mídia (ainda em cima do muro) cumpram o papel que lhes cabe. Quanto ao justiceiro safado, que se mude pra Washington e fique por lá.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome