Corregedoria do MPF abre sindicância sobre irregularidades na Lava Jato

A apuração terá prazo de 30 dias, podendo ser prorrogada. Foi designada a subprocuradora-geral Raquel Branquinho para conduzir os trabalhos, diz jornal

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – A Corregedoria do Ministério Público Federal abriu na semana passada uma sindicância para apurar irregularidades na distribuição de processos entre as forças-tarefas da Lava Jato em Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro.

De acordo com a portaria assinada na quinta-feira (30) pela corregedora-geral do MPF, Elizeta Ramos, a investigação terá prazo de 30 dias e será conduzida pela subprocuradora-geral Raquel Branquinho, uma das auxiliares mais próximas de Raquel Dodge, antecessora de Augusto Aras no comando da Procuradoria-Geral da República.

Branquinho “coordenou o grupo de trabalho da Lava Jato na gestão Dodge e retornou ao GT no início deste ano a convite de Aras”, anotou a Folha desta terça (4).

Ainda segundo o jornal, a sindicância “ocorre após o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques, ter enviado à Corregedoria-Geral do MPF, no mês passado, um pedido para que fosse instaurada investigação interna para rastrear a existência de 50 mil procedimentos considerados ‘invisíveis’ pela atual gestão da PGR.”

“São, segundo Humberto Jacques, investigações, negociações de acordos de delação premiada e outros procedimentos cadastrados no Único, o sistema eletrônico do MPF, mas que apresentaram restrições de visibilidade.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  GGN Covid Brasil: SP tem 4 regiões entre 10 mais em casos per capita

2 comentários

  1. Como faria o inesquecível Paulo Henrique Amorim: quá, quá, quá, quá . . . Não dará em nada, como sempre.
    Aliás, dará no arquivamento. Alguém duvida?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome