Flávio Bolsonaro sabia de operação da PF contra Queiroz, diz empresário

Em entrevista, Paulo Marinho disse que o filho do presidente lhe fez tal revelação em 2018; medida levou à demissão do assessor

Fabrício Queiroz (esq.) e o hoje senador Flávio Bolsonaro. Foto: Reprodução

Jornal GGN – O empresário fluminense Paulo Marinho afirma que o hoje senador Flávio Bolsonaro soube com antecedência da Operação Furna da Onça, que atingiu seu assessor Fabrício Queiroz.

A afirmação foi feita pelo próprio Marinho, em entrevista à jornalista Monica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo. Após a campanha presidencial que marcou a eleição de Jair Bolsonaro e a vitória de Flávio ao Senado, o filho do presidente procurou Marinho – um dos principais apoiadores da candidatura bolsonarista – em busca da indicação de um advogado criminal.

A busca era decorrente das sucessivas manchetes envolvendo Queiroz, que era funcionário de Flávio no gabinete do então deputado na Assembleia Legislativa do Rio, devido ao esquema de “rachadinhas” e desvio de dinheiro público. Temendo o impacto para o governo do pai, Flávio buscava se defender.

Segundo o empresário, Flávio disse que soube da Operação da PF entre o primeiro e o segundo turnos das eleições, por meio de um delegado da Polícia Federal simpatizante da candidatura de Jair Bolsonaro. Além disso, os policiais seguraram a operação (então sigilosa) para que não ocorresse no meio do segundo turno, o que poderia afetar a candidatura de Bolsonaro.

O delegado também recomendou a Flávio Bolsonaro que Queiroz e a filha dele – que trabalhava no gabinete de Jair Bolsonaro em Brasília – fossem desligados de seus cargos.

Pré-candidato à prefeitura do Rio de Janeiro pelo PSDB, Marinho diz ainda que Flávio Bolsonaro mantinha contato indireto com Queiroz por meio de um advogado de seu gabinete.

 

Leia também:  Clipping do dia
Leia Também
Ao contrário da Lava Jato, MP-RJ segurou dados contra os Bolsonaro até passar a eleição
Oficial de justiça comunica Bolsonaro sobre processo de impeachment
Em troca de apoio, Bolsonaro renomeia Carlos Marun ao conselho de Itaipu
GGN prepara dossiê sobre trajetória de Sergio Moro. Saiba como apoiar

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. A polícia federal se transformou em uma força policial política (análoga à Gestapo), que ignora a presunção de inocência e faz prisões arbitrárias maciças para fins de enriquecimento (lavagem de dinheiro) ou para fins políticos. Em muitos países, a polícia federal brasileira é considerada uma organização semi-terrorista (significando terrorismo de estado). A PF conseguiu isso graças a uma completa falta de controle da sociedade civil. Você ainda acha que a PF deve ser completamente independente e descontrolada?
    A intervenção nos processos inconstitucionais que ocorrem na PF é absolutamente necessária para acabar com a repressão ilegal e a impunidade dos agentes policiais.
    Mas essa intervenção não deve ser realizada por uma pessoa (mesmo que ele seja o presidente), mas por um órgão colegial independente, controlado pelo parlamento e que não faz parte da própria PF. Além disso, ações que possam violar os direitos humanos (prisões, quebra de confidencialidade, acusações oficiais) devem ser monitoradas, mas não o processo de investigação (uma vez que a curiosidade não é um crime).
    Seja cuidadoso ! A PF está usando o escândalo Bolsonaro para fortalecer sua falta de controle e impunidade, a fim de ganhar poder ilimitado sobre o país!
    Usar o escândalo com interferência presidencial para promover a imunidade da PF é como criticar Hitler por restringir a liberdade de ação da Gestapo.

  2. Não vale a pena fazer nenhum comentário sobre o ocupante da cadeira da presidência da República e,menos ainda,de sua prole degenerada.
    Contudo,em relação ao post,cabe uma observação: O cuidado que se tem ao referir-se a bandidos ricos.
    Esse sujeito, golpista de primeira hora,que foi “casado” com uma global,também golpista, e recebedora de uma pensãozinha por ser filha de milico ,Que acaba tornando-se um réu confesso,Aqui é tratado carinhosamente como empresário.
    Não tenho certeza mas acredito que,para fazer parte do ninho dos bicudos emplumados, seja necessário fazer um teste de escrotidão e hipocrisia em nível avançado, coisa que parece esse sujeito alcançou com louvor.
    Essa gente,sempre fina e educada,não difere em nada dessa escumalha que está fingindo que governa o país e,por isso saíram juntinhos e agarrados desde o golpe.
    Queriam acabar com o país e conseguiram.
    Agora quando além dos anéis começam a querer levar também os dedos,arrepiam suas penas como se não tivessem nada a ver com isso.
    O sujeito que ocupa a presidência da República pode nunca ter dito um obrigado e fez muito bem. Capacho existe que é para ser pisado.
    Esse sujeito, com essa entrevista torna-se mais um réu confesso.
    Mas é muito pouco. Para essa gente sempre faltam as convicções, essas sim,a verdadeira arma para fazer a justiça.

  3. E Moro não sabia nada disso ??? ele que fez tudo ao seu alcance para impedir a candidatura de Lula ? e que levou para a direção da PF seus amigo e cúmplices da chamada República de Curitiba ? …

  4. O encontro na frente da PF ocorreu no próprio dia 15/10/18, uma segunda-feira. Tudo indica que foi pela manhã. Para saber quem é o delegado informante, basta recuperar as imagens das câmeras de monitoramento da própria PF e/ou dos arredores. Na revitalizada Praça Mauá tem N câmeras, alguma delas alcança a calçada em frente à PF.

    Na PF devem ter ao menos 3 câmeras com as mesmas imagens (a da portaria/fontal e as câmeras das laterais do prédio, que registram o movimento na rua). Na Praça Mauá, revitalizada, tem muitas câmeras de monitoramento e seguramente alguma alcança a calçada do encontro. Também temos os outros prédios nos arredores. A vantagem dessas ultimas é que não depende da boa vontade da PF…

    A informação recebida e a ordem de exoneração que se seguiu foi articulada no próprio dia 15. Eu apostaria o encontro na calçada ocorreu pela manhã, provavelmente entre 10:00hs e 12:00hs.

    Isso porque a publicação da exoneração do Fabrício Queiroz ocorreu no dia 16/10 pela Câmara Estadual (aqui, na página 8: http://www.ioerj.com.br/portal/modules/conteudoonline/mostra_edicao.php?session=VFhwT1JFMTZRVEZPYTFGMFRsUkJkMDlETURCU1ZWcEVURlJyZDA1VVRYUlNSRnBDVWxWU1EwNVVSWGhOVlZrMFRWUlZORTlVWTNsTmFrRjNUa0U5UFE9PQ== )

    Já a exoneração da Natália, filha do Queiroz, do Gabinete do então deputado Federal Jair Bolsonaro foi publicada dia 17/10 (aqui, na página 47: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=17/10/2018&jornal=529&pagina=47&totalArquivos=55 )

  5. Eu cá pensando, um senador da republica, ser alvo de acusações desta magnitude, e não rolar nem um processozinho? Pombas, advogados não irão faltar. Papai pode até dar uma mãozinha.

  6. PMarinho conviveu com a quadrilha bolsonaro por tempo suficiente para compreender cada um deles.
    É praticamente certo que a quadrilha, como de hábito, depois de ter atingido o objetivo principal foi largando um a um dos seus colaboradores pela beira da estrada, atitude que pode ser considerada como o símbolo desta família que, se não deixasse tantas pegas por onde passa, pareceria membro da ndrangheta.
    Depois, ainda tem quem não compreenda o interesse explícito de papai jair pela PF do RJ, só mesmo um bando de fanáticos nazifascistas é capaz de acreditar neste mito às avessas, uma vergonha imensurável pra a sociedade brasileira.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome