Gabrielli: “Minha aposentadoria é resultado de 36 anos na UFBa, não tem a ver com Petrobras”

Jornal GGN – O ex-presidente da Petrobras Sergio Gabrielli afirmou nesta quarta (25) que vai recorrer da decisão da Controladoria-Geral da União, que decidiu cassar sua aposentadoria alegando desvios disciplinares na estatal. Em nota, ele chamou a medida de “perseguição política” por parte do governo Bolsonaro.

“Vou recorrer à Justiça contra esta absurda decisão de perseguição política. Minha aposentadoria é resultado de 36 anos e dois meses de vínculo com a UFBa [Universidade Federal da Bahia] e portanto não tem nada a ver com a Petrobras”, afirmou.

Gabrilli é investigado pelo Tribunal de Contas da União. Na Lava Jato, não teve nenhuma condenação criminal. Apesar disso, a CGU publicou a cassação de sua aposentadoria no Diário Oficial da União. A medida é uma “condenação de morte econômica” para o ex-dirigente.

“A minha aposentadoria da UFBa é minha ÚNICA fonte de renda e portanto está absurda decisão da CGU é a condenação à morte econômica. Vou lutar até o limite pelos meus direitos”, escreveu.

“Em relação aos fatos relacionados com a empresa não há qualquer indiciamento criminal e as investigações no âmbito do TCU são ainda investigações sem conclusões”, finalizou.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. Hoje foi a aposentadoria do Gabrielli.
    Para mim é apenas um teste desde governo cruel e criminoso.
    Se isto passar sem maiores recriminações e indignações amanhã serão todas as aposentadorias acima de determinado valor(um salário mínimo por exemplo) que estarão em risco.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome