“Moro, você tem 27 Superintendências, eu quero apenas a do Rio”

Vacilante, Moro acrescentou que Bolsonaro jamais lhe pediu acesso a inquéritos em andamento, até porque o ex-ministro afirma não ter como ajudar nisso

Jornal GGN – No depoimento recheado de convicções e atos indeterminados contra Jair Bolsonaro, Sergio Moro apresentou uma mensagem no WhatsApp enviada pelo presidente. Ela dizia: “Moro você tem 27 Superintendências, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro.”

A mensagem, na visão do ex-juiz, ilustra as intenções de Bolsonaro em interferir politicamente em cargos estratégicos da Polícia Federal (diretoria-geral e superintendências estaduais) para possivelmente ter acesso a informações privilegiadas.

Apesar da cartada, Moro evitou incriminar expressamente o ex-patrão no depoimento concedido à PF e à Procuradoria-Geral da República. Disse que cabe às instituições competentes identificar tipos penais nos relatos de sua experiência como ministro da Justiça.

Vacilante, Moro acrescentou que Bolsonaro jamais lhe pediu acesso a inquéritos em andamento, até porque o ex-ministro afirma não ter como ajudar nisso.

Confira abaixo os trechos selecionados pelo GGN:

QUE no começo de março de 2020, estava em Washington, em missão oficial com o Dr. VALEIXO;

QUE recebeu mensagem pelo aplicativo Whatsapp do Presidente da República, solicitando, novamente, a substituição do Superintendente do Rio de Janeiro, agora CARLOS HENRIQUE;

QUE a mensagem tinha, mais ou menos o seguinte teor: “Moro você tem 27 Superintendências, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro”;

QUE esclarece que não nomeou e não era consultado sobre as escolhas dos Superintendentes; QUE essa escolha cabia, exclusivamente, à Direção Geral da Polícia Federal;

QUE nem mesmo indicou o Superintendente da Polícia Federal do Paraná;

QUE os motivos para essa solicitação entende que devem ser indagados ao Presidente da República; QUE falou sobre a solicitação de troca do Diretor VALEIXO, ainda em Washington;

QUE até aventaram a possibilidade de atender ao Presidente para evitar uma crise

QUE o Diretor VALEIXO declarou que estava cansado da pressão para a sua substituição e para a troca do SR/RJ; QUE por esse motivo e também para evitar conflito entre o Presidente e o Ministro o Diretor VALEIXO disse que concordaria em sair;

QUE nesse momento não havia nenhuma solicitação sobre interferência ou informação de inquéritos que tramitavam no Rio de Janeiro;

QUE, por esse motivo, o Declarante, apesar da resistência, cogitou aceitar as trocas, desde que o substituto do Diretor Geral fosse de sua escolha técnica e pessoa não tão próxima ao presidente

QUE, certa feita, provavelmente, no mês de março o PR passou a reclamar da indicação da Superintendente de Pernambuco;

QUE essas reclamações sobre o superintendente no Estado de Pernambuco não ocorreram anteriormente

(…)

QUE o Declarante perguntado se as trocas solicitadas estavam relacionadas à deflagração de operações policiais contra pessoas próximas ao Presidente ou ao seu grupo político disse que desconhece, mas observa que não tinha acesso às investigações enquanto ainda evoluíam;

QUE crescendo as pressões para as substituições, o Presidente lhe relatou verbalmente no Palácio do Planalto que precisava de pessoas de sua confiança, para que pudesse interagir, telefonar e obter relatórios de inteligência

Confira a íntegra do depoimento aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Secretária de Saúde do Amazonas é presa por desvio de verbas públicas na pandemia

7 comentários

  1. Só quer a do RJ pois a ficha corrida das maracutaias da família e associados são lá. Isto a gente já sabe. O que precisa é de uma vazamoro, já que o ex-juiz não é confiável nem para a turma dele.

  2. É um absurdo o ocupante do cargo de presidente da república querer uma superintendência.
    Absurdo maior é o camisa preta do Paraná ter todas.
    Não fosse a mídia golpista e todos deveriam saber que PF não é de A nem de B. A PF é do Estado.
    Ocorre que,acostumados com as informações da mídia golpista, parte da população discute hoje esse falso dilema de quem deveria interferir no quê.
    Quando falamos em fogo no parquinho é a mais pura realidade.
    Esses atos seriam muito pertinentes entre as crianças mimadas e não entre agentes públicos.

  3. Vejamos o que que o Rio tem.
    Tem Val do Açaí?
    Tem.
    Tem rachadinha?
    Tem.
    Tem miliciano?
    Tem.
    Tem um monte de imóveis de milicianos?
    Tem.
    Tem contrabando de armas passando pelo Porto de Itaguaí?
    Tem.
    Tem assassinato de Marielle e Anderson?
    Tem.
    Tem Flavinho e Carluxo?
    Tem.
    Tem o Mistério da Casa 58?
    Tem.
    Tem superintendente da PF escolhido pela Familícia?
    Não tinha mas agora tem.

  4. Vejamos o que que o Rio de Janeiro tem.
    Tem Val do Açaí?
    Tem.
    Tem rachadinha?
    Tem.
    Tem miliciano?
    Tem.
    Tem um monte de imóveis de milicianos?
    Tem.
    Tem contrabando de armas passando pelo Porto de Itaguaí?
    Tem.
    Tem assassinato de Marielle e Anderson?
    Tem.
    Tem Flavinho e Carluxo?
    Tem.
    Tem o Mistério da Casa 58?
    Tem.
    Tem superintendente da PF escolhido pela Familícia?
    Não tinha mas agora tem.

  5. Antes vigorava o brocardo latino:
    “Fiat justitia, pereat mundus”.

    Mas agora os tempos são outros. Agora, aceita-se a injustiça, as urregularidades, os esquemas pútridos e as maracutaias a fim de que evitar crises

    “QUE até aventaram a possibilidade de atender ao Presidente para evitar uma crise”. – $érgio Moro

    O que o $érgio Moro não aceitaria fazer a fim de evitar uma crise?

  6. Pensa nuns troços desses brigando encarniçadamente por organelas enquanto o Covid vai abatendo pessoas e um grupo de extra-terrestre de um distante sistema solar está desfalcando sensivelmente a nossa atmosfera a fim de tornar Marte um posto avançado de sua civilização e uma colônia sideral modelo
    Por causa da cortina de fumaça que eles estão provocando, eu ainda não vi nenhuma Aquarida. Tá tudo embaçado. E o doido foi ceifado pela Covid. Ora mim ele tá vivo e feliz, sempre na luta
    Valeu, Hermano

  7. O $érgio Moro conseguiu demover o Presidente Bozo de remover o Valeixo da DG da PF e, dessa forma, impediu a interferência política do Presidente na PF, órgão de estado, não de governo.

    Na segunda tentativa, entretanto, embora o Moro tenha deixado implícito que se o Bozo desistisse de substituir o Diretor Geral da PF, ele, Moro, não sairia do governo e, portanto, não seria obrigado a falar a verdade, ele não conseguiu mais demover o Bolsoburro de substituir o Valeixo por alguém com quem ele possa obter informações privilegiadas.

    O declarante/depoente $érgio Moro afirma que declarou ao Bolsonaro os motivos pelos quais não podia aceitar a substituição e também declarou que sairia do governo e seria obrigado a falar a verdade.
    Tô mentindo?

    O Moro afurmou que o Bozo cometeu falsidade ideológica, não que ele praticou crime.
    Se ele visse o Bolsonaro estuprando uma criança, ele sairia do governo e seria obrigado a falar a verdade, ou seja, ele não diria que o Bolsonaro cometeu um crime, mas que estuprou uma criança.
    Dois ratos brigando por poder e dinheiro

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome