O perigo de uma reeleição de Trump, por Martin Wolf

Caso presidente seja reeleito nos Estados Unidos, a ideia do Ocidente como uma aliança com bases morais poderá se evaporar

Jornal GGN – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, conseguiu se livrar do impeachment com o esperado partidarismo dos republicanos no Senado, que acabaram abandonando o papel posto a eles pela Constituição norte-americana.

Agora, eles remeteram a decisão aos eleitores na disputa em novembro – e Trump tem ao seu lado apoiadores apaixonados, um partido unido, o colégio eleitoral e uma economia considerada saudável, o que torna sua reeleição provável.

Em artigo publicado no jornal Folha de São Paulo, Martin Wolf, comentarista-chefe de economia do jornal Financial Times, diz que a economia poderá ser o motivo mais claro para Trump vencer a eleição. “Como salientou Joseph Stiglitz, o economista prêmio Nobel, o desempenho dos EUA continua fraco pelos padrões de seus pares em aspectos importantes, notadamente a expectativa de vida, índices de emprego e desigualdade. Além disso, a produção, o emprego, o desemprego e os salários reais são tendências pós-crise que continuam de modo geral”.

Contudo, a implicação mais evidente de uma vitória de Trump seria seu impacto sobre a economia liberal norte-americana. Segundo Wolf, o presidente norte-americano “acredita que está acima da prestação de contas à lei ou ao Congresso pelo que ele faz no cargo”. Para Trump, ele só precisa prestar contas ao seu eleitorado – e aqueles nomeados em seu governo devem lealdade a ele e não a uma causa maior.

“Mesmo que a grande República sobrevivesse ao julgamento amplamente ilesa (o que é otimista), a reeleição desse homem – um demagogo, nacionalista, mentiroso incontinente e admirador de tiranos– teria importância mundial”, pontua o articulista, explicando que os déspotas veem Trump como um espírito irmão.

Leia também:  Flávio Bolsonaro usou R$ 86,7 mil em dinheiro vivo para compra de salas comerciais

Uma nova vitória de Trump significaria o abandono dos liberal-democratas, e a ideia do Ocidente como uma aliança com alguma base moral evaporaria. “De modo mais amplo, seu transacionalismo em curto prazo e a disposição a usar todos os instrumentos disponíveis do poderio americano criam um mundo instável e imprevisível não apenas para os governos, mas também para as empresas. Essa incerteza também pode piorar em um segundo mandato. É uma pergunta em aberto se algum tipo de Estado de direito internacional sobreviveria”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Mas quem dos “burrinhos” o derrotaria ?
    Sanders até vence as primárias mas na eleição geral ?
    Buttigieg idem.
    Bloomberg ? Força da grana…
    Biden terá de explicar o que tanto Trump queria que fosse investigado.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome