Observatorio de Geopolitica
O Observatório de Geopolítica do GGN tem como propósito analisar, de uma perspectiva crítica, a conjuntura internacional e os principais movimentos do Sistemas Mundial Moderno. Partimos do entendimento que o Sistema Internacional passa por profundas transformações estruturais, de caráter secular. E à partir desta compreensão se direcionam nossas contribuições no campo das Relações Internacionais, da Economia Política Internacional e da Geopolítica.
[email protected]

Jogos que não acabam, por Felipe Bueno

Como mostrei aqui algumas vezes, o futebol traz vários ensinamentos sobre a complexidade do mundo.

do Observatório de Geopolítica

Jogos que não acabam

por Felipe Bueno

Veloz para comentar e julgar casos midiáticos e instagramáveis, parte da sociedade não tem a mesma rapidez quando fatos mais difíceis de entender passam pelo noticiário.

Como mostrei aqui algumas vezes, o futebol traz vários ensinamentos sobre a complexidade do mundo.

Neste início de setembro tivemos mais um triste capítulo, na fase eliminatória da Euro 2024.

Num jogo entre Romênia e Kosovo, na capital do país anfitrião, parte da torcida local hostilizou os visitantes com faixas nas quais se lia Kosovo é Sérvia. A partida chegou a ser interrompida pela arbitragem.

Quem acompanha o futebol mundial, especialmente o europeu, sabe que existem alguns marcos no tempo que definem épocas, os famosos antes e depois. Um desses marcos é o esfacelamento da Iugoslávia.

Era uma quarta-feira, 29 de maio de 1991, e o Estrela Vermelha de Belgrado derrotava nos pênaltis o Olympique de Marselha na final do que hoje chamamos de Champions League. A linha do tempo desse grupo de jogadores se iniciava em 1987, no mundial sub-20 vencido pelos iugoslavos no Chile, e se estenderia até o espetáculo proporcionado pelos croatas ao chegar em terceiro lugar na Copa do Mundo de 1998.

De volta a maio de 1991, o Muro de Berlim já havia caído, o socialismo real já se transformava em fantasma, a Eslovênia e a Croácia já buscavam a autonomia do castelo de cartas em que havia se transformado a Iugoslávia. Começava a guerra, uma sequência de tragédias que varreu os anos 1990.

Virava o século e o voo dos pedaços da antiga república socialista ainda não havia acabado.

Em 2008, Kosovo, um dos inúmeros cantos dos Bálcãs ricos em história, declarava-se independente da Sérvia, com quem passou a formar uma longa e tensa fronteira – o restante dos limites da pequena nova nação estabeleceu-se com Macedonia do Norte, Albânia e Montenegro.

Do ponto de vista da História de longa duração, o povo kosovar é credor de uma dívida de violência e opressão que vai, em retrospectiva, do delírio da Grande Sérvia ao Império Romano.

E em momentos nos quais sua modesta seleção de futebol tenta simplesmente disputar uma competição, seu povo é lembrado de que o pagamento ainda não foi realizado. Talvez nunca seja.

Quanto à Romênia, recomenda-se aos torcedores hostis que invistam em um pouco de estudo sobre a história do próprio país.

Buscar conhecimento sobre as linhas que compõem esse pedaço de mundo pode contribuir para entendimentos diversos: ajuda a compreender o que é a Europa, seus pecados internos não absolvidos e suas projeções para o futuro. Sombrias ou ensolaradas, a depender das respostas que serão dadas a inúmeras perguntas.

Felipe Bueno é jornalista desde 1995 com experiência em rádio, TV, jornal, agência de notícias, digital e podcast. Tem graduação em Jornalismo e História, com especializações em Política Contemporânea, Ética na Administração Pública, Introdução ao Orçamento Público, LAI, Marketing Digital, Relações Internacionais e História da Arte.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador