Novo partido de Bolsonaro é tiro no pé, por Helena Chagas

Até formalização da Aliança pelo Brasil, vão viver numa espécie de limbo político, com um pé no partido antigo e outro no novo

Sugestão de Bernardo Costa

Comentário no post Xadrez da marcha acelerada para o fascismo, por Luis Nassif

Acho que seria interessante cruzar os dados. Helena Chagas vê nesse movimento de criar um partido um tiro no pé.

Novo partido é jogada de alto risco para Bolsonaro

Novo partido é jogada de alto risco para Bolsonaro

Por Helena Chagas


Jair Bolsonaro — que, num gesto inédito para um presidente da República, deixou formalmente nesta terça o PSL — vai precisar de uma senhora ajuda do Tribunal Superior Eleitoral para viabilizar seu novo partido, a Aliança pelo Brasil, antes das eleições do ano que vem. É grande o risco de dar com os burros n’água, segundo opinião de dez entre dez políticos experientes.

Dois precedentes importantes da história recente apontam em sentidos contrários. Marina Silva, por exemplo, fracassou na tentativa de formalizar a Rede Sustentabilidade e fim de concorrer nas eleições de 2014. Acabou vice na chapa de Eduardo Campos pelo PSB e, com sua morte, candidata a presidente. Mas demorou para viabilizar a Rede.

Já Gilberto Kassab obteve, em 2011, as boas graças da Justiça Eleitoral e criou seu PSD em tempo recorde, participando das eleições de 2012. Foi uma proeza, e para sua realização certamente terá pesado o fato de Kassab, na época, ser aliado ao mesmo tempo da presidente da República, Dilma Rousseff, e do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Leia também:  As fotos de Dilma dormindo no avião ou A trilogia do ódio, por Armando Coelho Neto

Não se deve subestimar a capacidade de um presidente da República, com a máquina, a caneta e o Diário Oficial nas mãos, de criar um partido. Mas Jair Bolsonaro não é um presidente como outros, sobretudo no quesito articulação política.

Coincidência ou não, na mesma terça-feira em que Bolsonaro assinou sua carta de desfiliação do PSL, o sub-procurador geral eleitoral, Humberto Jacques, enviou parecer ao TSE contrário à coleta das assinaturas necessárias por via digital. O parecer do procurador não é a decisão final do Tribunal, mas acendeu um sinal de alerta entre bolsonaristas, que pretendem usar a estratégia digital para reunir as 500 mil assinaturas até março.

Do ponto de vista político, a decisão de Bolsonaro de criar mesmo um novo partido também tem alto risco. Enquanto a Aliança não tiver sua criação confirmada, não poderá abrigar deputados que vão sair com o presidente do PSL, pois eles correm o risco de perder seus mandatos. Até essa formalização, vão viver numa espécie de limbo político, com um pé no partido antigo e outro no novo.

O que fará Eduardo Bolsonaro, hoje líder do PSL na Câmara? Provavelmente deixará a função. Ele e seus aliados arriscam-se a perder as indicações para os postos que ocupam hoje em comissões e relatorias, até por represália de Luciano Bivar, confirmado também nesta terça na presidência do PSL.

O primeiro grande prejuízo político da nova empreitada partidária da família Bolsonaro poderá ser a perda das vagas que seus aliados ocupam hoje na CPMI das FakeNews, aquela criada para investigar o esquema digital montado pelo hoje presidente nas eleições de 2018.

 

3 comentários

  1. Alguém nesse recinto está planejando fazer compras no Brack Fliday?

    Se positivo, passem no meu estabelecimento. Tem descontos para amigos do Ggn. Aproveitem o Brack Fliday, Arkx e Amoraiza.

  2. Que pena que não se pode comentar sobre quem irá parar o fascismo e sobre Luiz Gama, aqui ao lado. Finalmente o ‘Capitão’, o 1.o Presidente Paulista depois de 90 anos, começa a parar o Fascismo implantado em Quartelada QuintoMundista de 1930. Que destituiu um Paulista. Coincidência? Afinal, estamos na Pátria das Coincidências?!! 9 décadas rumo ao fundo da latrina. É preciso desenhar ou você já abriu a janela da sua casa, hoje? Obras e lacaios do Fascista MEC(30), OAB(30), USP(34), UNE(38), Justiça do Trabalho, Sindicalismo Pelego, Estado Nepotista de Tancredo Neves, Alzira Vargas, Gudin, Carlos Prestes, Dutra, João Goulart, Leonel Brizola,….Coincidência? Do outro lado Século Magnifico (1830/1930). Elite Paulista que ascende juntamente com a proteção e educação do Príncipe de apenas 5 anos, que é deixado sobre os cuidados de Figura Paulista Impar José Bonifácio de Andrada e Silva e toda Elite Paulista da Regência, que construirá a vanguarda e caminho óbvio e progressista de um Governo Republicano. Luiz Gama é produto deste Período Magnifico. Poderia ser diferente com esta Estrutura e Elite Política? E José do Patrocínio? E Machado de Assis? E Rebouças? E Lima Barreto? E Castro Alves? E Raquel de Queiroz? E Rui Barbosa? E Oswald de Andrade? E Tarsila do Amaral? E Di Cavalcanti? E Padre Landell de Moura? E Emilio Ribas? E Osvaldo Cruz? E Nilo Peçanha? E Santos Dumont? E… Luiz Gama é produto de uma Nação que se perdeu no Fascismo em Golpe Civil Militar de 1930, mas que depois de 9 décadas. começa a achar o caminho para sua liberdade. Não adianta ‘chorar pelo leite derramado’. Este século perdido em tragédias e medíocres só teremos para lamentar. Um Novo Futuro estamos construindo. Pobre país rico. Por ter ditatorialmente escolhido o caminho errado. Cabeça tornou-se em rabo. Mas de muito fácil explicação.

    1
    16
  3. Será que Bolsonaro terá dificuldades para reunir 500 MIL assinaturas ?
    Ele tem milhares de fanáticos “soldados” dispostos a tudo…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome