Diretoria da Petrobras não tem reajuste salarial desde 2016

Após críticas de Bolsonaro, estatal divulga nota ao mercado afirmando que presidente e diretores não têm poder para reajuste de seus vencimentos

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O presidente da Petrobras e os diretores executivos da estatal não têm reajuste em sua remuneração fixa desde 2016, e não está previsto um reajuste para este ano.

A afirmação é da própria empresa, que divulgou comunicado ao mercado após as críticas do presidente Jair Bolsonaro ao atual presidente da estatal, Roberto Castello Branco, que afirmou que o executivo “está em casa sem trabalhar”.

Segundo informações do portal UOL, Bolsonaro falou a apoiadores que “é inadmissível” que Castello Branco esteja em home office durante a pandemia. “O chefe tem que estar na frente, bem como seus diretores. Isso [home-office] para mim é inadmissível. Descobri isso há poucas semanas. Imagina eu, presidente, em casa com medo do covid, ficando aqui o tempo todo aqui no Alvorada. Não justifica isso”, disse.

Segundo comunicado da Petrobras ao mercado, o presidente e a diretoria executiva não têm poder para aumentar seus próprios salários. “Qualquer eventual alteração na remuneração dos executivos passa obrigatoriamente por diversas instâncias de aprovação, incluindo o Conselho de Administração da companhia, Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais e Assembleia Geral Ordinária de Acionistas, onde o Estado brasileiro, na qualidade de acionista controlador e através da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, votam, aprovando ou rejeitando a proposta”. 

Bolsonaro também criticou o salário de Castello Branco: “Sabe quanto ganha um presidente da Petrobras? R$ 50 mil por semana? É mais do que isso por semana. Tem coisa que não está certa. E para ficar em casa. Pode estar fazendo um bom trabalho em casa, mas, no meu entender, não justifica”.

De acordo com a nota da Petrobras, “a remuneração total anual do presidente da Petrobras, incluindo o bônus, corresponde a 25% da remuneração total anual dos presidentes de outras empresas do mercado nacional de porte equivalente, considerando-se a faixa mediana de remuneração”.  No caso dos diretores, “a remuneração corresponde a 72% comparativamente aos seus pares, nas mesmas bases, segundo pesquisas salarias das principais consultorias de recursos humanos do país”. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora