A delícia e a dor de apostar no “anti”. E os números que deveriam acender a luz amarela, por Alon Feuerwerker

Governar só com os fiéis, e tocando gasolina na polarização, é perigoso quando faltam resultados no bem-estar

Por Alon Feuerwerker

1) Eleições em dois turnos oferecem a oportunidade de o eleitor não só eleger alguém, mas principalmente derrotar alguém. Isso vale inclusive para ondas já no primeiro turno, o voto útil antecipado, como se viu na sucessão presidencial. É frequente eleições decidirem-se não no confronto entre amores, mas na guerra entre ódios. E é inevitável que governantes construam a rejeição e o ódio a eles mesmos quando decidem, ou falam, qualquer coisa.

2) Também e principalmente por isso, tão ou mais importante que escolher aliados é escolher adversários. É inteligente preferir um adversário cuja rejeição, real ou potencial, permita ao político atravessar barreiras eleitorais mesmo se o amor que este político provoca não é tão intenso assim. Muitas vezes a solução à mão é apresentar-se como mal menor. Daí a utilidade do antipetismo, do antibolsonarimo e dos antis em geral. E costuma funcionar.

3) Em 2014, por exemplo, Dilma e Aécio escolheram-se como adversários, o que permitiu à candidata do PT reeleger-se mesmo naquele ambiente deteriorado que resultou das manifestações de junho de 2013. O antitucanismo acabou derrotando o antipetismo. Depois, na largada do governo, Dilma cometeu o erro de ensaiar um afastamento do petismo/lulismo, com as consequências conhecidas. Mas isso agora é para os historiadores.

4) Ao cultivar diariamente o antipetismo. Bolsonaro dá um gás no bolsonarismo e, de quebra, escolhe um adversário que lhe parece mais conveniente. Vale igualmente para o PT, quando bate 24×7 no bolsonarismo/lavajatismo, ação agora anabolizada pelas revelações sobre os intestinos da operação curitibana. Na guerra de narrativas, o petismo está retomando algum fôlego. Mas não convém subestimar a LavaJato e suas conexões, como se viu nos últimos dias.

Leia também:  Xadrez de como Barroso levou a Bolsonaro e Witzel, por Luis Nassif

5) Qual é o problema do governo, então? É que governar só com os fiéis, e tocando gasolina na polarização, é perigoso quando faltam resultados no bem-estar. O que confere imunidade a qualquer governo, descontada a repressão política, é as pessoas acharem que a vida está melhorando ou vai melhorar. E neste quesito os últimos números deveriam acender a luz amarela no Palácio do Planalto. Pois a falta de resultados vem alimentando o antibolsonarismo.

6) A pesquisa XP/Ipespe divulgada esta semana diz que o ruim/péssimo do governo bateu em 38%, cresceu 21 pontos desde fevereiro. O bom/ótimo caiu menos, sete pontos, de 40% para 33%. O bolsonarismo mostra alguma resiliência no cenário de falta de resultados para entregar. Mas há um deslocamento para o polo negativo entre quem antes avaliava o governo como regular, ou dizia não ter opinião, ou não queria responder.

7) O levantamento também mostrou alguma deterioração quanto ao que se espera do futuro. A expectativa de um governo Bolsonaro ótimo ou bom recuou 19 pontos, de 63% para 44% desde janeiro. E a visão de um futuro ruim ou péssimo cresceu 16 pontos, de 15% para 31%. A maioria simples continua otimista, mas a curva é clara e o otimismo perdeu a maioria absoluta. Se a fotografia não é ruim, o filme, mantida a tendência, não faz antever um final tão feliz assim.

8) E é revelador que a certa deterioração de expectativas sociais venha exatamente quando o Congresso engrena bem a marcha das reformas econômicas liberais. Resta saber se aumentou o otimismo e a vontade de investir dos investidores, o que poderá ser verificado nos números da economia. Mas no povão não é fulgurante o entusiasmo com o deslanchar das mexidas econômicas propostas pelo governo.

*

9) O governo diz que vai apresentar uma PEC para implantar o sistema de capitalização na previdência. Tem uma arma poderosa para pressionar os parlamentares. Ou aprovam, ou não recebem os recursos de emendas prometidos para suas bases quando aceitaram votar a reforma da previdência. Se vai funcionar, vamos esperar para ver.

3 comentários

  1. Ainda que fosse apenas para parabenizar Fabio de Oliveira Ribeiro por seu texto “VIDAS PARALELAS DEGRADADAS E DEGRADANTES”, eu queria conseguir comentar tal texto. Mas por motivo que não consegui, ainda, obter explicação, toda vez que o Fábio publica algo, nos é impossível comentar. Alguém do blog pode explicar o motivo? Afinal, quando tais textos terminam e a gente procura o campo para escrever comentários, aí ficam rolando dezenas e dezenas de propaganda de outras coisas e a gente não consegue comentar. É isso aí…e agradeço ao Alon Feuerwerker pela paciência de me ver atrapalhar o seu campo para comentários sobre o seu texto, aliás, excelente.

  2. O governo fascista se move pelo ódio, medo e enfrentamento constante contra inimigos imaginários ou não. Isto permite à malta uma excitação constante. Mas isto é apenas uma asa da águia fscista.
    A outra asa é uma política keynesiana para netregar bem estar para a maioria da população. Só assim Hitler e Mussolini duraram tanot, pois à excitação política deve se somar a econômica para que o fascimismo perdure.
    Ao se aliar aos neoliberais, Bolsonaro quebra a asa econômica keynesiana do fascismo e condena o voo da águia fascista.
    Logo logo, quando nos aprofundarmos no abismo econômico em que já estamos, nem sua base mais consistente de apoio (as classes médias tradicionais e os evangélicos) o apoiará.

  3. Conversei com um empresário que fornece material de construção que está na pior, e ele acredita que o tchutchuka vai melhorar a economia e o ramo dele………..dei risada e respondi que se alguém vai ajeitar a economia não será ele, que vai se mandar e passar a buxa para outro assim que passar capitalização……
    E o ouro que foi roubado? Li que era extraído aqui para ser enviado todinho para a Suíça……..e o que ganhamos com isso???????
    Ou seja damos as riquezas, os lucros através de juros, isenções e o que ganhamos????? A PEC da morte? A destruição da previdência?!? A desvalorização do salário mínimo????

    Alguém em sã consciência acredita que isso dará certo?????

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome