Desgaste de Toffoli aumenta no Senado após intimação de dados ao BC

Ala de parlamentares lavajista quer desengavetar CPI da Lava Toga e retomar proposta de impeachment de ministros do Supremo

Ministro Dias Toffoli. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Jornal GGN – A decisão do presidente e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, de solicitar acesso a todos os relatórios e inteligência financeira, produzidos pelo antigo Coaf, gerou revolta de parlamentares, fazendo senadores retomaram o projeto da CPI da Lava Toga. As informações são da Folha de S.Paulo.

Nesta quinta-feira (14) o jornal revelou que Toffoli pediu ao Banco Central acesso aos relatórios de inteligência financeira (RIFs) produzidos pela UIF (Unidade de Inteligência Financeira), antigo Coaf, produzidos nos últimos três anos. A decisão atinge cerca de 600 mil pessoas (412,5 mil físicas e 186,2 mil jurídicas).

O objetivo do ministro é entender a elaboração e tramitação de relatórios financeiros. O magistrado já havia pedido informações sobre isso, mas elas teriam chegado de forma genérica.

No pedido, Toffoli pede ainda para o órgão do BC especificar quais órgãos produziram cada relatório e os critérios que fundamentaram o pedido de análise de dados financeiros de pessoas físicas e jurídicas.

Segundo a Folha, o pedido de Toffoli acabou ampliando o desgaste do ministro no Senado. “De imediato, o episódio mobilizou os cerca de 40 senadores que integram o grupo pluripartidário Muda Senado, que vão retomar a pressão para instalação de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar integrantes do STF, a CPI da Lava Toga”, escreve a jornalista Daniel Carvalho.

Desde o início do ano, um grupo de senadores pró-Lava Jato tenta instituir a CPI. A proposta foi barrada a pedido do presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), na tentativa de evitar uma crise institucional.

“A justificativa do presidente do Senado era não agravar a crise. Recuamos por causa deste entendimento”, disse o senador Marcos do Val (Podemos-ES).

Leia também:  Bolsonaro veta perdão a Igrejas mas pede que Congresso derrube o veto

“É claramente mais uma ocasião de abuso praticado pelo ministro Dias Toffoli. Não há nenhuma razão para você acessar o sigilo de milhares pessoas, a não ser que você queira criar um banco de dados clandestino com objetivos de manutenção ou reforço de poder”, disse o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Outra questão que aumentou o desgaste de Toffoli no Senado foi sua decisão de barrar a prisão após condenação em segunda instância, levando à soltura do ex-presidente Lula.

Ainda segundo a matéria da Folha, que os senadores lavajistas conseguiram ampliar de 43 para 48 o número de assinaturas para lançar uma (proposta de emenda à Constituição) para reverter a decisão do STF, sobre prisão após segunda instância. O grupo precisa apenas de mais uma assinatura para que a PEC seja instaurada.

Os parlamentares pró-CPI da Lava Toga agendaram uma reunião para a próxima terça-feira, 19 de novembro, sobre o tema. Além da CPI, o grupo articula abertura de processo de impeachment de alguns dos ministros do Supremo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

    • Que interesse teriam Senadores e Ministros do STF em favorecer um golpe, se a primeira coisa que um golpe que se preze faz, é fechar o Congresso, e aposentar compulsoriamente os membros do STF. Aqueles que propõe prisão depois de julgamento em 2ª instancia, estão atirando no próprio pé; e se querem atingir o Lula quebram a cara, pois a medida se aprovada não retroage para atingir o Lula.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome