Desgaste de Toffoli aumenta no Senado após intimação de dados ao BC

Ala de parlamentares lavajista quer desengavetar CPI da Lava Toga e retomar proposta de impeachment de ministros do Supremo

Ministro Dias Toffoli. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Jornal GGN – A decisão do presidente e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, de solicitar acesso a todos os relatórios e inteligência financeira, produzidos pelo antigo Coaf, gerou revolta de parlamentares, fazendo senadores retomaram o projeto da CPI da Lava Toga. As informações são da Folha de S.Paulo.

Nesta quinta-feira (14) o jornal revelou que Toffoli pediu ao Banco Central acesso aos relatórios de inteligência financeira (RIFs) produzidos pela UIF (Unidade de Inteligência Financeira), antigo Coaf, produzidos nos últimos três anos. A decisão atinge cerca de 600 mil pessoas (412,5 mil físicas e 186,2 mil jurídicas).

O objetivo do ministro é entender a elaboração e tramitação de relatórios financeiros. O magistrado já havia pedido informações sobre isso, mas elas teriam chegado de forma genérica.

No pedido, Toffoli pede ainda para o órgão do BC especificar quais órgãos produziram cada relatório e os critérios que fundamentaram o pedido de análise de dados financeiros de pessoas físicas e jurídicas.

Segundo a Folha, o pedido de Toffoli acabou ampliando o desgaste do ministro no Senado. “De imediato, o episódio mobilizou os cerca de 40 senadores que integram o grupo pluripartidário Muda Senado, que vão retomar a pressão para instalação de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar integrantes do STF, a CPI da Lava Toga”, escreve a jornalista Daniel Carvalho.

Desde o início do ano, um grupo de senadores pró-Lava Jato tenta instituir a CPI. A proposta foi barrada a pedido do presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), na tentativa de evitar uma crise institucional.

“A justificativa do presidente do Senado era não agravar a crise. Recuamos por causa deste entendimento”, disse o senador Marcos do Val (Podemos-ES).

Leia também:  Maioria no Supremo vota para liberar compartilhamento de dados sigilosos da Receita

“É claramente mais uma ocasião de abuso praticado pelo ministro Dias Toffoli. Não há nenhuma razão para você acessar o sigilo de milhares pessoas, a não ser que você queira criar um banco de dados clandestino com objetivos de manutenção ou reforço de poder”, disse o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Outra questão que aumentou o desgaste de Toffoli no Senado foi sua decisão de barrar a prisão após condenação em segunda instância, levando à soltura do ex-presidente Lula.

Ainda segundo a matéria da Folha, que os senadores lavajistas conseguiram ampliar de 43 para 48 o número de assinaturas para lançar uma (proposta de emenda à Constituição) para reverter a decisão do STF, sobre prisão após segunda instância. O grupo precisa apenas de mais uma assinatura para que a PEC seja instaurada.

Os parlamentares pró-CPI da Lava Toga agendaram uma reunião para a próxima terça-feira, 19 de novembro, sobre o tema. Além da CPI, o grupo articula abertura de processo de impeachment de alguns dos ministros do Supremo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

    • Que interesse teriam Senadores e Ministros do STF em favorecer um golpe, se a primeira coisa que um golpe que se preze faz, é fechar o Congresso, e aposentar compulsoriamente os membros do STF. Aqueles que propõe prisão depois de julgamento em 2ª instancia, estão atirando no próprio pé; e se querem atingir o Lula quebram a cara, pois a medida se aprovada não retroage para atingir o Lula.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome