Recado do Nassif: Por que Doria finalmente agiu contra o massacre de Paraisópolis

É incompreensível que uma operação com mais de 30 PMs, sem um oficial comandando, tenha passado em branco.

O colega Fernando Britto já tinha me alertado que o massacre de Paraisopolis era fruto do bolsonarismo de Bolsonaro – não o de Joao Doria jr.

De fato, a morte do sargento Ronaldo Ruas ouriçou a tropa. Era tido como uma espécie de paizão da PM e morreu durante um pancadão no local. De lá para cá, o clima esquentou até chegar na tragédia dos 9 meninos mortos. Seu irmão é político ligado ao bolsonarismo.

Indaguei de um procurador, especializado em direitos humanos, o que poderia ter ocorrido. Segundo ele, foi uma tragédia em que a PM, tradicionalmente violenta, perde o controle.

Agora, a informação de que não havia nenhum oficial comandando a tropa, mas apenas um subtenente, reforça a ideia de uma represália dos bolsominios contra a favela. E foi coisa armada. É incompreensível que uma operação com mais de 30 PMs, sem um oficial comandando, tenha passado em branco.

As duas razoes para, finalmente, Doria demonstrar alguma empatia com a tragédia, se deve a dois fatores:

  1. A infiltração bolsonarista.
  2. A ampla votação que teve na favela, que só foi divulgada dias depois.
  3. A repercussão negativa de sua frieza inicial.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Como funciona o estado de sítio, medida extrema estudada por Bolsonaro

13 comentários

  1. Nassif: alegria em vê-lo postar após a intervenção. Votos de grande recuperação!
    A notícia de que o Sr. Doria teve ampla votação em Paraisópolis é retrato do fracasso do Brasil progressista (mas aqui ressalte-se que é um fenômeno global, não brasileiro. O Vox na Espanha teve expressiva votação em uma das regiões mais pobres da Espanha, a Andaluzia).
    O Wilson Cinegnose tem toda e absoluta razão em afirmar que a esquerda está perdendo de goleada a batalha de comunicação (semiótica).
    Dória e Paraisópolis é um oxímero por definição. E, no entanto, ele foi o mais votado.
    É uma tragédia talvez até maior que a tragédia dos meninos e meninas lá assassinados.

    31
    • Não sabia que o Nassif tinha sido submetido a uma intervenção… Falha minha.
      Pronta recuperação ao Nassif…

      4
      1
  2. Um detalhe: se Dória teve alta votação em Paraisópolis, seus moradores não têm do que reclamar.
    Quem pariu Mateus, que o embale.

    4
    1
  3. E se votou em Doria votou em Bolsonaro… Esses anos de PT não foram suficientes para que a população compreendesse o que é luta de classes e a diferença de governos de direita e esquerda. Pecamos com a comunicação e o preço é esse ai.
    Quanto ao Doria nem por um minuto se preocupa com a vida daqueles garotos e o sofrimento das familias. Na concepção dessa gente, essas mortes significam bandidos a menos. No youtube tem o documentario Morumbi versus Paraisopolis. Uma aulinha.

  4. Pelo andar da carruagem o transitado em julgado será a voz de prisão do delegado ou do policial : o mundo civilizado tem que condenar Moro por abuso de autoridade e crimes contra a humanidade
    Moro consegue prisão em primeira instância para casos sujeitos ao Tribunal do Júri
    Alguma dúvida de que o próximo passo desse fascinora é a sentença de morte a ser dada pelo policial, que veio com o pomposo nome de excludente de ilicitude pra que a polícia cometa assassinatos impunemente : eis aí o nazismo em nome Deus não é

  5. Não era do meu conhecimento que Nassif tinha se submetido a uma intervenção cirúrgica.Meus votos de plena recuperação,aliado ao meu afetuoso abraço.Quanto ao ora “post”,o comentário de Anonimo,11/12/2019 at 9:57,é de uma exatidão sublimar.O ego da esquerda latino americana,faz inveja ao Oceano Pacifico,segundo Boaventura de Souza Santos.Esse caso da votação de JD em Paraisópolis é fato gravíssimo que serve a de subsídio a esquerda para abertura de recuperação judicial,a antiga falência pois pois.

  6. Na época que o Maluf ganhava eleições em SP dizia-se que ele já era rico e por isso não iria roubar.
    O povinho besta!

  7. Nassif,

    Tá tudo certo, mas a gota d’água foi que até a Globo ficou do lado das vítimas.
    Só aí ele jogou a toalha!

  8. Penso que foi mais uma ordem, do que um conselho. Na política vale tudo, principalmente para os fantoches, que são serviçais paus mandados da elite dominante e patrocinadora maior de seus passos e de seus destinos. Imagino que mesmo apoiando o desfecho da covarde carnificina, tão repetitiva nos governos de SP, os déspotas do alto comando não quiseram correr o risco de deixar que uma tamanha mancha de sangue ficasse marcada durante toda a campanha do fantoche da vez. Afinal, eu avalio, a indignação e revolta da população foi maior que esperavam e a comemoração teve que ser às escondidas.

  9. Curioso que a análise da maioria dos que postaram, seja que a esquerda falhou na comunicação. A mim, assim não parece. Creio firmemente que a esquerda falhou porque ao adotarem uma agenda econômica liberal, baseada no consumo, fortaleceram o conservadorismo típico daqueles que se tornam burgueses: medo de perder, desejo de ganhar.
    Ao permitir universidades tecnicistas que não fortaleceram a formação humana e ética, geraram o batalhão de jovens reacionários, que adotaram a agenda dos seus professores igualmente reacionários. Com o discurso formatado e afiado, tornaram-se como é comum aos jovens, refratários a qualquer outro discurso que não confirme o ponto de vista implantado.
    O discurso de “vencer na vida”, se conferiu ganhos à sociedade, logo esta se viu ameaçada pela insegurança (medo de perder seus bens) da política de segurança. Apesar da responsabilidade do ente federado na condução destas políticas, o PT, destacadamente pelo mini-nistro J.E. Cardoso, foi incapaz de gerar uma política de segurança. Pior, deixou que os jornais panfletassem o governo federal como responsável pelo caos da segurança pública.
    Isto calou fundo nos novos conservadores. Para estes, de que adianta a televisão e celulares novos, se estes seriam tomados pelos ladrões, pelos nóias, que imediatemente seriam libertos pelos “direitos humanos”, que de fato, sempre agiu de modo oblíquo no país, ao priorizar o individual sobre o coletivo. Explico, ao optarem pelas garantias individuais do que pela qualidade do ambiente prisional, por um sistema mais humanizado. Ao fazerem a primeira opção, passaram a mensagem de se preocupar mais com o bandido do que com a sociedade.
    Por fim, para governar, Lula fez acordos inescusáveis. Permitiu que a banda podre, a mesma que anos depois derrubou Dilma, assumisse a origem da corrupção pesada: o ministério das Minas e Energia, de onde se articularam os escândalos que solaparam a credibilidade ética do presidente. O fato dele não se beneficiar, no que acredito, não exime o fato que nem Lula ou Dilma agiram de fato para conter a corrupção. Dilma, para ser justo, até defenestrou parte da direção da Petrobrás, mas aparentemente, pelo fato de haverem colocado como culpada do caso Pasadena.
    Enfim, os erros sao mais graves e profundos que mera comunicação.
    Não acredito em meas culpas, que servirão apenas para açular os ânimos dos ultra direitistas e mídia ultraliberais como FSP, Globo, Estadão, Veja. Acredito que o PT deve mudar a postura, declarar antecipadamente, membros do governo. Estabelecer planos para recuperação da economia. Pautas de segurança. Educar para cidadania, interferindo no modelo tri-partite. Deve reformar o judiciário. Enfim, deve fazer o que deveria fazer e não vir com o papo de que melhorou a economia, melhorou tudo.
    Descobriram enfim que a frase “é a economia, estúpido”, não é tão perfeita.
    Boa sorte para os que ficarem na luta e boa sorte e pronta recuperação para o Nassif.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome