Governo Bolsonaro insiste em cortar salário dos trabalhadores

Medida vai prever redução de até 100% - e compensação com valor que seria recebido de seguro-desemprego em caso de demissão

Medida deve ser assinada por Bolsonaro nesta quinta-feira (02/04) e entrará em vigor de forma imediata Foto: Carolina Antunes/PR

Jornal GGN – E mais uma vez o governo Jair Bolsonaro age contra os trabalhadores, ao usar a pandemia de coronavírus para editar uma Medida Provisória que autoriza o corte de salários e jornadas dos trabalhadores em qualquer percentual, podendo chegar em 100%.

E para compensar essa medida, os trabalhadores afetados irão receber uma compensação do governo equivalente a uma parte do que receberiam de seguro-desemprego em caso de demissão. E a complementação tem regras diferentes conforme o porte da empresa.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, a medida já recebeu aval do presidente Bolsonaro e será editada até esta quinta-feira (2). Por se tratar de uma Medida Provisória, ela vai entrar em vigor após sua publicação e poderá ser adotada pelos empregadores – caberá ao Congresso validar o texto.

Se a empresa optar pela suspensão de contrato, as regras para os patrões mudam dependendo do faturamento. No caso de uma companhia dentro do Simples (faturamento bruto anual até R$ 4,8 milhões), o empregador não precisa dar compensação ao trabalhador durante os dois meses e o governo vai bancar 100% do valor do seguro-desemprego.

Quando o faturamento superar esse patamar, o patrão deverá arcar com 30% do salário do empregado. O governo entra com 70% do valor do seguro-desemprego.

Leia Também
Bolsonaro diz que manutenção de empregos pode custar R$ 92 bi
“Chegamos a 2,6% do PIB nesse orçamento de guerra”, diz Guedes
Porque as medidas econômicas não estão sendo implementadas, por Lauro Mattei
Varejistas avisam Bolsonaro que vão demitir em média 30%
Covid-19, Bolsonaro e o Caos Como Método, por Eduardo Costa Pinto

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  The Guardian: O desdém de Bolsonaro pela cultura refletida no silêncio pela morte de artistas

4 comentários

  1. É impressionante como o governo não consegue pensar o Brasil…
    O Mandetta, que tem agido melhor que bolsonaro, mas para estar neste governo deve ter tido posições anti-SUS!
    Alguma coisa contra o SUS ele fez…
    E não consegue pensar fora da caixa…
    Reclama que os EUA compraram todo estoque de material médico, ora bolas, com a capacidade ociosa de muitas escolas poderiam estar produzindo aqui todo este material essencial!

    • Ser melhor do que Bozo não é elogio pra ninguém.
      Mandetta é médico (já foi tenente médico), é do DEM, fez calorosos posicionamentos no Congresso contra o Mais Médicos, foi presidente da Unimed, com histórico corporativista, é de família de políticos de MT. foi secretário municipal de saúde e sofreu acusações de corrupção.
      Apesar de tudo, correntemente pelo menos não se submeteu a Bozo, mas as críticas podem ser as seguintes:
      Em vez de estar imerso no equacionamento dos imensos problemas da crise pandêmica, fica dando entrevistas que um ou mais porta-vozes poderiam dar. A apresentação de dados pode ser feita de até por um bom estagiário.
      Por esta perda de tempo e energia, descobre que estão faltando recursos, que perdeu a concorrência na “inimiga” China contra o amigo EEUU. Está também tentando surrupiar os respiradores que estados e municípios compraram antes dele, pois percebe que não terá para distribuir federativamente.
      De resto, o isolamento e as providencias de mais leitos e hospitais de campanha foram feitos pelos estados e municípios.
      Em sua defesa, tem um chefe “aberração” (® The NYTimes) e não se intimida com suas besteiras para-criminosas. Como médico, mantém-se alinhado à ciência.
      Menos pior.

  2. É inacreditável a incompetência geral do (des)governo e sua desfaçatez com seu povo.
    O presidente (?), com uma missão de guerra, fica fazendo passeinhos e mantendo conversas de botequim com apresentadores de programas de crime ou de baixa-diversão popular, como Datenas e Ratinhos.
    Em vez de unir, divide e causa desinformação e, ele sim, medo, com conversas de violência doméstica, desabastecimento, paralisação de caminhoneiros, etc. Comportamento criminoso!
    O da Saúde gasta um tempo enorme em coletivas e depois descobre que é o último a saber em reuniões, em compras feitas com o inimigo e surrupiadas pelo amigo, por prefeitos que compram respiradores antes dele e coisas do tipo.
    O da Economia parece em estado de choque, é conduzido gentilmente pelo Congresso como um bêbado, não sabe onde estão as fontes (talvez em Roma?), inventa PEC’s desnecessárias nas costas do Legislativo, tem medo de ser processado e sei lá mais o que.
    E a pandemia comendo …
    E o trabalhador, óóó…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome