EUA: cresce consenso de que retomada econômica será em forma de ‘W’

Epidemiologistas e economistas norte-americanos sinalizam que período de retomada pós-coronavírus será longo – e cheio de obstáculos

Foto: Reprodução

Jornal GGN – Não existe mais tanta certeza de uma rápida recuperação da economia (mesmo em uma trajetória em V) dos Estados Unidos: muitos terão medo de sair mesmo quando a reabertura tiver início, e parece cada vez mais provável que restaurantes e estádios, dentre outros estabelecimentos, operem com capacidade parcial por um tempo, na melhor das hipóteses.

Segundo o jornal norte-americano Washington Post, uma possibilidade que vem preocupando é a retomada econômica em forma de W – um cenário onde a economia começa a parecer melhor, para registrar uma nova desaceleração neste ou no próximo ano.

O ‘W’ poderia ser desencadeado por uma reabertura prematura da economia, e pela ocorrência de uma segunda onda de mortes pela covid-19. – o que levaria a um novo fechamento de empresas, e as pessoas teriam mais medo de sair de casa até que uma vacina seja encontrada.

Outra coisa que pode levar a um padrão ‘W’ seria uma onda de falências e inadimplências no final deste ano, gerando um efeito dominó – os trabalhadores não são recontratados, os fornecedores não são pagos e cresce o medo.

Mesmo entre as pessoas que ainda têm emprego, 25% dos norte-americanos temem que sejam demitidas ou concedidas no próximo ano, de acordo com uma pesquisa da Gallup. Reduções salariais também estão se tornando comuns, com mais de 14% das pessoas empregadas recebendo salários mais baixos ou menos horas em março, o que aumenta o receio em se fazer novos gastos – aliado aos temores sobre o coronavírus.

Leia também:  Oposição pede investigação sobre possível "rachadinha" em gabinete de Jair Bolsonaro

Nos Estados Unidos, redes varejistas como Macy’s e Neiman Marcus têm enfrentando problemas consideráveis, e analistas projetam cenários ainda piores. A queda do preço do petróleo (com o barril sendo negociado abaixo de US$ 20) é outro golpe no setor norte-americano de energia. Prognóstico traçado pela empresa Rystad Energy indica que mais de 500 empresas americanas vão à falência até o final de 2021.

 

Leia Também
Acordo da OPEP será insuficiente para evitar crise no petróleo
Brasil busca EUA para comércio, mas eles estão focados no ‘mercado interno’
Os impactos dos preços negativos do petróleo no mercado futuro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome