Meninos eu vi: Barça 6 x 1 PSG, por João Sucata

barcelona-02.jpg

Por João Sucata

ESPORTE BRETÃO

MENINOS EU VI

Era um dia de 2017 em que após acontecer o inacreditável, aconteceu por três vezes o impossível

Existiam dois grandes times na Europa, que podiam ser considerados entre os cinco ou seis melhores do mundo na época: Barcelona e PSG, o primeiro espanhol e o segundo francês. O espanhol se considerava mais da Catalunha, que luta por sua separação da Espanha há séculos.

Na disputada Liga dos Campeões da Europa, só grandes times podiam participar, aconteceu o inacreditável  e o impossível. Os jogos eram sorteados e havia disputas eliminatórias em duas partidas, uma em cada  país. O Barça teve que jogar na França e aconteceu o inacreditável: perdeu de 4 x 0 do PSG. O time francês  era excepcional, possuía jogadores de várias seleções; da brasileira , Thiago Silva, Thiago Mota, Marquinhos, Maxwell e Lucas,  além de outros como Cavani, da Itália, Di Maria, astro da argentina, mas 4 x 0 no Barça era considerado inviável.

O Barça também era composto de jogadores de seleção, dois deles do Brasil: Neymar e Rafinha. Tinha ainda o melhor jogador do planeta, o argentino Messi, o goleador uruguaio, Luiz Suárez. um espanhol que fazia a bola dormir em seu pé: Iniesta, craque que lembrava Ademir da Guia, Rivelino, Didi e outros mitos.

O fato é que o Barça, após tomar de 4 x 0, recebeu o PSG para jogar em seu campo nesta semana passada , tendo que ganhar de 5 x 0 para se classificar. Não obstante a esperança ser mínima, 96 mil fanáticos esgotaram os ingressos e transformaram o estádio em um caldeirão fervente. Iniciada a partida o Barça foi atrás dos gols e chegou a 3 x 0, já um placar já difícil de fazer, mas aí Cavani fez um gol e ficou 3 x 1, O Barça tinha então que fazer mais 3.

Aos 43 do segundo tempo Neymar, que não se entregara, tomou o lugar que tradicionalmente pertencia a Messi e fez o quarto, espetacular, de falta; o goleiro ficou como estátua embaixo da trave. Sabemos que em estádios, grande parte da torcida já se levanta e sai antes mesmo do final, de forma a conseguir sair com o carro ou pegar condução mais fácil. Mas ninguém saiu do Camp Nou, o jogo continuava, a torcida ficava no mínimo para ver o fim da tragédia. Não é que aos 45 Marquinhos faz um pênalti e Neymar mais uma vez assume missão de Messi, toma a bola e marca. O tempo termina com os 5 x 1 e o juiz dá mais 4 minutos de prorrogação. No último minuto,

Neymar bate outra falta, um zagueiro rebate, ele pega a bola de novo, dribla o zagueiro, ergue a cabeça, olha para a área e centra para onde  Serge Roberto deveria esticar o pé. Gol do Barça, que se classificou.

O impossível aconteceu três vezes (na primeira por exigir 5 x 0,  segunda por exigir 6 x 1 e na terceira porque aos 43 minutos do segundo tempo ainda estava 3×1). A tragédia se consumou, mas a vítima foi o grande PSG, que perdeu para o sonhático Barça. É partida para fica na história. Os que viram in loco deveriam pagar na saída, por mais dez vezes, o preço do ingresso e ainda assim ficariam mais que satisfeitos. Não houve nada parecido.  Foi mágica pura.

João Sucata

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora