Celso de Mello diz que PGR não “serve a grupos ideológicos”

"O Ministério Público não se curva à onipotência do poder ou aos desejos daqueles que o exercem" e não é o representante "servil da vontade unipessoal" de "quem quer que seja", disse o decano do STF

Jornal GGN – “O Ministério Público não serve a pessoas. O Ministério Público não serve a grupos ideológicos, o Ministério Público não se subordina a partidos políticos”, afirmou o decado do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, em discurso no fim do mandato de Raquel Dodge na Procuradoria-Geral da República, nesta quinta-feira (12).

A fala de Mello, que ao dar o tom sobre o papel da PGR no Judiciário brasileiro, ressaltou a importância de que o cargo não deve ter viés político, foi interpretada por ministros e interlocutores do governo Bolsonaro como um dura e direta crítica do ministro à tentativa de Jair Bolsonaro de escolher um PGR alinhado ideologicamente a ele.

Em seu discurso, o ministro disse que o Ministério Público tem um papel histórico de proteção a grupos minoritários, do “arbítrio do Estado onipotente ou do desprezo de autoridades preconceituosas”. “Regimes autocráticos, governantes ímprobos, cidadãos corruptos e autoridades impregnadas de irresistível vocação tendente à própria desconstrução da ordem democrática temem um Ministério Público independente”, afirmou.

No rápido, mas direto pronunciamento, Celso de Mello disse ainda que “o Ministério Público não se curva à onipotência do poder ou aos desejos daqueles que o exercem, não importando a elevadíssima posição que tais autoridades possam ostentar na hierarquia da República”.

E que o MPF, assim, não é o representante “servil da vontade unipessoal” de “quem quer que seja” ou tampouco “instrumento de concretização de práticas ofensivas aos direitos básicos das minorias”. Nessa mesma linha, em seu discurso de despedida, Raquel Dodge pediu ao Supremo para que ficassem “atentos” a sinais contrários à democracia.

Leia também:  A urgência da MP 1.000, por Paulo Kliass

A fala de Celso de Mello repercutiu rapidamente nos bastidores do Planalto, e foi interpretado pelos próprios ministros do STF como um recado além da independência do MP e diretamente ao governo de Jair Bolsonaro.

O GGN prepara uma série de vídeos que explica a influência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto? Clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Ora, ora e ora decano-em-cano: depois de toda a sua conivência com o golpe do tal “mensalão”, da derrubada da Dilma, da não nomeação do Lula como ministro, da criminalidade lava-jatista, agora – mas, só agora – está tentando se desvencilhar dos “grupos ideológicos” a que serviu desde sempre? Mas, apenas assim, não, no abstrato retórico do vale-nada… Haja paciência com os paridores de ratos.

  2. No rápido, mas direto pronunciamento, Celso de Mello disse ainda que “o Ministério Público não se curva à onipotência do poder ou aos desejos daqueles que o exercem, não importando a elevadíssima posição que tais autoridades possam ostentar na hierarquia da República”.
    Ora, se dobra e muito mesmo. Já fez isso durante estes últimos anos. Somente irá se “levantar” no dia em que o tal do “arbítrio” ameaçar seus polpudos e acumulados vencimentos!

  3. Esses togados continuam fazendo discurso para inglês ver.
    Em que momento não se curvaram diante do golpe?
    Em que momento não se curvaram para impedir que o presidente Lula fosse candidato?
    Em que momento não se curvaram para garantir que o presidente Lula fosse ilegalmente preso e assim continuasse?
    Ou essa gente não sabe o que é curvar-se, ou não sabe o que é democracia ou,ainda, não sabe o que é verdade.

  4. #STFtraíras tds que sabem q a Dilma negou o aumento de seus polpudos salário e mais penduricalhos e porisso o conluio deu no q deu e agora com o BOSTAnaro não dá p aumentar a CAGADA feita pq a MERDA BARROSA no ventilador RESPINGA tbm em suas TOGAS!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome