Fenae reforça que práticas criminosas contra bancárias da Caixa são intoleráveis e cobra punição de culpados

Pesquisa divulgada pela Fenae, este ano, revelou o aumento da quantidade de empregados do banco público a assédio moral

Acervo Fenae

da Fenae

Em Dia de Luta contra assédio, Fenae reforça que práticas criminosas contra bancárias da Caixa são intoleráveis e cobra punição de culpados

Foco da ação nacional é respeito às mulheres, equidade de condições no trabalho e exigência de acolhimento às bancárias da Caixa. “Crimes como os denunciados por empregadas da Caixa são intoleráveis e precisam ser denunciados para que os culpados sejam devidamente punidos e o ambiente de trabalho seja pautado por respeito, valores morais e elevados padrões de conduta”, afirma Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal

Brasília — Bancários de todo o país realizam, nesta terça-feira (5), Dia Nacional de Luta contra o assédio moral e sexual. Idealizado pelo Comando Nacional dos Bancários, o objetivo da ação é intensificar as denúncias de assédio no ambiente profissional sofrido tanto por trabalhadores do setor financeiro quanto por outros segmentos da sociedade, além de reforçar a exigência das devidas apurações de casos relatados em instituições como a Caixa Econômica Federal.

“Crimes como os denunciados por empregadas da Caixa são intoleráveis e precisam ser denunciados para que os culpados sejam devidamente punidos e o ambiente de trabalho seja pautado por respeito, valores morais e elevados padrões de conduta”, destaca o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae), Sergio Takemoto.

O coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa) e diretor de Administração e Finanças da Fenae, Clotário Cardoso, ressalta que o Ato reforça a indignação sobre a forma “desrespeitosa e criminosa” como empregadas do banco público eram tratadas por Pedro Guimarães e outros integrantes da direção da empresa: “Colocando em risco a saúde e a carreira dessas mulheres. Colocando em risco a vida de pessoas”.

Jornal GGN produzirá documentário sobre esquemas da ultradireita mundial e ameaça eleitoral. Saiba aqui como apoiar

Cardoso ainda acrescenta: “Vamos mostrar à população que a Caixa é uma instituição séria, centenária, que tem total compromisso com o povo brasileiro, ao contrário deste (des)governo”. O coordenador da CEE também reafirma a necessidade de apuração das denúncias de assédio sexual e moral no banco público e a responsabilização dos culpados. “Assédio sexual é crime. E, se é crime, os culpados têm que pagar por isso, têm que ser punidos”, enfatiza.

ASSÉDIO MORAL — Sergio Takemoto lembra que a opressão vivida por trabalhadores da Caixa já vinha sendo alertada pela Fenae. Pesquisa divulgada pela Federação, este ano, revelou o aumento da quantidade de empregados do banco público a assédio moral: 6 em cada 10 bancários afirmaram ter passado por este tipo de situação. Em estudo anterior encomendado pela Fenae à Universidade de Brasília (UnB), o índice chegava a 53,6%.

A atual pesquisa, que ouviu mais de três mil trabalhadores da Caixa em todo o país, também comprovou que o trabalho no banco estava afetando a saúde de 80% dos empregados. Trouxe, ainda, outros dados alarmantes: 33% estavam afastados por depressão, 26% por ansiedade, 13% por Síndrome de Burnout e 11% por Síndrome do Pânico.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

Leia também:

Escândalo na Caixa: Assédio moral era praxe na gestão de Guimarães

Vice-presidente da Caixa deixa cargo após ser citado em denúncia de assédio sexual

TCU abre investigação sobre escândalo na Caixa

“Você gosta de sauna?”: Presidente da Caixa é acusado de assédio sexual

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador