Meu coração é sempre vil e torto, por Romério Rômulo

Meus dedos infiéis são decadentes.

Meu coração é sempre vil e torto

por Romério Rômulo

1.
Meu coração é sempre vil e torto.
Eu sempre mato mais do que dou vida
Pisando aqui neste cenário morto.
2.
Nunca fui bom. Eu sempre fui armado
Por objetos e mantras indecentes.

Meus dedos infiéis são decadentes.
3.
Sou fera. E a canção que evapora
Nas hordas estancadas da montanha
Só chega por aqui. E vai embora.

Romério Rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora