Eliara Santana
Eliara Santana é uma jornalista brasileira e doutora em Linguística e Língua Portuguesa, com foco em Análise do Discurso. Ela é integrante do Observatório das eleições (INCT IDDC UFMG) e pesquisadora associada CLE/Unicamp. Desenvolve pesquisa sobre desinformação, desinfodemia e letramento midiático no Brasil.
[email protected]

Jair inelegível. Vai começar o JN 3.0?, por Eliara Santana

No dia em que Bolsonaro foi declarado inelegível, o destaque no JN foi para a ação da Justiça. O recado é: vamos esquecer Jair

Jair inelegível. Vai começar o JN 3.0?

por Eliara Santana

em seu blog

A inelegibilidade de Jair Bolsonaro, definida pelo TSE em votação encerrada no dia 30 de junho, teve um grande destaque na edição de sexta do Jornal Nacional. Um destaque comedido e calculado, buscando ressaltar para os espectadores aquela fantasia presente ainda no jornalismo – a imparcialidade. Mas, para além das evidências (e negando as aparências, disfarçando as evidências…), o que me chamou a atenção na edição foi um bem construído tom de descarte daquilo que incomodou bastante. Descarte daquilo que se tornou inconveniente lembrar. Ou seja, Jair inelegível é um problema a menos para a Globo, com certeza, especialmente porque apaga a lembrança do papel conivente que as Organizações tiveram na eleição de Jair Bolsonaro, em 2018. 

Conivente para dizer o mínimo, porque as articulações e as estratégias do discurso midiático, da narrativa construída, que foram colocadas em cena pela Rede Globo foram também muito responsáveis, eu diria decisivas, pela eleição do pior presidente da historia do Brasil – esse mérito não é somente do movimento das redes sociais e do então incipiente ecossistema de desinformação. Basta lembrar aqui duas edições marcantes:

  • 29/09/2018, um sábado, dia das mobilizações do #elenão por todo o Brasil, quando o Jornal Nacional colocou uma entrevista exclusiva de Jair Bolsonaro no avião que o levava de volta do hospital – onde se recuperava do episódio da facada – para casa. Na entrevista, ele falou sobre o que quis, o que inclui o tema das urnas eletrônicas, e do modo como quis, até vertendo algumas lágrimas de crocodilo, devidamente capturadas pelas câmeras
  • 1/10/2018 – o JN coloca na edição de segunda-feira uma reportagem de mais de 10 minutos sobre trechos da delação de Palocci que foram liberados pelo então juiz Sergio Moro. O JN fez uma edição acusatória memorável para vincular o PT, Lula e Dilma à corrupção faltando quatro dias para o primeiro turno da eleição.

Recorrer ao passado é sempre algo muito bom porque podemos recuperar percepções e entender as engrenagens, o funcionamento das coisas, das entidades, das pessoas. Recomendo sempre.

Dito isso, vamos à edição do dia da inelegibilidade. 

A edição de 30/06, que não tinha Bonner e Renata na bancada, dedicou 16 minutos e quatro segundos à votação, no TSE, da inelegibilidade de Jair Bolsonaro. Já na escalada, o assunto foi o destaque da noite. Mas tudo estava bem comedido, bem registrado, claro, mas comedido. A começar pelo fundo que ilustrava a reportagem – uma balança da justiça, mais neutro impossível. A reportagem seguiu um fluxo comum com o relato e a descrição da motivação do julgamento (a ação com base na reunião de Jair com os embaixadores no ano passado), um histórico dos dias do julgamento e os votos dos juízes, com destaque para Carmen Lúcia e Alexandre de Moraes, fazendo emergir as falas mais contundentes que apontavam para temas específicos que já dominam o imaginário nacional – democracia, ataque às urnas, desinformação, liberdade de expressão (e a fala de Alexandre de Moraes sobre esse assunto ganhou muitos holofotes).

A fala de Jair Bolsonaro comentando a decisão, direto de Belo Horizonte, teve bastante tempo na edição, num discurso direto para Jair se explicar rapidinho. Logo na sequência, vieram depoimentos ou tuítes de autoridades a favor e contra – tudo calculadamente equilibrado: Tarcísio (governador de SP), os ministros Flávio Dino e Silvio Almeida, Braga Netto, que concorreu na chapa com Jair e se livrou da punição num acordão pra poupar os militares, Fernando Haddad, Waldemar Costa Neto, Gleisi Hoffmann. Lula também apareceu, mas com a informação de ele não tinha se manifestado. Ótimo ponto e enquadramento. A reportagem também mostrou, em destaque, a repercussão internacional da inelegibilidade a partir de vários jornais pelo mundo.    

Sem dúvida alguma, uma edição muito bem produzida, correta, equilibrada e com bom espaço. Mas, há sempre um mas. E o inferno mora sempre nos detalhes. Vamos a eles então. 

Além do tom de forçada neutralidade e irritante tentativa de demonstrar imparcialidade, o detalhe que mais me chamou a atenção nessa construção foi a ausência de uma exposição contundente de Bolsonaro. Claro, houve certa recuperação histórica dos eventos, mas não houve falas diretas, tudo foi mediado pela narração dos repórteres, não houve imagens fortes nem falas desequilibras. Tudo estava sóbrio. Sóbrio demais. Bolsonaro não apareceu – o ponto alto não foi a campanha abjeta e declarada que ele fez em relação às urnas eletrônicas; o ponto alto da reportagem foi o papel da justiça, o funcionamento das instituições. É louvável? Claro, o TSE tem méritos, especialmente Alexandre de Moraes. Mas a questão é que não se pode apagar o que Bolsonaro fez ao Brasil, mas lembrar isso implica lembrar todos os atores que deram sua contribuição para estado de coisas – a Globo aí incluída.

Portanto, o que vimos na reportagem foi aquela clássica ação de apagar o que incomoda – isso já foi feito com Sergio Moro, por exemplo. Vamos apagar o que incomoda, e bola pra frente, vida que segue. 

O apagamento é uma estratégia usada com maestria pela mídia, assim como o agendamento. Vamos agendar os temas queremos e apagar aquilo que nos incomoda. Muito bem, a lembrança de Bolsonaro é incômoda, porque ele não é um marciano – ele é um “mito” que foi construído pela extrema-direita e um monstro que foi alimentado pela mídia.

E como fica o quesito “vida que segue”, midiaticamente falando? Ou falando em termos de JN, o jornal ainda de maior audiência no país (mesmo perdendo pontos, isso ainda é uma fábula), se acharmos melhor. Como isso se dará? Bolsonaro apagado é um fato – o que virá agora? É notório que houve um realinhamento, uma mudança expressiva na narrativa em favor do governo Lula nos veículos da Globo. Novamente, antes que me ataquem com aquelas metralhadoras de lugares-comuns: estou falando de reposicionamento, não de mídia amiga no parquinho. 

Pois bem, o JN fez movimentos importantes desde a pandemia, culminando nas ações do ano passado, com a eleição. Movimentos muito importantes, com uma guinada expressiva contra Bolsonaro e com uma cobertura favorável a Lula. De novo, isso não é amizade, é jogo político. 

Então, como será o day after da inelegibilidade? Como fica a cobertura da economia? Essa guinada vai permanecer? Não creio que dure muito – mas, por ora, não há nomes para chamar de seus, e paira um certo trauma com o inelegível, porque o Brasil quase parou. 

A mudança de tom e cores na linha editorial do JN é passageira, claro. O JN nunca será vermelho. Até quando essa mudança permanece, não sabemos – eu apostaria que assim que emergir (ou se construir, como a mídia faz muito bem) um nome que capture a simbologia da tal terceira via. As pesquisas mostrando a tal polarização já aparecem com força, e no ano que vem teremos eleição para prefeito. É bom observar também atentamente como vai caminhar a cobertura econômica, se a teoria da “sorte” permanece e que maneira. 

Enfim, as coisas estão se realinhando, mas os reposicionamentos já estão sendo discutidos, podem apostar. E vamos ficar de olho no JN 3.0.

Eliara Santana é uma jornalista brasileira e doutora em Linguística e Língua Portuguesa, com foco em Análise do Discurso. Ela é pesquisadora do Observatório das eleições (INCT IDDC UFMG) e pesquisadora colaboradora do IEL/Unicamp. Desenvolve pesquisa sobre desinformação, desinfodemia e letramento midiático no Brasil.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

Eliara Santana

Eliara Santana é uma jornalista brasileira e doutora em Linguística e Língua Portuguesa, com foco em Análise do Discurso. Ela é integrante do Observatório das eleições (INCT IDDC UFMG) e pesquisadora associada CLE/Unicamp. Desenvolve pesquisa sobre desinformação, desinfodemia e letramento midiático no Brasil.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. A rede Globo é um dos melhores exemplos da imprensa livre de isenção, ela defende o que é do seu própio interesses e dos afortunados deste país. No entanto, não podemos negar que o seu comportamento em relação ao governo Lula tem melhorado, exceto na pauta econômica, deixando evidente o seu alinhamento com o deus mercado, para nos certificarmos, basta observar quem são o especialistas chamados a opinar sobre o assunto. Entretanto, é importante ressaltar o exagero de atenção a questões que eles avaliam como prejudiciais a imagem de Lula, como por exemplo, a relativização da democracia, chegando os seus comentaristas, próximos a declará-la como absoluta, quando nós sabemos que a mesma já nasceu relativa na Grécia antiga, continuando a ser no presente e provavelmente será no futuro até que possamos todos sermos livres e iguais. Aproveitando o julgamento do coiso, cujos direitos constitucionais foram garantidos,que mesmo cometendo crimes abomináveis,não teve se quer uma prisão temporária decretada. Para ele, os direitos democráticos foram respeitados e serão para todos os que cometerem crimes, desde que tenham posses e influência. Mas pergunto: Será que milhares de presos no sistema carcerário a espera da formalização de culpa, podem dizer o mesmo? Formalmente sim, mas na prática não. Para esses presos, direitos democráticos é coisa para rico. Citei apenas um exemplo, mas poderia citar dezenas, mostrando a relatividade democrática a aqui no Brasil e pelo mundo afora.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador