FESPSP se alia na luta contra desmonte da educação

Os docentes entendem que a luta se inicia agora, um primeiro passo para impedir o desmonte do Estado como o conhecemos, desmonte da ciência e tecnologia, e das pautas do meio ambiente.

Jornal GGN – Docentes da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) decidiram, em assembleia, se unir à luta contra o desmonte da educação promovido pelo governo Bolsonaro. Os professores e professoras entendem que, este ataque ao ensino público, atingirá frontalmente o ensino como um todo e os interesses da sociedade em geral.

Os docentes entendem que a luta se inicia agora, um primeiro passo para impedir o desmonte do Estado como o conhecemos, desmonte da ciência e tecnologia, e das pautas do meio ambiente.

Leia a nota a seguir.

EM DEFESA DA EDUCAÇÃO, DOS DIREITOS E DA DEMOCRACIA

As professoras e os professores da FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo) não poderiam ficar indiferentes em face do ataque do governo federal contra a educação brasileira. Este ataque, dirigido contra o ensino público, atingirá o ensino como um todo e os interesses da sociedade em geral. Representará um imenso retrocesso no desenvolvimento nacional, na medida em que a normalidade da vida acadêmica será afetada e as pesquisas, das quais depende o futuro do Brasil, serão prejudicadas, com perdas irreparáveis nas mais diversas áreas das ciências e do conhecimento.

A sociedade não pode aceitar que o governo, por motivos ideológicos, agrida o ensino, a pesquisa, o desenvolvimento científico e tecnológico. Como educadoras e educadores temos compromissos inarredáveis com a educação e com a pesquisa, meios mais eficazes para atingirmos o desenvolvimento econômico e social, com justiça, com direitos, com dignidade e com a preservação ambiental.

Por isso, nos unimos aos milhares de trabalhadoras e trabalhadores do setor e aos milhares de estudantes para lutar pela educação, pelos direitos e pela democracia. Esta luta não se esgota no dia 15, mas é uma luta permanente. Exige diálogo, debates e mobilizações. A tarefa de construir uma solução para os impasses da educação brasileira é de todos nós, da sociedade e das autoridades. Nós, que estamos diretamente envolvidos com a educação, temos o dever de participar na construção dessas soluções e o direito de ser ouvidos.

Leia também:  Mulheres indígenas de mais de 300 etnias realizam 1º marcha em Brasília contra o governo

Professores da FESPSP

Faculdade de Administração

Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Escola de Sociologia e Política

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. cada dia aumenta mais a adesão às
    manifestações do setor da educação,
    as quais tendem a ter uma abrangencia
    muito maior conforme as reclamações
    de outros setores…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome