Constituição, legislação complementar e STF contra as decisões aberrantes de Bolsonaro

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal acatou pedido do PDT para autorizar os estados e municípios a definirem com autonomia as regras de isolamento social

Videoconferência dos líderes do G20

Jornal GGN – O decreto de Jair Bolsonaro que inclui salão de beleza, barbearia e academias de ginástica na lista de serviços essenciais não tem nenhum valor se prefeitos e governadores decidirem que os espaços não podem reabrir durante o isolamento contra o coronavírus.

Ao GGN o professor de Direito da Universidade Federal Fluminense, Rogério Dultra, afirmou que “tanto a Constituição, quanto a legislação complementar, quanto o STF estão, desta vez, em uníssono contra as decisões aberrantes do Presidente da República.”

Segundo ele, a competência para questões de saúde pública não é residual, mas complementar. O artigo 23 da Constituição, em seu inciso ll, define que “é competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios cuidar da saúde e assistência pública.” E permite, no parágrafo único, que lei complementar seja editada para fixar “normas para a cooperação entre a União e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, tendo em vista o equilíbrio do desenvolvimento e do bem-estar em âmbito nacional.”

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal acatou pedido do PDT para autorizar os estados e municípios a definirem com autonomia as regras de isolamento social durante a pandemia de coronavírus, identificando os serviços essenciais que podem permanecer abertos durante a quarentena.

O STF decidiu que, no caso da saúde, a cooperação deve se basear em dados científicos e obedecer a realidade de cada localidade. As decisões do governo federal não podem alterar nem a Constituição, nem a legislação complementar sobre saúde.

A lei 13.979/20 sobre pandemia, que é de fevereiro, já diz em seu art. 3°: “Para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus, as autoridades poderão adotar, no âmbito de suas competências, dentre outras, as seguintes medidas: I – isolamento; II – quarentena.”

Leia também:

https://dev.jornalggn.com.br/noticia/academias-e-saloes-so-abrem-na-quarentena-se-governadores-e-prefeitos-quiserem/

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Como órgãos importantes gastam tempo, energia e nosso dinheiro, para consertar as merdas de bozo.
    Tivessemos alguem um “pentelhonesimo” mais sóbrio no comando, acredito que teriamos um número bem menor de mortos pelo vírus.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome