Manchas de óleo: o que está sendo ocultado?, por Gustavo Gollo

As notícias, em contrapartida, continuam sugerindo a farsa da ocorrência de vazamento em navio, quando a catástrofe equivale ao derramamento total do conteúdo de milhares de navios.

Manchas de óleo: o que está sendo ocultado?, por Gustavo Gollo

Desde o final de agosto, quando manchas de óleo surgiram em Maraú, no sul da Bahia, e em diversos estados do nordeste, acabando por se alastrar por todos eles, uma farsa absurda vem encobrindo um acidente monstro, um crime ambiental sem precedentes no país.

Como podemos afirmar, fora de dúvidas, tratar-se de um acidente monstro?

O primeiro fato a sugerir essa conclusão foi a constatação de que a poluição se alastrava por uma extensão gigantesca, que superava a marca de 2 mil quilômetros – agora 2.300. A vastidão da tragédia ambiental impediu que o fato pudesse ser ocultado da população.

Evidência ainda mais estarrecedora do desastre monstro foi notificada no dia 11, quando a análise de imagens de satélite revelou a existência de duas manchas descomunais, verdadeiras ilhas de petróleo que, juntas, cobriam extensão de 25 quilômetros quadrados, aglutinando quantidade de petróleo equivalente à carga total de um petroleiro. Embora por si impressionante, quantidades análogas de petróleo já vazaram em outras ocasiões em várias partes do mundo e até no Brasil, constituindo grandes acidentes. O fato verdadeiramente aterrorizante, no entanto, não foi propriamente a extensão gigantesca da evidência, mas o longo período através do qual a mancha perdurou. O decaimento das manchas de óleo no oceano é muito rápido, chegando a reduzi-las a um décimo do tamanho original em uma semana. Cálculos baseados em tal constatação revelam estimativas tão sinistras que impronunciáveis para a quantidade de petróleo originada no derramamento. A evidência sugere um derrame de óleo sem precedentes capaz de fazer o da Deepwater Horizon – considerado o maior de todos os tempos –, parecer bolinho.

Leia também:  Clipping do dia

Tanto a mancha revelada pelo radar do satélite, quanto as estimativas do tamanho monstruoso do desastre vêm sendo ocultadas da população. As notícias, em contrapartida, continuam sugerindo a farsa da ocorrência de vazamento em navio, quando a catástrofe equivale ao derramamento total do conteúdo de milhares de navios.

A mancha em questão foi descoberta através da implementação de procedimento padrão decretado para casos análogos, embora realizado com atraso de quase um mês e meio, e por atitude individual, tendo os órgãos governamentais se desobrigado da tarefa atribuída a eles por norma.

Ao invalidar a hipótese de vazamento de navio, dada a quantidade desmesurada de óleo evidenciada pela mancha, demole-se também a parte mais sórdida da farsa: a imputação do crime à Venezuela.

Essa farsa já havia sido completamente desmascarada quando apresentada no Fantástico com o objetivo de “provar”, de maneira fraudulenta, a mentira. Ao constatar que a análise química do petróleo da mancha tinha origem brasileira, e não venezuelana, os farsantes editaram a reportagem “incriminatória” sem apresentar qualquer dado sobre o petróleo venezuelano, comparando a análise da mancha com amostra uma brasileira e outra oriunda do Oriente médio “provando” desse modo sua origem venezuelana. Tóin.

O boato que atribui origem venezuelana ao petróleo que está poluindo a costa do nordeste foi plantado com o intuito de ocultar a catástrofe, farsa endossada e fortalecida pelo presidente da república que além de insinuá-la decretou sigilo sobre o relatório da Petrobrás que esclarece o assunto.

Como desvendar completamente a farsa?

Leia também:  A proximidade de Bolsonaro com o Integralismo, por Bernardo Mello Franco

Existe uma maneira muito simples de desvendar toda a farsa, basta retroceder as imagens da mancha obtidas por satélites ao longo do tempo, localizando desse modo sua origem. A tarefa exige o conhecimento de sensoreamento remoto e pode ser feita recuperando-se imagens dos satélites europeus Sentinel 1 e 2, não há mistério nisso.

Adendo: Na segunda-feira pela manhã, enquanto eu denunciava a farsa apresentada na véspera, no Fantástico, a reportagem apresentada no site G1 foi editada tendo sido retirada a parte que comprovava a fraude, como denunciei em texto anterior. Agora, o vídeo no G1 retornou ao formato original, eis o trecho anteriormente retirado, que deveria comprovar a identidade venezuelana da amostra, mas trata apenas de petróleo brasileiro e do Oriente Médio.

Leia também:

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/manchas-de-petroleo-mapeando-o-crime/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/mais-sobre-a-farsa-do-petroleo-venezuelano/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/o-elefante-escondido-embaixo-do-tapete/

https://jornalggn.com.br/artigos/a-catastrofe-oceanica-e-a-farsa-em-andamento/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/desastre-monstro-no-atlantico-sul/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/especulacao-sobre-a-catastrofe-que-assola-o-litoral-brasileiro/

Crime ambiental em andamento no Atlântico Sul, por Gustavo Gollo


https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/catastrofe-ambiental-no-atlantico-sul/

https://jornalggn.com.br/blog/gustavo-gollo/um-elefante-embaixo-do-tapete/

https://jornalggn.com.br/meio-ambiente/desastre-ambiental-no-atlantico-sul/ https://static.wixstatic.com/media/807ec9_2ab32e3f87204a7c8f0c646c23de5549~mv2.png/v1/fill/w_1066,h_505/plataforma.PNG.png

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Impressiona o padrão de irresponsabilidade que domina este desgoverno que é um perfeito samba do crioulo doido.
    Mesmo depois do aviso em 30 de agosto p.p., ninguém se mexeu, todos lá no hospício preferiram ficar repetindo o mantra que responsabilizava a Venezuela pelo vazamento gigante.
    O ministro do meio ambiente, um mago em assuntos financeiros ( multiplicou o seu patrimônio em 5 vezes, enquanto secretário em governo tucano), na falta de algo útil para fazer, uma de suas especialidades, aproveitou a tragédia ambiental para aparecer no JN, é um jênio.
    Sobre esta nulidade, desconheço uma atitude decente que tenha produzido à frente do seu Ministério do Meio Ambiente.
    Quanto a sonegar as informações sobre o vazamento, agora está confirmado, a Petrobras não é mais a mesma. Pobre brasilsil, está indo de mal a pior e sem qualquer perspectiva de melhora.

    29
    5

Comments are closed.