O que vai acontecer com os R$ 2,5 bilhões da “fundação da Lava Jato”

Acordo entre AGU, PGR, Congresso e Fazenda Nacional deve ser aprovado pelo Supremo Tribunal Federal e ter sua execução fiscalizada pelo TCU

Jornal GGN – A Advocacia-Geral da União informou à imprensa, na quinta (5), que chegou a um acordo com a Procuradoria-Geral da União, o Congresso e a Fazenda Nacional, para destinar os R$ 2,5 bilhões do fundo da Petrobras para ações de interesse da União.

Segundo o informa, o advogado-geral da União, André Mendonça, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, o presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre, e o procurador-geral da Fazenda Nacional, José Levi, concordaram em repassar todo o dinheiro para a educação e a Amazônia.

O acordo teria sido intermediado pelo ministro Alexandre de Moraes, que é relator da ação que suspendeu, no Supremo Tribunal Federal, o uso dos recursos pelo Ministério Público Federal em Curitiba, depois que veio à tona a revelação de que metade dos R$ 2,5 bilhões seria injetada numa fundação de direito privado que seria administrada sob a batuta dos procuradores da Lava Jato.

Todo o dinheiro que a Petrobras teve de desembolsar decorre de uma multa imposta à petroleira pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos e a Securities and Exchance Commission, para encerrar um processo em solo americano, instaurado com a ajuda dos procuradores de Curitiba. Por conta disso, eles saíram com o poder de influência o destino de mais de R$ 1 bilhão. O resto, segundo o acordo, deveria compor um fundo para indenizar acionistas da estatal no Brasil.

Segundo a AGU, se o STF aprovar o novo acordo, agora R$ 1,6 bilhão serão destinados à educação e R$ 1 bilhão para o combate ao desmatamento e às queimadas na Amazônia, incluindo o repasse de R$ 430 milhões para ações em conjunto com estados da região.

Leia também:  Encontro secreto de Deltan envolveu bancos réus na class-action da Petrobras

O uso da verba será fiscalizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pela Controladoria-Geral da União (CGU). Caberá à União elaborar para a Petrobras relatório sobre os recursos recebidos e sua efetiva aplicação.

“A partir deste consenso, vai ser possível dar a esses valores uma destinação justa, correta e que atende ao interesse público”, comemorou o advogado-geral, afirmando que Moraes fez um esforço para que as partes envolvidas chegassem a um acordo.

“É um momento importante, em que finalmente recursos serão destinados a ações de interesse público em áreas importantes para promover a cidadania no Brasil e a defesa da Amazônia, patrimônio brasileiro que também é muito importante. O acordo permite que a verba seja imediatamente disponibilizada para o governo federal”, completou Raquel Dodge.

Confira o que o GGN já publicou sobre o fundo da Lava Jato

Entenda o acordo da Petrobras com os EUA

O GGN prepara uma série de vídeos sobre a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer se aliar a nós nesse projeto? Acesse www.catarse.me/LavaJatoLadoB

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Destinar esse dinheiro à Educação pública e ao combate a incêndios na floresta amazônica, sei… Tá explicado porque é que botaram fogo naquela mata e porque é que estão sucateando a escola pública. Não adianta esse dinheiro ir para essas atividades se quem está com a responsabilidade sobre elas é a turma do golpe: dinheiro vai mesmo é acabar por financiar jatinhos privados…

    Como há notícia aqui mesmo, neste GGN, a turma do golpe sucateia o INPE para contratar empresa “americana” privada que, na verdade, nem tem ainda o produto que está vendendo. Olha lá: https://jornalggn.com.br/meio-ambiente/sistema-planet-de-satelites-que-governo-quer-contratar-nao-existe-alerta-ex-diretor-do-inpe/

    E quanto à educação, bem… olha lá: https://jornalggn.com.br/educacao/ministro-da-educacao-diz-que-universidades-custam-muito-caro-e-critica-reitora-da-ufmt/

    E como não fosse suficiente, a cidade em que Dallagnol e família são coronéis, Nova Bandeirantes (MT), fica na Amazônia Legal, fica não? Seria isso o “repasse de R$ 430 milhões para ações em conjunto com estados da região”?

    Ah jacaré, deixe estar que a lagoa há de secar…

  2. “…Acordo entre AGU, PGR, Congresso e Fazenda Nacional deve ser aprovado pelo Supremo Tribunal Federal e ter sua execução fiscalizada pelo TCU…” Todos estes Órgãos foram medíocres e incompetentes para exercerem suas Funções e fiscalizarem o Estado da 1.a vez, por que agora creem que serão menos incompetentes? O mesmo Estado do qual fazem parte. O dinheiro da Empresa foi roubado. Da Nação Brasileira também. Não deveria ser devolvido à esta Empresa e ao Povo Brasileiro diretamente ao Governo Federal? Feudos assaltando outros Feudos no interminável Estado Absolutista Caudilhista Ditatorial Esquerdopata Fascista de 9 décadas. Dinheiro, literalmente escoa pelo ladrão. E o Povo Brasileiro crendo nesta balela de pobreza e falta de dinheiro. Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome